Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

01
Set21

Setembro

cheia

Setembro

 

És um mês doce e sereno

O primeiro que vi

Como gosto de ti!

Do suave recomeço

Dos que estiveram de férias

E, o começo do novo ano Escolar

Vai levar-nos para o Outono

Onde as árvores recuperam o sono

E, só, acordam na Primavera

Depois de um longo tempo de espera

Para que tudo volte a florir

E o mundo, um dia, possa sorrir

Sem fome nem guerras

Causa de tantas mortes, desesperas

Na procura de um lugar seguro

Onde haja futuro

E não haja ninguém a construir um muro

Com medo de um abraço puro

De quem perdeu tudo

E quer continuar a ver o amanhecer

Sem tiros, sem bombas, sem fanáticos

Que não respeitam ninguém, nem a vida

Querem um pouco de comida

Um abraço para sarar a ferida

Para poderem continuar a sonhar.

 

José Silva Costa

 

 

 

29
Abr21

Lua!

cheia

A despedida

 

Hoje, vestiste a mais bela camisa de dormir

Ao teu encanto ninguém consegue resistir

Mal apareceste, já te vieste despedir!

Hoje, as nuvens não conseguiram ofuscar o teu sorrir

Há três noites que não me deixas dormir

Por mais que queira fechar os olhos

O teu brilho consegue os abrir

Fico triste por te ver partir

Mas, viver assim, não ia conseguir!

O meu corpo não ia resistir

Passar as noites a ver-te florir

E, todo eu, a arder, na varanda

E, tu a prenderes-me, como fosses minha ama

Há milhões de anos com a mesma fama!

De todos encantares, seja dentro ou fora da cama.

 

José Silva Costa

 

 

 

14
Fev20

Namorar

cheia

Namorados

 

Namorar é como sonhar

É ver a lua a rodopiar

Nos olhos o sorriso do brilho do futuro a voar

Nos lábios um doce bailado de beijos

Os cheiros a inebriar-nos os sentidos

Não conseguir conter os …….

Falar-te ao ouvido

Na presciência do futuro

Preanunciar dias de glória

Persuadir-te a veres as estrelas a dormirem

Na tua perscrutação dos seus movimentos

Para aproveitarmos todo o tempo

Porque no namoro o empolgamento

Não dá pela passagem do vento

Mal nasce o dia, logo a noite está de despedida

Como a dizer-nos quão é curta a vida

Para não ser bem dormida

Como é boa a ida

Quando ainda vamos na subida

Todos os sonhos são projetos de vida

Quando a noite fica entretida

A ouvir as nossas promessas de amor eterno

Como se fosse sempre verão e não houvesse inverno

Como se todas as noites fossem de lua-de-mel.

 

José Silva  Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

01
Nov19

Novembro!

cheia

Novembro

 

Novembro, as árvores vão-se despindo, mas devagar

Não têm pressa, o frio, ainda, não está a chegar

Vão, lentamente, erguendo ao céu, os braços nus, para, com ele, comungar

E, assim, sem roupa, ao contrário de nós, vão, o Ano Novo, aconchegar

Há cheiros de outono, no ar, que podemos mastigar

Aproveitemos, estes últimos dias de 2019, para os saborear

Antes que chegue o inverno, e os venha branquear

Os cheiros de outono têm as cores do arco iris

Não podemos perder tempo, para que os possamos agarrar

Há muito brilho, quando as nuvens nos vêm visitar

Gotas de ouro, das nuvens, podem-se precipitar

Os rios abrem as mãos, para as agarrar

Cada gota tem um sonho: uma semente germinar

Dando origem a uma planta, um arbusto, uma árvore

Que podem viver dias, meses, anos ou, até, séculos

A Natureza tem muita beleza!

E, nós, só temos de a comtemplar

Todos os dias nasce, para nos encantar

Muito, com ela, podemos aprender

Basta abrir os olhos, sorrir, e o Mundo abraçar.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub