Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

14
Mar22

Separação!

cheia

Despedida

 

O desespero de quem tem de partir

Da guerra teve de fugir

Sem saber para onde ir

Com o filho no regaço

Sob um nevão que corta a respiração

Cansada da longa caminhada

O filho dá-lhe força, para tudo vencer

Tudo fará para o proteger

Para o ajudar a crescer

Acompanha-a o perfume do último abraço

Do marido, que teme não o voltar a ver vivo

Sem marido, sem pátria, como vai criar o filho, querido!

Tenta afastar os negros pensamentos

Mas, nada de bom anunciam os ventos

São os constantes bombardeamentos

A destruição dos apartamentos

Uma guerra a contaminar os tempos

Mortos, valas comuns, movimentos

Só queria esquecer tudo, por uns momentos

Mas, não lho consentem, os pressentimentos

Por que razão a loucura voltou?

Sem dó, nem piedade, tudo matou

A esperança, a vida, a alegria

Tantos mortos, feridos, deslocados

Mulheres e crianças, de frio, arrepiadas

Por essa Europa, espalhadas

Acarinhadas por uma Europa, desta vez, unida

Para ajudar a sarar a ferida.

José Silva Costa

 

 

 

 

 

01
Nov21

Outono

cheia

Outubro

 

Colhemos as últimas flores de outubro

A chuva veio dar um novo perfume a tudo

O sol, cada vez, acorda mais tarde e deita-se mais cedo

O dia das bruxas trouxe-nos o horário de inverno

Não é o inferno!

São dois meses com menos horas de sol

Voltámos aos armários para tirar os agasalhos

O frio já arrefece os telhados

Os campos rejuvenescem depois de molhados

Longas noites agarrados

No aconchego dos teus braços

Ocupamos os nossos espaços

Na sombra dos cansaços

Plantamos os nossos sonhos

Na esperança que cresçam risonhos

Nos ombros de um qualquer mês

Não temos preferência

Os doze são encantadores

Todos diferentes

Todos dignos das nossas sementes

E, nós estamos gratos pela sua companhia!

E pela alegria de cada dia

Porque a vida é uma bonita sinfonia.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

16
Ago21

A calma

cheia

A calma

Ruas perfumadas, flores caiadas

No calor da cal branca das casas

O sol fica nas entradas

Enquanto os habitantes

Dormem a sexta acalorada

Na hora da sexta o sol queima o ar

Ninguém o consegue respirar

Os 45 graus centígrados queimam as cordas vocais

Os postigos, de castigo, ficam fechados

Até a calma passar

Só mais tarde voltam aos poiais

 Para porem as notícias em dia

Não há jornais nem telefonia

São os vendedores ambulantes, que as trazem

Frescas ou atrasadas, são com atenção escutadas

Todas as populações gostam de estar informadas

Na lonjura das estradas as notícias ficavam desgastadas

Mas, para quem não as conhecia, estavam, sempre, em dia

Nos tempos em que o mundo dormia

Não se vivia na agonia de ver desgraças todo o dia

As de mais longe nem se sabia

Tudo, a outra velocidade, corria

 Não, por todos, se sofria

Como, hoje, acontece.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

25
Jun21

Savana

cheia

Savana

“ O Perfume da Savana” é um romance, do autor do blog “ o Sítio do Corvo”

Muitos parabéns para o autor

Que com muito amor

Conseguiu captar a vida e o perfume da savana

Um perfume, que só ela tem

Este é o seu primeiro livro

Mas, já outro tem: “ A Mulher do Capitão”

Quem lê o seu blog, sabe que gosta de escrever

Gosta muito de nos surpreender

Com a maneira como, o quotidiano, ver.

 

José Silva Costa

31
Mai21

Maio

cheia

Maio

 

No perfume das rosas

Vais- te embora

Não as leves contigo

Isso seria um grande castigo

Quem viveria sem elas!

São tão belas

Perfumam as velas

Que a noite acende

Quando jantamos, na intimidade

Vemos toda a cidade

Muito iluminada

Aqui e ali, um recanto escuro

Onde os pares se abraçam e beijam

Indiferentes a tudo o que os rodeia

Embevecidos como se não existisse mais ninguém

A noite tem esse vai e vem

De encontros e desencontros

De quem se encontra de tempos, a tempos

De quem não quer um relacionamento a tempo inteiro

Que não querem saber do nevoeiro

Só os bons momentos querem partilhar

As agruras não são para, na cama comum, deitar

Cada um tem o seu lar

Quando o brilho acabar

A separação não vai custar

Cada um vai para seu lado

Sem perfume

Esperam as coroas de flores.

José Silva Costa 

 

 

20
Mar21

Chegou!

cheia

A Primavera

 

Bem-vinda!

 

A mais bonita flor chegou

Nas asas do vento, nos braços da madrugada

Há muito tempo esperada

Flor encantada, toda perfumada

A natureza vestiu-se de flores perfumadas

Para festejar a tua chegada

As aves entoaram as suas melodias

Vens alegrar-nos os dias

 Princesa das flores e  dos amores

Quantos de nós, com a tua chegada

Esqueceu as suas dores!

A Natureza vestiu-se de amor

Para te abraçar, à chegada

Tu és a mais encantadora namorada

Tu és a mais bonita Estação

Tu és cor, alegria, emoção

Tu dás, ao Sol, a mão.

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

30
Nov20

Imposição

cheia

Imposição

Nas tuas mãos de fada, minha amada

Deixo o brilho das estrelas e o amor

Na magia dos teus lábios saboreio a alegria

Com as nossas mãos entrelaçadas

Afagamos o futuro do outono maduro

Com a certeza de que o passado foi duro

Interrogamos o futuro!

Nos teus olhos há um verde-mar

Onde barcos não se cansam de navegar

E eu descanso neles o meu olhar

Cansado dos anos em que os não vira

Um grande castigo!

Apartarem os meus olhos, dos doces teus

Deixando-me perdido, sem poder contar contigo

Procurei remédio num desesperado grito

Mas só o encontrei quando te voltei a ver

Quando saboreie os teus beijos de perfume maduro 

Com sabor a amor forte e seguro

Que delicioso sentido!

  José Silva Costa

 

 

 

 

06
Out20

Sol esguio

cheia

No sol esguio do outono

Abraço o teu sono

Aguardo o teu acordar risonho

Quem comtempla uma flor

Contenta-se com o seu perfume

Cada madrugada é um a alvorada

Com o teu brilho a lavar-me a alma

E a lua a iluminar a nossa estrada

Gastamos os anos de mão dada

No aconchego do teu olhar

Sem precisar de mais nada

A não ser da simplicidade do teu coração

Onde quero acordar todas as manhãs.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

04
Ago20

As crianças!

cheia

Colónias de férias

 

Onde estão as crianças, que enchiam as praias?

Esvoaçando como as gaivotas

Este ano sinto falta dos seus sorrisos, do seu barulho

Do momento tão esperado

Quando os banheiros autorizavam a sua entrada no mar

Pareciam um cardume a saltitar

Sempre muito atentos, não fosse alguma perder o ar

Na areia, não se cansavam de brincar

Era uma alegria vê-las a construírem os castelos dos sonhos

Para elas não havia impossíveis

Tudo era realizável

Até nos dias em que não se via o sol

As correrias aqueciam e davam asas à liberdade

Eram umas férias de verdade

Que marcam, para sempre, a idade

Por onde andarão, este ano, as gaivotas que me faziam lembrar a mocidade!

Este vírus cortou-lhes as asas, não podem voar em bandos

Era ver os autocarros, uns atrás do outros, a despejarem flores na praia

Eram salpicos de perfume e sorrisos para todos.

 

José Silva  Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

10
Fev19

Namorados

cheia

Namorados

Vale a pena viver

Todos os dias acordar a ler

Nos teus olhos a convicção

De que és a mais bela estrela do amanhecer

Todas as manhãs

Os teus rubros lábios de romã

Selam nos meus os votos de um bom dia

Com a alegria de ao entardecer

Nos voltarmos a ver

Para mais uma noite, que não voltaremos a esquecer

Dia, após dia, é este o nosso sorriso

A dizer-nos que a vida pode ser um paraíso

Se conseguirmos manter esse inebriante perfume

Que há tantos anos nos une!

Lembras-te?

Foi na estufa-fria

Naquele lugar de tanto romantismo

Que festejámos, juntos, o meu aniversário

Porque querias que as aves, as plantas e os lagos

Também disfrutassem da nossa magia

Do sussurrar das nossas promessas e beijos

No calor, suave e doce, do fim do verão

De mãos dadas, bem apertadas

A prometermos um ao outro

Que já mais seriam separadas

Cinquenta e três primaveras estão namoradas.

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub