Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

16
Dez18

Para onde vamos?

cheia

Natal, a estrela, que todos os anos brilha

Que aquece o coração de muita gente

Que é responsável pela confraternização das famílias

Que consegue tréguas nas guerras e libertar um pouco de amor

Que faz com que algumas crianças tenham momentos de muita felicidade

Que faz com que se modifique a cidade

Que faz com que sobressaia e brilhe a caridade

Que para muitos é uma oportunidade

De sentirem algum calor humano e atenção, que, infelizmente, se evapora no resto do ano

Um dia, tanto para crentes, como não crentes, diferente

Um dia muito triste e difícil para quem não tem ninguém, que ao menos lhe diga: feliz Natal

Mas, há sempre o reverso da moeda

Uma época de desenfreado consumismo

De criminoso desperdício

Em que muitos políticos assumem toda a sua vaidade, queimando recursos, que poderiam ter muito melhor destino

Tempo de desespero, para muitos milhões de crianças, mulheres e homens, que vagueiam, por todo o lado, à procura de uma estrela que lhes abra as portas do Mundo.

À memória da menina de sete anos, que morreu depois de atravessar a fronteira entre o México e os Estados Unidos da América, vitima do nosso egoísmo. 

 

José Silva Costa

 

 

 

19
Nov18

Presente de Natal

cheia

Prendas de Natal

Prendas de Natal, sem o vil metal

Este ano dê tempo, amor, amizade, coisas com valor

Visite uma amiga/o na cadeia, num lar, num hospital

Há situações em que dois dedos de conversa têm muito amor

As prendas que não se vendem nos supermercados deixam-nos esperançados

Que o mundo continua, de pessoas, povoado

Que ainda não estamos, pelos robots, ameaçados

Que, apesar de não termos tempo para nada, ainda nos conseguimos das redes digitais, nos, desligar

Por poucos minutos que sejam, vai ser um presente diferente

Lembre-se que nada substitui um abraço, um beijo, um olhar, um sorriso

Ganhe um dia, uma manhã, uma tarde ou uma noite com os filhos, netos, sobrinhos, afilhados

Acompanhando-os num evento escolhido, por eles

Eles vão preferir, a enterra-los em brinquedos

Hoje, muitos miúdos reclamam mais tempo com os progenitores

E, nós, muitas vezes, não nos apercebemos dessas dores

Pensando que podemos comprar o tempo, que lhes devemos

Comprando-lhes tudo o que querem

Uma alegria que só dura o tempo enquanto as prendas desembrulha

Num mundo virtual, continuarmos humanos é essencial.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

06
Nov18

Outono

cheia

Outono

Lá fora, frio, vento, chuva, neve, frio

Cá dentro, o calor da lareira, o cheiro da batata-doce assada

As castanhas a queimarem a mão, o perfume rubro de uma romã

Nozes, figos secos, pinhões, um mar de sensações

Os cheiros do Outono. Cada estação do ano tem os seus cheiros!

No aconchego do lar, já cheira a consoada

O Natal está aí, não demora nada!

 

José Silva Costa

23
Dez17

É Natal

cheia

É Natal

Todos os dias são dias, de Natal

Celebremos o nascimento

Celebremos todos os nascimentos

É o nosso mais alto momento

É o início do nosso andamento

Que todos desejamos

Seja longo e feliz

Com saúde e amor

É Natal

As estrelas brilham no ar

É um momento de paz

Que faz com que a família se una

Para comemorar o nascimento

De uma frágil for

Que necessita de todo o calor

De todo o amor

Para crescer

Para se tornar

Mulher ou homem

Para ser mãe ou pai

Para mais tarde ansiar

Ser avó ou avô

Na esperança de que o peso dos anos

Lhes tragam a mais bela lembrança

Bisnetos e bisnetas

E a paz eterna.

 

 

Para todos, um feliz Natal

 

 

José Silva Costa

 

 

 

 

21
Dez17

Chegou o dia!

cheia

Chegou o dia!

Há muito, que os via

Com outra alegria

No café, no supermercado, no restaurante, por todo o lado

As conversas rodavam acerca do Natal

Felizes por irem este ano passar o Natal, à terra

Mostrarem aos filhos, como era quando eram da idade deles

A todos ouvi, que lá é que o Natal é vivido, como é!

Aproveitam enquanto todos, ainda, estão presentes

Os avós ficam eufóricos por poderem ver os filhos e os netos, todos juntos

São tão raros os momentos em que isso acontece

Quando alguém desaparece, todo o encanto esmorece

Este ano, por calhar a uma segunda-feira, favorece

A ceia de Natal é um convívio, que já mais se esquece

As localidades agradecem

Enchem-se de calor humano

As ruas voltam a ter o borborinho de outros tempos

Até se esquecem dos muitos e longos dias, em que só as dores dos idosos as preenchem

Vai ser uma grande enchente!

Mas, por favor, vão com cuidado

Não queiram, com a pressa, a festa estragar!

 

Feliz Natal e um próspero Ano Novo

 

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

11
Dez17

Uma época diferente

cheia

Natal

 

Uma época a que ninguém fica indiferente

Uma época feliz para muita gente

Uma época angustiante para alguma gente

Uma época diferente para quem não está presente

Uma época infeliz para quem não consegue reunir toda a gente

Uma época que mexe com a nossa mente

Uma época queiramos ou não, diferente!

Uma época em que as crianças são quem mais a sente

Uma época em que a magia é semente

Uma época em que a alegria das crianças não mente

Uma época em que o consumismo deveria estar ausente

Uma época em que toda a publicidade tenta embebedar a gente

Uma época em que a palavra Natal beija a boca de toda a gente

Uma época que nos alegra e entristece solenemente

Uma época de sumptuosidade e desperdício, infelizmente

Uma época em que não pensamos no ambiente

Uma época para darmos as mãos a toda a gente

 

Um bom e feliz Natal, para toda a gente!

 

 

José Silva Costa

 

 

27
Nov17

Famílias

cheia

Espírito Natalício

 

Está a chegar a época do ano, para muitos, a mais radiosa, para outros não tanto

Os costumes têm um peso e um poder, que, para muitos, pode ser um espanto

Muitas famílias, para o natal celebrarem juntos, todos os esforços são capazes de fazer

Podem ter de muitos quilómetros beber, mas o que interessa é comparecer

O ano, nada valeria se, no Natal, não se pudessem ver

É por isso, que o espírito natalício faz com que atravessem Continentes, para poderem estar com os parentes

Mas, os tempos, novos tempos trazem!

Hoje, há muitas famílias separadas, e, infelizmente, vivem de costas voltadas

Quando poderiam, muito bem, viver como pessoas educadas

E o mais doloroso é que alguns utilizam os filhos como armas de arremesso

Chegando ao ponto de ter de ser decidido em tribunal, o tempo que cada progenitor pode passar com o descendente

E, este vive num espartilho, pelos dois, dividido

Nos momentos de lazer e convívio, os filhos dos casais separados, que vivem mal-humorados

Têm todos os dias, horas, minutos, segundos contados

No dia de Natal, por ser o mais especial, alguns têm de almoçar com um progenitor e jantar com o outro

Mas, por vezes, a muito mais são obrigados: ter de ouvi-los dizer mal um do outro, partindo-lhes o coração, porque, por ambos, têm admiração!

Viver com visitas cronometradas, sem poderem estar à vontade e o tempo que quiserem

Faz-me lembrar as visitas aos hospitais e cadeias, mal chegamos, somos avisados de que a visita terminou

Se não conseguirem fazê-lo todo o ano!

Ao menos, nesta época, deem as mãos e não façam, dos lares, cadeias

Para os pais, os filhos são sempre crianças, e estas, tal como os adultos, merecem todo o respeito, para que tenham uma vida feliz.

 

Boas Festas

 

José Silva Costa

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

02
Dez16

Dezembro

cheia

Chegou Dezembro

Um mês diferente

Como gostava que fosse sempre assim!

Um mês com magia

Não na meteorologia

Mas na solidariedade, no encantamento

Na alegria

Bastava o Natal

Para fazer dele, um mês especial

Sem precisar do fim do ano

Um mês para a família

Quantos encontros a pretexto desse dia?

Um dia com tanta simbologia

O nascimento

Princípio, com sonho de conclusão

E o fim do ano

Balanço de mais um, ou de menos um

Depende de como queiramos fazer a contabilidade

O mesmo, não poderemos fazer com a idade

São sempre a somar

E ainda bem que um dia têm de acabar

Porque acabavam por cansar

E ninguém suportaria, saber que não aconteceria.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D