Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

17
Fev22

Emigrantes!

cheia

No paraíso!

 

 

A pressa que deu em vagar

A tomada de posse, do Governo, a patinar

A tomada de posse dos novos deputados

à espera dos emigrantes que queiram, novamente, votar

Neste país, é esperar de tudo!

Acordos de cavalheiros para as leis violarem

Oitenta por cento dos votos do círculo da Europa para o lixo

Isto não é nenhum conflito

É o habitual, mesmo que haja quem ache esquisito

Foi um grito no infinito

De alguém muito aflito

Que julga que este país é um palito

Sem rei, nem roque

O que é preciso é sorte

Que nunca se perca o norte

Há sempre quem encontre o lote

E quem faça o porte

De defender o desnorte

Dizendo bem da má morte

De um perfume bem forte

Capaz de embebedar a consorte

Para que esteja, sempre, de acordo

Mesmo que o país marque passo

Porque os mandantes se portam como miúdos

Todos os disparates são normalidades

Nunca há responsabilidades

Mais mês, mais ano, tanto faz

Melhorar, para quê?

Se mostraram estarem felizes e contentes

Para quê, serem exigentes?

Se as promessas foram tão eficientes

Não precisamos de novas mentes!

 

 

 

José Silva Costa

 

 

 

 

27
Jan22

Pais (6)

cheia

Pais (6)

Ao longo dos anos foram experimentando o que pensavam ser do seu agrado, mas como em tudo, só depois de se experimentar é que se sabe do que se gosta

A Inês acabou por escolher a natação e o Pedro o futebol. Mas o que os pais queriam era tirá-los dos ecrãs, sem ser à força, porque os computadores e os telemóveis vão ser os responsáveis por muitas miopias, uma doença irreversível, que vai atacar muitos dos jovens, que passam os dias sem verem o sol

O melhor estratagema, para os tirar dos computadores, é proporcionar-lhes uma atividade, que os entusiasme tanto ou mais que estar on-line

Faziam uma grande ginástica para acompanharem os filhos nos tempos livres, quando não dava para irem os quatro juntos, ia um par para cada lado, a Ana gostava de acompanhar o filho ao futebol

Desde o primeiro dia que tinha ficado horrorizada com o comportamento dos pais de miúdos de 10 ou 11anos, incentivando-os, sonhando com grandes craques, que fossem famosos e ganhassem milhões

Pais e mães gritavam de fora do campo: “ vai para cima dele, dá-lhe uma canelada, uma cotovelada, corre, remata, rasteira-o”

A Ana não queria acreditar no que via e ouvia, tinha de fazer alguma coisa, mas sentia-se um soldado contra um exército

Disse ao filho para nunca magoar, intencionalmente, os colegas ou os adversários, porque seria o suficiente para o tirarem do futebol

Quando contou, ao Francisco, o que se passava, este ficou curioso e disse que também queria ver o horrível espetáculo, porque nos poucos dias em que acompanhou o filho ao futebol, ou não houve, ou estava tão embevecido a ver o filho, que não deu por nada

Não sabiam o que fazer, mas não queriam enfrentar meia centena de pais enfurecidos a incentivarem os seus rebentos para serem grandes craques da bola

O melhor seria falarem com o presidente do clube e o treinador

Entretanto chegaram as férias grandes, e a Inês e o Pedro foram para casa dos avós, que cada vez estavam mais orgulhosos dos netos

Os netos são as flores dos avós, e este gostavam de apresentarem as suas lindas flores a todos os que regressavam de férias, vindos dos diversos países, onde estão emigrados, e enchiam a aldeia, de nova vida

Já não passavam sem o mês de férias dos netos. Quando as férias acabavam, sentiam que a casa ficava sem vida, e sonhavam com as férias do próximo ano

Também os netos não se importavam que as férias continuassem, o convívio com os filhos dos emigrantes tinha-se intensificado nos bailaricos e nos namoricos, fazendo com que as despedidas fossem dramáticas, porque os namoros na adolescência são, sempre, platónicos

O mês de Agosto é um mês de férias, um mês de sonhos, o mês, por todos, mais desejado.

Continua

 

24
Jan22

Pais (5)

cheia

Pais (5)

O amor vence tudo!

O Francisco conseguiu, nos dias em que ela não podia, tomar conta dos filhos, para que ela descansasse

Foram dias de menos encantamento e de muito trabalho, até por que os miúdos começaram com birras, que são naturais, mas que os pais não desejam

As férias escolares traziam-lhes, sempre, muitos problemas, como acontece a todas as famílias que não têm apoios familiares

Não tinham nenhuns familiares em Lisboa, tinham vindo da província, para estudarem

Bem gostavam que os pais estivessem mais perto, para que se familiarizassem com os netos, e os ajudassem a criá-los

Assim que adotaram os filhos, foram visitar os pais, para que a Inês e o Pedro conhecessem os avós, tanto do lado da mãe como do pai

Foi um fim-de-semana em casa dos avós maternos e outro em casa dos avós paternos, não foi o suficiente para criar a intimidade, que os pais desejavam que houvesse entre avós e netos

Queriam evitar o que, infelizmente, acontece com tantos avós e netos, que mal se conhecem, ou nem se conhecem!

Sabiam que não era fácil, porque não era com três ou quatro visitas por ano, que iriam ter a intimidade, como se lhe tivessem mudado a fralda ou dado o biberão

Estes netos, ainda-por-cima, tinham aparecido já crescidinhos, com três anos, e não eram filhos dos filhos

Para que os filhos passassem mais tempo com os avós, a Ana e o Francisco queriam aproveitar as férias de verão, para passarem mais tem com os seus pais

Tanto os pais da Ana como os do Francisco viviam no campo, tinham as terras para amanhar e os animais para tratar, mesmo assim tentavam receber o melhor possível os filhos e os netos

Não tinham muito tempo para lhes dar atenção, tentavam ser simpáticos, mas não eram aqueles os netos que esperavam

Com o passar dos anos, foram afeiçoando-se aos miúdos, que gostavam muito de ir passar as férias grandes com os avós, correr por os campos, em liberdade, e dizerem que queriam ajudar os avós

A Ana e o Francisco não podiam estar mais contentes, por os filhos e os avós se entenderem tão bem, passavam um mês em casa dos avós maternos e outro na dos avós paternos

Para os pais era muito importante que convivessem com os avós, que se apercebessem das diferenças entre a vida no campo e na cidade, que tivessem atividades extra curriculares

Mas não são daqueles pais, que acham que os filhos devem passar os tempos livres a correrem, de um lado para o outro: do balé, para esgrima, para a natação, para o judo, para o futebol……sem tempo para brincarem e fazerem o que realmente gostam. 

Continua

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2011
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2010
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2009
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2008
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2007
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub