Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

16
Nov23

O Império

cheia

O Império  -  As teias que o Império teceu

 

35

 

Entretanto, a Miquelina já tinha dado à luz o Zacarias. O parto tinha corrido bem, dando muita alegria a toda a família, depois de terem esperado, tanto tempo, para que a Miquelina engravidasse

Todos ficaram muito felizes, com a chegada de mais um membro, para a família

O Ezequiel e a Miquelina estavam felicíssimos, bem como os primos do Zacarias, a Leopoldina e o Roberto

 

Os irmãos e as esposas estava desejosos de regressarem à capital, mas estavam muito preocupados com a segurança e a tenra idade do Zacarias, que teria de ser levado às cavalitas, devido à sua tenra idade

Longos dias e noites, muitos quilómetros percorridos, foram muitos os meses, para conseguirem voltar a Luanda

Dias que não pareciam ter fim, pernas que se recusavam a andar, fazendo com que todos tivessem de acampar, para que descansassem e recuperassem, de modo a conseguirem continuar a sua grande aventura

Quando parecia que já não aguentavam mais, que nunca conseguiriam alcançar o seu objetivo, avistaram a grande cidade, o que lhes deu força, para um último esforço, fazendo com que os pés chegassem, onde já tinham os olhos

Recebidos com muita alegria, todos eram bem-vindos, porque eram precisos braços para defenderem a cidade

Estavam exaustos, descansaram durante algumas horas, só depois foram dar uma volta pela cidade

Luanda estava diferente, os holandeses tinham transformado a cidade, em tão pouco tempo, muito tinha sido mudado

A casa deles estava ocupada, como era de esperar, não sabiam onde ficar, dirigiram-se  para o palácio do Governador de Angola, onde os receberam muito bem e lhes deram todo o apoio, arranjando-lhes onde ficarem até organizarem as suas vidas

Quando o Governador soube da chegada dos dois casais, quis falar com eles, saber se queriam colaborar com ele, como tinham feito com o Governador do Forte de Massangano

Ficaram muito contentes e honrados, por terem visto reconhecido o seu trabalho, durante aqueles anos, e poderem continuar a fazê-lo, em Lunada, para reforçar a segurança da cidade

 É sempre útil estar nas boas graças de quem governa, porque quem se aquece é quem está ao pé do lume

Para o Januário foi ainda melhor, por ter intenção de lhe pedir ajuda, para a sua grande missão de libertação dos irmãos e do pai da Rosinha

O Governador concordou com a sua missão e disse-lhe que no próximo carregamento de escravos, para o Brasil, podia fazer parte da tripulação

Dizendo-lhe que era uma missão quase impossível, mas se não a iniciasse, nunca saberia se era ou não possível concretizá-la

Para ajudá-lo escreveu uma carta, dirigida ao Governador do Brasil, solicitando-lhe que desse todo apoio ao Januário, para que este conseguisse encontrar os familiares.

 

Continua.

 

 

09
Nov23

O Império

cheia

 

O Império  -  As teias que o Império teceu

34

 

A vida, no Forte de Massangano, estava muito complicada, apesar de terem alimentos, água e munições, para muito tempo, não era aconselhável saírem das suas posições, para tentarem afastar os jagas, porque não sabiam o seu poderio, assim como os jagas,  também, não se aventuravam a atacar o Forte, porque podia-lhes acontecer  o mesmo que às irmãs da rainha Jinga, que foram feitas prisioneiras, e uma delas foi executada, no Forte

A esperança era que eles se cansassem e levantassem o cerco, enquanto isso não acontecesse, não podiam facilitar, nem sair das suas posições

Em Luanda, a vitória foi comemorada em grade estilo

Salvador de Sá assumiu o governo de Angola, rebatizou o Forte do Morro de Forte de São Miguel, em homenagem ao patrono da expedição brasileira

A cidade de São Paulo de Luanda, passou a chamar-se: Cidade São Paulo de Assunção de Luanda

Nos tumbeiros (porque neles morriam muitos escravos) embarcaram sete mil escravos apinhados nos porões, em direção ao Brasil

Consolidada a vitória, em Luanda, a tropa partiu para a conquistas dos rincões angolanos.

Os líderes eram três jesuítas: António do Couto, Gonçalo João e Felipe Franco

Os religiosos convenceram alguns sobas, a ajudarem-nos na travessia do país, em direção a Massangano, onde espantaram os jagas e os nativos do rei do Congo, que sitiavam os portugueses

Daí para a frente, os brasileiros venceram todas as resistências

No forte de Massangano, também, o levantamento do cerco foi muito comemorado, bem como a expulsão dos holandeses, da cidade de Luanda

Todos ficaram muito contentes por, finalmente, poderem voltar para Luanda, mesmo que  nem todos quisessem regressar à capital da colónia

Passados sete anos, (1641 a 1648) muitos já tinham refeito as suas vidas, não querendo andar sempre a mudar

Para os que queriam voltar para Luanda, tinham mais dificuldades, porque durante os sete anos que estiveram no Forte, os jagas tinham tido o apoio dos holandeses, que os armaram até aos dentes, quando abandonaram a colónia

Assim, para regressarem à capital, tinham de assegurar escoltas, que os protegessem  dos canibais da rainha Ginga

Depois de quase dois anos da libertação de Luanda, os que se tinham refugiado, no Forte, conseguiram criar uma escolta, devidamente equipada, para proteger os que quisessem voltar para Luanda.

 

Continua

 

 

 

02
Nov23

O Império

cheia

O Império – As teias que o Império teceu

33

Falhada a tentativa, da pequena comitiva dos brasileiros, de avisarem o comandante do Forte de Massangano, da chegada de reforços com o propósito de expulsarem os  holandeses, da cidade de Luanda, e retomarem o negócio da escravatura. O Forte continuava a resistir ao cerco, ordenado pela rainha Jinga, soberana do reino de Matamba, no leste de Angola, que comandava uma horda de guerrilheiros canibais, os jagas, habilidosos na luta com machadinhas

Jinga teve uma vida longa ( 1581 a 1663 ) era conhecida pela luxúria e perversidade

Possuía um harém de homens, dispostos a morrerem por ela, que viviam do roubo, vitimando diversas tribos

A vida no Forte estava a tornar-se muito difícil. O cerco já durava há muito tempo, e não viam maneira dos jagas se irem embora.

Não sabiam nada do que se passava na colónia, nem sequer o que se passava em Luanda, que era o que interessava mais, por ser onde os holandeses se tinham instalado

Salvador de Sá enviou três emissários para negociarem a rendição dos holandeses

Mas, estes não hastearam a bandeira branca

Colocou os seus oitocentos soldados e mais 200 marinheiros a fazerem fila na praia, para impressionar os holandeses

Na madrugada de 17 de agosto de 1648, cinco dias depois de chegar a Luanda, mandou os seus homens avançarem contra os holandeses, depois de ter destruído, os seus canhões, com a artilharia brasileira

Quando o sol raiou, 150 dos 400 brasileiros estavam mortos, do lado dos holandeses, apenas 3 mortos e 8 feridos

Mas, com os canhões destruídos, os holandeses pediram a paz

Deixaram Luanda, e os postos avançados de Cuanza e Benguela, levando na bagagem os escravos propriedade da Companhia Holandesa

Deixaram os jagas armados até aos dentes, para oferecerem resistência aos colonizadores.

 

(fonte: civilizacoesafricanas.blogs.pt)

 

Continua.

 

 

 

 

26
Out23

O Império

cheia

O Império – As teias que o Império teceu

 

32

Um interminável dia acabaria por ser o mais bonito, para a Miquelina e o Ezequiel

Quando ele entrou e a beijou, ela agarrou-se a ele, com as mãos na sua cintura, beijou-o durante tempo sem fim, apertando-o contra o seu corpo, para que sentisse como o seu corpo vibrava de alegria

Ezequiel não sabia o que se passava, para ela não deixar de o beijar, nem deixar de se colar ao seu corpo. Mas ela não parava, nem dizia o que se passava, queria que aquele momento não tivesse fim

Vendo que o Ezequiel estava quase a desesperar, disse-lhe que estava grávida, viu, nos olhos dele, o sorriso mais bonito e brilhante, que só uma grande felicidade conseguem transmitir

Continuaram agarrados um ao outro, agora era o Ezequiel que não parava de a beijar e de a abraçar, foram momentos inesquecíveis e indiscritíveis

Depois de tão grande azar, Salvador de Sá rumou para Luanda, na foz do rio Massangano, uma pequena comitiva desembarcou para avisar o Comandante do Forte de Massangano da chegada de reforços, mas os brasileiros foram aprisionados por nativos aliados dos inimigos, levaram-nos para um posto holandês, no Forte Mols, na foz do rio Cuanza

Sem saber se a comitiva tinha cumprido a sua missão, Salvador de Sá dirigiu-se para Luanda, onde chegou no dia 12 de agosto de 1648

Só dois navios guardavam o porto, o Noort-Holland e o Ouden Eendracht, que fugiram para o alto-mar

Dois pescadores negros, capturados no porto, contaram que a tropa, comandada pelo holndês Synon Pieterzoon, estava com os jagas a combater os portugueses em Massangano, o que ajudou a entrada, de Salvador de Sá, em Luanda, desguarnecida, com apenas 250 holandeses a vigiarem o Forte do Morro e o Forte da Guia  

Também a Rosinha e o Januário, bem como a filha e o filho ficaram muito contentes por saberem que a Miquelina estava grávida, mesmo que as condições, no Forte, não fossem as melhores para nascerem bebés

Isso não impedira que já tivessem nascido muitos, durante os longos anos, que já tinham passado, desde a chegada dos refugiados de Luanda, e muitos mais iriam nascer, porque é a única maneira de preservar a espécie, e naquele tempo não havia nada que ajudasse a combater o natural aumento dos membros das famílias.

 

Continua

 

 

19
Out23

O Império

cheia

O Império – As teias que o Império teceu

31

 

Dois anos depois, os brasileiros fizeram-se de novo ao mar, queriam, a todo o custo, expulsar os holandeses e reconquistar a bonita cidade de Luanda, com cinco mil casas de alvenaria e um bom mercado de escravos

Desta vez, capitaneados pelo governador do Rio, Salvador de Sá

Largaram da Baía de Guanabara, no dia 12 de Maio de 1648

Para angariar e recrutar soldados, Salvador de Sá apelou ao apoio divino

Os Jesuítas pregaram por toda a colónia, pedindo a expulsão dos “hereges calvinistas”

Conseguiram reunir cerca de 1.200 homens, que foram distribuídos por 11 naus e quatro pequenas embarcações

O Padre António Vieira, que defendia os indígenas e os escravos, criticou o governador, por deixar o Rio de Janeiro, sem defesas

A Miquelina, finalmente, sentiu que o seu corpo estava diferente, numa bonita manha, depois do Ezequiel sair, para o trabalho, sentiu algo mexer dentro do seu ventre

Ficou florida de felicidade, tinha de planear como dar a maravilhosa notícia ao marido

Tinha de ser um momento inesquecível, queria agradecer-lhe por a ter, sempre, animado, fazendo com que conseguisse engravidar, o que ambos tanto queriam

Foi um dia longo, as horas não passavam, o Ezequiel não aparecia, e ela, cada vez, estava mais ansiosa

Tinha de se controlar, para que o momento de tão boa revelação fosse o momento mais feliz das suas vidas

Aquando da largada da Baía de Guanabara, o mar não colaborou, duas naus, a Gamela e a Canoa, tiveram de voltar pra o Rio de Janeiro

Quando avistaram a costa de África, só tinham onze dos quinze navios, que tinham saído do Brasil

Estava planeado atracarem a Benguela, mas ancoraram em Quicombo, no dia 27 de Julho

enquanto se preparavam  para o desembarque, cerca das 2 horas, na noite escura, uma onda gigante partiu e afundou o navio São Luís, levando consigo mais de 200 soldados, entre os melhores da expedição.

 

(fonte: civilizaçõesafricanas.blogspot.pt)

 

 

Continua

 

 

 

05
Out23

O Império

cheia

O império – As teias que o Império teceu

 

29

 

Aquela boa vida, de Luanda, tinha acabado. Os bons negócios da escravatura, para as mãos dos holandeses, tinham passado

Lamentavam a falta de uma boa armada, para defender a cidade, sem saberem se, e quando a conseguiriam recuperar

Não escondendo o medo dos holandeses avançaram para o interior e conquistarem o Forte, que os abrigava

O governador não se cansava de lhes pedir para estarem atentos, não descurarem o trabalho das sentinelas, nem de noite, nem de dia, para não serem apanhados de surpresa, como tinha acontecido em Luanda

O Januário e o Ezequiel faziam parte do grupo dos conselheiros do Governador, a quem foi atribuída a organização da defesa do forte, bem como a verificação do seu cumprimento

Todos os homens, incluindo o governador, tinham de contribuir, para a segurança do Forte.

Às mulheres tinha-lhes sido pedido que se encarregassem do resto: alimentação, limpeza, tratar das crianças, produção de alimentos ……..

Lideradas pela Rosinha e a Miquelina, tinham tudo muito bem organizado

Começaram por escolher os terrenos, para as lavras, angariar todas as sementes, que conseguissem encontrar, e semeá-las o mais depressa possível

Enquanto não conseguiram o aumento da produção, que não se consegue de um dia para o outro, contaram com a produção das lavras já existentes, ao redor do Forte, mas que não chegavam, para alimentar tanta gente

Recorreram aos frutos silvestres, apanhando tudo o que estivesse maduro e se pudesse comer, à caça de animais selvagens, com armadilhas, montadas pelos mais velhos, que já não podiam participar na defesa do Forte

As mulheres participavam na caça de ratos, procurar formigas, insetos e tudo o que fosse comestível

Foram anos muito difíceis para todos os que tiveram de fugir de Luanda, e se refugiaram no Forte, com a intenção de um dia conseguirem repelir os holandeses, o que não conseguiram, porque para expulsar, os holandeses de Luanda, foi precisa uma forte armada

Os anos iam passando, os irmãos e as suas esposas desesperavam, não se resignavam com o que lhes tinha acontecido, apesar de serem reconhecidos, tanto pela população, como pelo Governador, como pessoas muito solidárias e competentes

Várias vezes o Governador os elogiou, a elas pela forma como organizaram as tarefas das mulheres, contribuindo para que nunca faltasse comida, e a eles por terem contribuído para que ao longo daqueles anos, o Forte nunca tivesse sido atacado

Mas, isso não os sossegava, queriam cumprir os seus sonhos, aquilo a que se tinham comprometido, principalmente o Januário, que queria ir ao Brasil, procurar os irmãos e o pai da Rosinha.

 

Continua

 

 

 

21
Set23

O Império

cheia

O Império – As teias que o Império teceu

 

27

A partir de 1637, João Maurício de Nassau foi nomeado governador-geral da colónia holandesa, no Brasil, um alemão, que prosperou como militar, na Holanda, sendo convidado pela sua atuação como militar e por possuir parentes influentes

Os bons negócios têm, sempre, muita concorrência: todos gostam de ganhar muito, com pouco trabalho

Outros povos, também, já tinham despertado para a comercialização dos povos africanos, sendo que os holandeses eram os mais ferozes concorrentes, tentando substituir os portugueses, guerreando-os no Brasil

A Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais ocupou o Nordeste do Brasil em 1630

Decidiu invadir Angola, por necessitar de mais escravos para levar para o Nordeste Brasileiro

A ocupação holandesa de Angola, denominada oficialmente Loango-Angola, foi em 25 de agosto de 1641, comandada pelo Almirante Cornelis Jol apoiado por 18 navios

A intenção da Companhia seria mesmo ficar em Angola, dados os planos de construir um canal desde o Rio Cuanza, a sul, até Luanda

Quando os irmãos se reencontraram, Quando o negócio da escravatura estva a correr bem, quando a Rosinha e o Januário, juntamente com o Ezequiel e a Miquelina tinham acabado de inaugurar a nova casa, na cidade de Lunada, é que os holandeses tinham de invadir Angola!

Antes dos holandeses entrarem na cidade, o governador pediu à população, que fugisse para o Norte, para o Forte de Massangano

A Fortaleza de Massangano foi construída em 1583, nas margens do rio Cuanza, representando a presença militar portuguesa, em Angola

 

Massangano é uma pequena localidade angolana, que pertence ao município de Cambambe, província do Cuanza Norte. A localidade dista cerca de 25 km da cidade do Dondo, capital do município. Uma comunidade pequena, localizada nas margens do rio Cuanza, composta maioritariamente por camponeses e pescadores

O Forte de Nossa Senhora da Vitória de Massangano, popularmente conhecido como Forte de Massangano ou Fortaleza de Massangano era praça de armas donde partia socorro em gente, mantimentos e armas para as fortalezas do Cuanza, nomeadamente a de Muxima, ao longo dos séculos XVII e XVIII

Até parecia que a chegada do Ezequiel e da Miquelina tinha dado azar. Por outro lado, os quatro concordaram que, juntos, seria mais fácil enfrentarem os duros, negros e longos anos, que se avizinhavam com a chegada dos holandeses

Nem todos responderam ao pedido do governador: as irmãs e a mãe da Rosinha não quiseram deixar a sua casa e as suas lavras

Para outros, tanto lhes dava que fossem os portugueses ou os holandeses a governarem a cidade, o que queriam era continuar com as suas vidas, sem quererem saber de quem os governava

Para os naturais de Angola, que não viviam na dependência do governador, não viam grade diferença entre portugueses e holandeses, porque o que ambos queriam era mão-de-obra escrava para os engenhos do Brasil

A grande diferença, segundo Frei Luís Brandão, chefe do colégio jesuíta de Luanda, em 1610, seria o facto de os portuguese, pelo menos, os terem convertido ao cristianismo.

 

Continua

 

 

 

14
Set23

O Império

cheia

O império – As teias que o Império teceu

26

Finalmente, a casa de Luando ficou pronta, os dois casais mudaram-se para a capital da colónia

À Rosinha custou-lhe muito deixar a sua terra, a mãe e as irmãs, a quem pediu para continuarem a fabricar a sua lavra

Ficou com mais tempo para se dedicar à filha e ao filho, uma vez que, para além da lida da casa, dividida com a cunhada, nada mais tinha para fazer

O bom rendimento do negócio dava para os dois casais viverem bem, ainda que as mulheres continuassem a dizer que não queriam, por muito mais tempo, viver da compra e venda de escravos

 Mas, por mais que puxassem pela cabeça, não encontravam nada que, de um momento para o outro, pudesse dar um rendimento, que lhes permitisse continuarem com a boa vida de Luanda 

Sem resposta, comprometeram-se a procurar uma solução.

O negócio do açúcar, que tanta mão-de-obra necessitava, foi o grande incremento da escravatura, instalado, no Brasil, com o auxílio de capital holandês, porque os senhores dos engenhos só conseguiram desenvolver o negócio, com dinheiro emprestado pela Holanda, que também participava na refinação do açúcar e na sua distribuição, pela Europa

A parceria entre Portugal e a Holanda correu bem até à perda da independência de Portugal, uma vez que a Holanda estava em guerra com a Espanha

Com a coroação de Filipe II, os holandeses foram excluídos das suas atividades no Brasil, chegando a ordenar o confisco de embarcações holandesas, que estavam em Lisboa, por diversos anos

Os holandeses resolveram reagir, para defenderem os seus interesses económicos

Em 1595, embarcações holandesas saquearam o porto português de São Tomé e Príncipe  

Em 1604, atacaram a cidade Salvador, a primeira capital do brasil, mas fracassaram

 Em 1621, os holandeses fundaram a Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais, a quem foi atribuída a responsabilidade pelo desenvolvimento de um empreendimento colonial holandês, nas Américas, tendo como objetivo controlar a produção de açúcar, no Brasil e os postos de comércio de escravos, em África

Em 1630, os holandeses levaram mais de 7.000 homens para atacarem Olinda, que foi conquistada a 14 de Fevereiro desse ano

Entre 1630 e 1637, os holandeses lutaram continuamente contra os portugueses

Um dos seus aliados foi o português Domingo Fernandes Calaba, que se passou para o lado holandês.

 

Continua

 

 

 

 

07
Set23

O Império

cheia

O Império – As teias que o Império teceu

 

25

O reencontro dos irmãos foi uma nova página, que se abriu na vida dos dois casais, fazendo com que estivessem muito felizes

A Miquelina e o Ezequiel não se cansavam de elogiar a bonita sobrinha e o bonito sobrinho, fazendo com que a Rosinha, meio a brincar, lhes respondesse, que com pais bonitos, tinham de ser bonitos

Assim que o Januário e o irmão saíram, para tratarem dos seus negócios, uma vez que o Januário tinha proposto ao irmão, sociedade nos negócios, e este aceitou, a Rosinha convidou a cunhada, para irem ver a lavra, onde tinha batata-doce, milho, mandioca, amendoim e a cana- de- açúcar, causa da escravatura, por exigir muita mão-de-obra, tanto no cultivo, sendo o corte, um trabalho muito violento, como no funcionamento dos engenhos de produção de açúcar

 E que, também, causava discórdia entre elas e os maridos, por elas serem contra a escravatura

A Miquelina ficou admirada com a extensão da lavra e com os bons produtos, que ela dava

Ofereceu-se para ajudar no que fosse preciso, porque estava interessada em aprender a trabalhar a terra

Mas, a Rosinha, um pouco triste, disse-lhe que não valia a pena, porque em breve mudar-se-iam para Luanda, não sabendo se continuaria a fabricar alguma lavra

Todos estavam desejando de irem para luanda, menos ela, que preferia viver onde tinha nascido

A Miquelina também disse que lhe tinha custado muito deixar a sua linda Lisboa

É uma maldição dos portugueses, andarem de país em país, de continente em continente à procura de melhores condições de vida

O pequeno retângulo, sempre, foi pequeno, para grandes sonhos e a vontade de ver o que estava para lá do Atlântico foi, em todos os tempos, muita

Quando se mudarem para Luanda, a Rosinha vai ter mais tempo para se dedicar à filha e ao filho, e com a chegada do cunhado e da cunhada o ritmo de vida pode sofrer algumas alterações

Ela e a Miquelina já trocaram algumas opiniões, ambas estão de acordo em que a escravatura não pode ser o meio de sustento da família

Agora que os manos estavam juntos, era uma boa oportunidade para os quatro, em conjunto, procurarem um trabalho digno, para obterem o sustento das suas famílias.

Continua

 

 

31
Ago23

O Império

cheia

O Império- As teias que o Império teceu

24

Os irmãos continuavam a pôr a conversa em dia. O Ezequiel não queria ser ele, a acabar com a alegria do reencontro, esperou que fosse o irmão a perguntar-lhe pela mãe

Quando o Januário perguntou pela mãe, o Irmão disse-lhe que, infelizmente, a mãe já tinha falecido há seis meses

Januário chorou um pouco, dizendo que tinha tanta pena de que a mãe não tivesse conhecido a Rosinha, a Leopoldina e o Roberto, e foi assim que o Ezequiel soube os nomes da cunhada,  da sobrinha e do sobrinho

Todos tiveram de ficar, mais uma noite, na casa do casal, que acolheu o Ezequiel e a Miquelina, uma vez que a casa do Januário, nos arredores de Luanda, ainda ficava a uns quilómetros

O Januário lamentou o facto de a sua nova casa, em Luanda, ainda não estivesse acabada

Os anfitriões disseram-lhes que podiam ficar o tempo que quisessem, que estavam muito felizes por os terem conhecido e terem tido a oportunidade de os acolher

No dia seguinte, levantaram-se cedo, agradeceram muito o acolhimento, que tinham tido

Prometeram que, quando estivessem a viver em Luanda, voltariam para saberem como tinham passado, desejando-lhes muita felicidades

Os três fizeram-se ao caminho, que era longo. Chegaram, quase ao pôr-do-sol, ainda a tempo de verem a Rosinha, a filha, o filho, a sua mãe e as irmãs com a luz do sol

No dia seguinte, depois de terem tomado o pequeno-almoço, todos juntos, os irmãos  continuaram a pôr a conversa em dia, enquanto as cunhadas, também, tentavam conhecer-se e saber o que ambas pensavam, no futuro, fazer

O Januário falou ao irmão sobre o bom negócio da compra e venda de escravos, o que entusiasmou o Ezequiel

A Rosinha continuava contra o negócio da compra e venda de seres humanos, defendendo que deviam procurar outro meio de sobrevivência

A Miquelina, também, disse que não tinha ficado em Luanda, para viver à custa do sofrimento Humano

O Januário continuava a dizer, que só o fazia para tentar libertar o sogro e os cunhados

Elas disseram-lhes que não aceitariam, por muito tempo, esse comportamento, porque não podiam permitir, que os filhos, gerados nos seus úteros, fossem mercadorias, que pudessem ser vendidas e compradas, como se fossem um qualquer produto vendável

Comprometeram-se a tentar arranjar uma alternativa, mas não sabiam como

Interrogando-se, por que razão é tao difícil ganhar a vida honestamente?

Continua

 

 

 

 

 

    

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2011
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2010
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2009
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2008
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2007
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub