Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

23
Mai24

O Império

cheia

O Império – As teias que o Império teceu

 

61

Três dias depois do funeral do Januário, a Milay, para o contentamento de toda a família, ajudando, também, a dissipar parte da tristeza causada pela morte do Januário, deu à luz a Eliane

Todos ficaram muito contentes com a chegada da Eliane, os pais, os avós e restante família. Mas, o desaparecimento do Januário continuaria, por muito tempo, a fazer com que a família não superasse a tristeza provocada pela falta do seu mais destacado elemento que, sempre, se preocupou com os escravos, fazendo com que fosse um grande humanista

Com a chegada da Eliane, também a Miquelina e o Ezequiel delegaram os seus compromissos, com a cooperativa, nos filhos, o Zacarias e a Milay, para se puderem dicar à neta, queriam aproveitar todo o tempo que fosse possível, para verem crescer a Eliane

O grande sonho da Rosinha, do Ezequiel e da Miquelina era que as netas aprendessem a ler. Mas não conseguiam prever quando abriria a primeira escola em Angola       

 

De 1575 a 1759, o que interessava era desconstruir a cultura nativa por meio da doutrina cristã, que começava a ser ensinada na catequese, num sentido de missão civilizadora

Esta missão foi confiada, inicialmente, aos “ Religiosos da Companhia de Jesus”, através de uma provisão régia do Príncipe D. Pedro, em nome do rei D. João VI, depois aos capuchinhos italianos e posteriormente a outras missões católicas (Neto M.B., 2005)

O princípio fundamental da doutrina católica em África, enquanto parceiro do Estado português autorizado para levar avante a tarefa de civilizar os nativos, era o de converter os nativos à fé cristã e não de educá-los e formá-los no sentido restrito das palavras

Segundo Neto (2010, a primeira escola fundada pelos jesuítas data de 1491 e obedecia ao plano de estudos de português. Seguiram-se as escolas-capelas, onde era ensinada a envangelização, fé e dogma

Estes princípios eram materializados por meio de um aparelho ideológico e teológico sustentado pela coroa portuguesa que, em última análise, patrocinava e ditava a filosofia de atuação

Só com a reforma do ensino, feita por Marquês de Pombal, é que os que queriam aprender a ler e escrever, terão tido essa oportunidade

O Roberto, irmão da Leopoldina, não quis ir trabalhar para a cooperativa, não queria saber do trabalho no campo, ambicionava saber ler, ser político, estudar em Coimbra: tudo menos ficar confinado ao campo e a Angola

Travou conhecimento com uma das seis filhas do Governador, apaixonaram-se um pelo outro

O Governador, quando soube do namorico, quis que a filha acabasse com ele. Mas, esta disse-lhe, que gostava muito dele e que preferia morrer a perdê-lo

O Governador vivia muito triste por não ter um filho. Com seis filhas, sem candidatos, na sua opinião, com qualidades para casarem com as suas filhas, prometeu-lhe pensar no assunto, e em breve dar-lhe-ia uma resposta. 

Continua    

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub