Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

28
Jan20

A noite!

cheia

Fim do Ano

Na solidão

No meio da multidão

Procuras uma ilusão

Um beijo, um abraço

No calor da noite

Um olhar, um voto de feliz ano

Nas lágrimas do fogo-de-artifício

Limpas as tuas

Tanta gente nas ruas

Mas, tu sentes-te nua

Nem o calor do champanhe

Te aquece

Quando o novo ano chegar

Quando tudo acabar

Vais para casa sonhar

Quando acordares

Da bebedeira coletiva

Vais chocar contra a dura realidade

Os muitos milhões gastos na passagem do ano

Não te vão ajudar a afastar a solidão

Tudo volta a anterior tristeza

Mais mortos devido à violência doméstica

Mais mortos nas estradas

Mais mortos nas guerras

Mais intolerância

Mais desigualdades

Menos fraternidade

E, tu recordas

Os votos de feliz ano

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

04
Set18

Como geril o sol?

cheia

O tempo

 

Um tema que dá para entabular conversa com qualquer pessoa, em qualquer momento

Nunca ninguém está contente com o tempo

Ou porque faz sol, ou porque chove, ou porque está vento

Conversa para matar o tempo!

Porque não consegue alterar o tempo

Uma vez que não conseguimos influenciar o tempo

Vamos escolher entre o horário de verão e o de inverno

Na ilusão de que vamos alterar o nascer e o por do sol

Quem expressou a opinião quer o horário de verão

Mas eu não (quero os dois)

Já vivi essa experiência um ano e não gostei

Tive de me deitar às vinte e duas horas, ainda, com sol

E levantar-me às seis estremunhado

Esta discussão já vem do passado

Como nasci no campo, onde não havia fábricas nem escritórios

As pessoas viviam do que conseguiam arrancar da terra

Falavam muito da hora solar e da hora oficial

Quando tinham de tratar de assuntos burocráticos tinha de se sujeitar à hora oficial

Mas, nos trabalhos do campo mandava a hora solar

Se optarem pelo horário de verão

Vamos ter o sol a nascer às nove horas, nos dias de menos horas de sol

Como, atualmente, muita gente começa a trabalhar às oito

Terão de alterar o horário, porque ao ar livre não há interruptor para acender a luz.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D