Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

02
Fev21

Vidas (7)

cheia

Continuação  (7)

O segundo ano letivo começou noutro Monte, noutro edifício, com outra professora, que lhes lecionou a segunda e quarta classes. O José ficou com mais tempo para ajudar os pais, nos trabalhos do campo. Tinha um balde de cinco litros, para ir regar as batatas, que o pai semeava junto ao ribeiro que ladeava a courela

João, ao contrário de outros pais, sempre disse que a Escola era o mais importante para os seus filhos, nunca tiraria os filhos da Escola para os ajustar aos latifundiários, para guardarem as bestas ou fazer quaisquer outros trabalhos, queria era que os seus filhos continuassem a estudar para além da quarta classe

Quando o filho ficou aprovado no exame da terceira classe, perguntou-lhe se gostava de ir para padre. José, que nunca o contrariava: ”disse-lhe que gostava”

De tempo a tempo repetia a mesma pergunta e a resposta era sempre a mesma. Decidiu contatar o Seminário para saber as condições de ingresso. Responderam-lhe que teria de pagar quatro mil escudos para o enxoval, o que fez com que essa hipótese não fosse viável. Mas, João nunca desistiu de procurar outras oportunidades para que os seus filhos pudessem continuar a estudar

A nova professora também estava determinada a fazer tudo o que pudesse, para que os seus alunos não ficassem atrás dos da professora oficial

Ao contrário da primeira professora, que nunca pediu aos alunos para lhe irem fazer as compras, pedia a dois alunos, de vez em quando, para irem, a São Pedro de Solis, comprar bacalhau e outros produtos. Pedia aos que moravam perto da Escola, uma vez que estes recados eram feitos depois das aulas, e os dos outros Montes ainda tinham de andar alguns quilómetros para chegarem a casa

Como nunca tinham comido bacalhau, de uma das vezes, o papel pardo, que o embrulhava, estava rasgado, aproveitaram para tirar uns bocadinhos, com muito cuidado, para que não se percebesse que tinha sido mexido, para provarem

Quando regressou das férias da Páscoa, a professora trouxe uma telefonia sem fios (TSF). Mostrou-a e ligou-a pouco antes das 13 horas, no intervalo para almoço, e disse que podiam ficar um pouco a ouvir. Estava sintonizado na Rádio Clube Português, que às 13 horas transmitia o programa dos Parodiantes de Lisboa, José fixou a piada de abertura e repetiu-a em casa, a mãe disse-lhe que se calasse, porque aquelas coisas não se diziam. Mas, o que o intrigava era de onde é que vinham aquelas vozes, se as pessoas não cabiam dentro da telefonia!

Mais tarde a professora explicou que as vozes eram transmitidas por ondas, que a antena do rádio captava. A explicação não os conseguiu convencer totalmente. Já era difícil acreditar, que por aqueles arames, presos às canecas de porcelana, que os homens andavam a esticar naqueles postos altos à beira das estradas, se pudesse falar, com outras pessoa, a que chamavam falar ao telefone, quanto mais uma caixa sem fios

Num dia de muita chuva, uma rapariga, que morava mesmo defronte da Escola, esteve toda atarde a namorar, quando entraram depois do intervalo do almoço, já eles estavam do lado de dentro da porta, mas com esta, toda aberta, para que quem passasse visse o que estavam a fazer. Quando não estava a chover, o rapaz ficava da banda de fora da porta

Quando estava quase a anoitecer, o rapaz saiu para avaliar o tempo, tinha deixado de chover, o Francisco acabava de chegar dos lados da ribeira do Vascão, que o rapaz tinha de atravessar para ir para casa, aproveitou para lhe perguntar se sabia como ia a ribeira. O Francisco disse-lhe para não se meter ao caminho, porque a ribeira leva um metro de água por cima das passadeiras

O rapaz mostrou-se preocupado, não podia dormir na casa da namorada. O Francisco ao aperceber-se da situação do rapar, disse-lhe para não se preocupar, jantava em casa dele, e tinha um palheiro onde ficar. Assim foi, no outro dia o rapaz meteu-se ao caminho

Já naquele tempo os jovens não queriam ficar nas suas terras, por não terem futuro. As raparigas estavam ali “presas” à espera que aparecesse um príncipe que as desencantasse e levasse para Lisboa, para França, Luxemburgo, Suíça, o que acontecia, quando saíam da tropa.

 

Continua

 

 

 

 

 

 

    

 

 

 

 

  

  

 

 

   

 

 

   

  

 

    

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

24
Out20

A cidadania

cheia

A cidadania

A França reagiu à altura ao condecorar o professor, que foi degolado por lecionar a disciplina de cidadania

É preciso que os que defendem os valore da República: igualdade, fraternidade, liberdade

não se deixem intimidar por os que não defendem estes valores, querendo impor, a todos, os seus valores

As religiões, as ceitas, as igrejas não podem querer que a Escola Pública, ensine, apenas, os seus valores e a sua visão de cidadania

A Escola Pública tem a obrigação de ensinar, a todos, que ninguém nos pode tirar o direito de nos exprimirmos em liberdade, mesmo que alguns não gostem do modo como o fazemos

Por que razão alguns pais não querem que os filhos assistam à disciplina de cidadania?

Será que não querem que, aos seus filhos, seja ensinado que todos somos iguais perante a lei, sejamos brancos, verdes, azuis, vermelhos, pretos, ciganos, alentejanos ………….!

Antes da implantação da República é que os estudantes, que quisessem ir para a Universidade, tinham de assinar uma declaração em como eram católicos

Foi para que todos tivessem direito à educação, à liberdade………, que os republicanos se bateram, morreram, e não foi só aquando da implantação, nos anos seguintes, alguns morreram, porque não tinham emprego, e recusavam-se a viver à mesa do Orçamento, contra o que tinham lutado, acabando por morrerem de fome, na miséria

Aqui, bem perto de mim, há uma Escola, quase centenária que, foi Primária, atualmente Jardim de Infância, tem na fachada, em letras grandes: Escola Pública

Só com a criação da Escola Pública, todos passaram a ter direito à educação, mas levou quase meio século até que chegasse a todos

Antes, só tinha acesso à educação os que, a administravam, quisessem

Também não existia o Registo Civil, eram os padres que, nos Batismos, elaboravam o registo de nascimento.  

 

José Silva Costa

 

 

 

  

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub