Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

18
Mai20

A Natureza

cheia

Maio

 

Verdes estão os campos

Cheios de flores

Perfumadas como os amores

Nos verdes campos há uma grande azáfama

Plantas, árvores, aves, insetos, répteis, e não sei que mais

É um fervilhar de vidas

Interlaçadas, dependentes, concorrentes, complementares

Um ecossistema perfeito

Indiferente a pandemias, vírus, medos, enredos

Mas, sempre, atentos porque os predadores

São mais que muitos!

Têm uma grande vantagem sobre nós

Vivem na Natureza!

Não a hostilizam

Enquanto nós, não respeitamos nada

Temos uma ganância danada

Nunca estamos saciados

Queremos, sempre, mais e mais

Estamos na encruzilhada

Podíamos aproveitar

Para escolher um novo caminho

Respeitando a Natureza

Procurando um desenvolvimento sustentado

Na economia verde baseado

Aproveitando os ecossistemas

Temos a terra, o sol, a água e o vento

Com humildade e respeito aproveitemos

O que têm para nos dar

Já vimos o custo de tudo parar

Fome, miséria, muito mal-estar

Temos de uma nova vida inventar

Começando por todos respeitar.

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

 

 

 

24
Mar20

Perfume

cheia

A Primavera

Da minha janela, virada para a Primavera

Vejo o campo a acordar, a sorrir, a levantar-se

As plantas e as árvores não param de enfeitar-se

São flores de todas as cores, perfumes provocadores

Tudo numa harmonia e alegria, provocantes

A contrastar com o caus que estamos a viver

À tardinha, pelo anoitecer, vejo os melros a rondar o meu quintal

Vêem-se abastecer, gostam dos morangos que estão a amadurecer

Durante o dia vejo os casais de perdizes, num rodopio

A beijarem-se, a abraçarem-se, a galarem-se, a alimentarem-se

No intervalo, elas vão pôr

Eles procuram uma elevação para uma visão panorâmica

Não venha uma águia, e ponha fim ao romance

Ao projeto de ter uma ninhada de perdigotos

Para que em todas as Primaveras

Possamos deliciar os nossos olhos

Vendo a Natureza a acordar, a sorrir, a alevantar-se.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

08
Fev20

A natureza

cheia

Sintra

 

Sintra, flor da natureza

Toda cheia de encanto e nobreza

Tu deste um fruto de pureza

A beleza, uma princesa

 

Sintra, paraíso de namorados

Terra de esplendorosa beleza

Toda cheia de jardins perfumados

Tu és o melhor fruto da natureza

 

Sintra, engalanada de palácios, castelos e conventos

Tu tens mil monumentos

Tu és uma princesa de mil encantos

Toda cheia de namorados nos recantos

 

Sintra, abençoada pela terra e pelo mar

Que o Atlântico não deixe de te beijar com o seu olhar

Que a serra nunca deixe de te amar

Que, os poetas, continues a encantar.

 

José Silva Costa

 

 

17
Nov19

Vento em flor!

cheia

Margens!

Nas margens das cores

Vamos apanhar as flores

Com beijos, com dores

Resistimos a todos os horrores

As rosas são os teus amores

Nas margens das flores

Regamos o chão, sem furores

Plantamos pétalas nos corredores

Para construirmos elevadores

De beijos e cobertores

Nos nossos sonhos não entram fumadores

Tudo o que queremos são perfumes inovadores

Feitos de pensamentos voadores

Nas nossas margens só queremos valores

Todos somos amadores

Só aceitamos as verdades dos professores

Daqueles que são sabedores

Não de todos os doutores

Há sábios provocadores

Não sabem nada dos que sofrem com dores

Que amassam os dias demolidores

Com sorrisos, esperança e amigos encantadores

Para, um dia, colherem o perfume dos namoradores

O remédio que cura males assustadores

No brilho das estrelas polares

Onde todos os apaixonados constroem sonhos sedutores.

José Silva Costa

          

 

 

 

 

 

 

 

 

 

15
Nov19

Convite!

cheia

https://liberdadeaos42.blogs.sapo.pt Convite!

Hoje, a convite da MJL Liberdade aos 42, saí de casa, rumei ao Sul, passei pela minha terra, atravessei o Vascão, estou no Algarve, nas praias, onde o país passa férias

Um convite que muito me honra e muito agradeço. Escrever, num espaço tão acarinhado e visitado, é uma grande responsabilidade, ainda, por cima, sobre o que durante muitos anos não tivemos: a Liberdade

Não deixem de passar pelos espaços da MJP Liberdade aos 42 e Na Sombra da Luz, para se deliciarem com os seus excelentes textos e admirarem as fotografias, cuja beleza nos transporta, para outros horizontes.

 

Muito obrigado por tão honroso convite.

 

20
Mar19

Flores

cheia

A Primavera está a chegar

Já abri a porta para ela entrar

Esta noite, comigo se vai deitar

Minha amante virtual

Há quanto tempo te esperava!

Para nos encontrarmos no meu quintal

No roseiral, bem pertinho de onde vais morar

Para o teu perfume, a todo o momento, saborear

Temos três meses, para namorar

Não queres, para sempre, ficar

Preferes vir todos os anos

Jovem, fresca, airosa, mimosa, disfarçada de Rosa

A rebentar de perfume por todos os poros

Para encantares os meus olhos

Que tanto admiram a tua formosura

Todos os anos o mesmo encontro

Com mais ou menos sol, com mais ou menos chuva, com mais ou menos frio

Como gostava que os teus olhos fossem um rio

Que nos trouxessem a chuva de que tanto precisamos

Para que as tuas flores não desfaleçam.

José Silva Costa

10
Mar19

Primavera

cheia

Primavera

Aproveitemos a alegria da Primavera

Que está quase a chegar

Para colhermos as papoilas vermelhas e os malmequeres brancos

Respirar o ar puro de todas as cores

Passear e correr no manto multicolor

Com que se veste a Primavera

Recebamo-la de braços abertos

Porque ela é de todas a mais bela

É com ela, que animais e plantas desenvolvem a maior de todas as explosões de vida, cor e alegria

Ninguém fica indiferente aos seus perfumes

E, nem todos conseguem esconder os ciúmes

Por ela amar todos por igual

Sem que tenha rival

Todos os anos nos surpreende com a sua juventude

Airosa, fresca, despenteada, mimosa

De boca de amora

Cabelos de cor-de-rosa

Uma beldade espantosa

Que todos os anos nos namora

Por pouco tempo

Porque todos os anos casa com o vento.

 

José Silva Costa

     

 

 

 

06
Dez18

Jardins

cheia

Jardins

Num mar de flores floridas

Tantas coisas perdidas

Os amigos, que partiram

As abelhas entretidas

Não deram pela falta dos meus amigos

Continuam, todos os dias, a cumprimentar as flores

Todos os dias volto ao jardim

Mas não tenho ninguém para cumprimentar

As flores não me entendem!

Só gostam que as abelhas as cumprimentem

Contento me com o seu perfume

Passo o tempo a ver o trabalho das abelhas

Não trabalho, nem falo

Volto, mudo e calado

No jardim, já ninguém joga às cartas

Estou cada vez mais cansado

Mas não deixarei de ir, todos os dias

Ao jardim perfumado.

José Silva Costa

 

 

29
Mai18

Maio

cheia

Maio

 

Maio, mês das flores e dos amores

Dos dias de muito sol

Das serenatas matinais

Começam pelas cinco da madrugada

Toda a passarada, numa cantoria ritmada

Para encantar uma namorada

É um grande privilégio

Viver num grande sossego

Acordar ao som das serenatas da passarada

Este ano dei por dois ninhos de melro

Nos arbustos do meu quintal

Até podem existir mais

São os nossos vizinhos

Depois da serenata, encontrada a namorada

Começa a grande azáfama da construção do ninho

Suavizada pelo romantismo do acasalamento

Depois da casa feita, vem a postura dos ovos

O choco e o aparecimento dos filhotes

Mas, os predadores estão sempre à espreita

Num dos ninhos, de um dia para o outro, os ovos desapareceram

No outro, dos ovos, saíram três filhotes

Dias depois foram atacados pelos gaios

Que deixaram só um

Teve sorte, cada vez está mais forte

Com pais incansáveis, constantemente a alimentá-lo

Pode ser que o consigam criar

Pois, de um momento para o outro, tudo pode acabar

Lá se vai o trabalho e o sonho de criar uma ninhada

A Natureza, com a sua sábia cadeia alimentar

Consegue regular o equilíbrio, para manter o Planeta, vivo

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

07
Out16

Os gritos dos mortos

cheia

Aleppo

Oiçam o choro das crianças

Acabem com os bombardeamentos

Procurem entendimentos

Já chega de dias sangrentos

Procuram-se movimentos

Que encham praças e centros

Que gritem bem alto

O choro das crianças

Acabem com as matanças

Não matem mais homens, mulheres e crianças

O que é que ganham com as vinganças?

Ponham de parte ódios e religiões

Abram os corações

O mais importante não são as nações

O mais importante são as pessoas e as suas condições.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D