Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

25
Abr24

O Império

cheia

O Império – As teias que o Império teceu

 

57

A união faz a força, foi essa força que fez com que a cooperativa tenha contribuído para melhorar a vida de todos os cooperantes

Cada vez produziam mais, produção que estava sempre vendida, porque a procura era superior à produção, fazendo com que continuassem a desmatar mais terreno, para aumentar a produção

Era com entusiasmo que todos, novos e velhos, se dedicavam ao trabalho, sentiam uma enorme alegria ao verem as suas sementeiras a nascerem, crescerem, colherem os produtos de que alimentavam era uma sensação indescritível

Com o aumento da produção e o funcionamento da cooperativa, as famílias passaram a ter sempre que comer, deixaram de estar abandonadas à sua sorte, imperava a solidariedade, não sendo permitido o açambarcamento, porque enquanto houvesse, era dividido criteriosamente e proporcionalmente às necessidades de cada família

A Rosinha e o Januário estavam muito orgulhosos de toda aquela família, que constituía a cooperativa, por acreditarem que a sua obra continuaria pelos séculos fora

Seria muito importante, que continuasse, para melhorar a vida de muita gente, que tanta alegria estava a proporcionar àquelas mulheres e homens, jovens e velhos, que tanto se orgulhavam daquele trabalho, honesto e produtivo, arrancando da terra os seus alimentos

A Rosinha, desde a criação da creche, que ela, sempre que tem tempo, ajuda na creche:  fala com as jovens mães, dá-lhes algumas dicas, como cuidarem dos bebés

Contava a sua experiência, como mãe e avó, tenta desdramatizar o papel da mãe e do pai, dizendo que ser pai e ser mãe aprende-se ao longo da vida, e nunca se sabe tudo

As jovens contavam com ela para desabafarem, revelando-lhe as suas dúvidas, alegrias, medos, a todas dava atenção, tentando convencê-las das suas muitas competências, para serem mulheres e mães

O Januário, cada vez, tinha mais dificuldade em andar, tinha receio de ficar acamado, todos os dias fazia muito esforço para fazer uma caminhada, gostava de ir ver as lavras, ver como estavam as plantações, falar com quem andava a tratar delas, lembrar o tempo em que esse era o seu trabalho

Não gostava de ir sozinho, gostava muito da companhia da neta, a Milene, acompanhava a Rosinha, quando ela ia para a creche, sempre, com o fim de conseguir que a neta, depois, fosse com ele

Nem sempre o conseguia, mas muitos dias ela foi a sua companhia, gostava de ir ver os pais e as outras pessoas, que com eles trabalhavam nas lavras

Para o avô, era como se fosse uma borboleta, sempre a saltar e correr, e ele a querer que lhe desse a mão, com medo que caísse e se magoasse

Nos dias em que tinha a sua companhia, esquecia-se das dores, o tempo passava a correr, as lavras tinham outro encanto, aquela borboleta, como ele dizia, a correr, ao longo das plantações, a falar com os pais e todos os que lhe dessem atenção, parecia uma  estrela cintilante, da qual não conseguia desviar o olhar

No regresso, quando chegavam a casa, a avó beijava-a e mimava-a muito, como se estivesse a agradecer-lhe por ter feito companhia ao avô, e ela percebia que eles ficavam muito contentes, com a sua companhia. 

 

Continua

 

 

04
Abr24

O Império

cheia

O Império  -  As teias que o Império teceu 

54

A Rosinha e o Januário não podiam estar mais felizes, a chegada da primeira neta, a Milene, veio trazer muita alegria e felicidade, a toda a família

Os pais, a Leopoldina e o Jeremias, também, não cabiam em si de tanta felicidade e contentamento, com o aparecimento do seu primeiro rebento

Não fossem as dores que quase sempre acompanham os velhos, os últimos anos de vida poderiam ser menos penosos e muito mais valiosos

Mas, para isso, temos de aprender a viver: levar uma vida regrada, fazer uma alimentação saudável, menos alimentos processados, menos carne, mais fruta e vegetais, nada de refrigerantes, pouco álcool, fazer exercício físico

Para os avós tinha começado uma nova vida, todas as suas energias seriam para o novo membro da família, a Milene

Ser pais é maravilhoso, mas, normalmente é numa idade, ainda, jovem, com uma vida pela frente, com a responsabilidade de criar e educar aquele pequeno ser, que acabara de nascer, e que vai ser quem determina, daquele dia em diante, o que os pais terão de fazer, sendo que as suas necessidades estarão, sempre, acima das dos progenitores

Ser avós é, ainda, mais emocionante, já têm a experiência de ser pais, podem evitar alguns erros cometidos, como pais,  ninguém nasce pai, e aprende-se a sê-lo com os filhos, e como não há dois filhos iguais, a não ser que sejam gémeos, o que faz com estarão sempre a aprender, e nunca conseguirão ser pais exemplares

Como avós têm uma intimidade mais forte com os netos, do que com os filhos, parece que estão mais perto da idade deles, são coniventes com as suas aventuras, e eles olham para eles como cúmplices, e não como os seus principais educadores, que são os pais, mesmo que, também tenham obrigação de os educar, fazem-no de uma maneira mais suave e doce

É por isso que todos temos muito carinho, para com os nossos avós,

 Porque, para eles, somos as mais bonitas e perfumadas flores.

 

Continua

 

 

21
Dez23

O Império

cheia

O Império  -  As teias que o Império teceu

 

40

O Januário conseguiu recuperar da doença, que o fez ficar oito dias de cama

Continuou a falar com os escravos, que ainda não tinha falado, que trabalhavam naquela fazenda

Ao fim de mais cinco dias de esforços, teve a alegria de encontrar o irmão mais novo da Rosinha, que o informou que o pai e o irmão não tinham conseguido resistir a tantos maus tratos

Disse-lhe que era seu cunhado, vivia com a sua irmã mais nova, e que tinham uma menina e um menino muito bonitos,  que pretendia levá-lo, para Luanda

O escravo respondeu-lhe que não sabia se o seu patrão o libertaria, porque ele era o seu

dono

O cunhado disse-lhe que iria falar com ele, e que tinha quase a certeza que iriam os dois para Angola

Os olhos do irmão da Rosinha brilharam, e a língua disse que se isso acontecesse era um grande milagre

No dia seguinte, o Januário procurou-o, para lhe dar a boa notícia de estava livre e podia acompanhá-lo, para irem para o Rio de Janeiro, abraçaram-se e choraram

Quando se foram despedir do fazendeiro, este deu-lhe roupa lavada, porque a que tinha vestida estava muito rasgada e suja

Desejou-lhes boa sorte e bom regresso a casa, e que estva muito triste por o pai e o irmão terem morrido

Eles e os guias meteram-se a caminho, estavam muito longe do Rio de Janeiro, ainda iam demorar alguns dias a lá chegar

Com a chegada do novo Governador, João Fernandes Vieira, o Ezequiel deixou de fazer parte dos seus colaboradores

Passou a dedicar-se à agricultura, integrando uma grande equipa, da qual já faziam parte a mulher e a cunhada

Já produziam uma grande parte dos produtos alimentares que a cidade de Luanda consumia

Com a colaboração dele, a mulher e a cunhada ficavam com mais tempo livre, para a lida da casa e dar atenção aos filhos

Estava tudo a correr muito bem, tinham-se visto livres do negócio da escravatura, com o qual não concordavam

Mas, a falta de notícias do Januário, continuava a causar muita tristeza em toda a família, por que a incerteza mói mais que a morte

Não falavam do assunto, mas os rostos diziam bem as dores que iam dentro do corpos, ainda que os mais novos tudo fizessem para alegrar os mais velhos

Só restava esperar que os barcos que chegavam do Brasil trouxessem boas ou más notícias.

Continua.

 

26
Out23

O Império

cheia

O Império – As teias que o Império teceu

 

32

Um interminável dia acabaria por ser o mais bonito, para a Miquelina e o Ezequiel

Quando ele entrou e a beijou, ela agarrou-se a ele, com as mãos na sua cintura, beijou-o durante tempo sem fim, apertando-o contra o seu corpo, para que sentisse como o seu corpo vibrava de alegria

Ezequiel não sabia o que se passava, para ela não deixar de o beijar, nem deixar de se colar ao seu corpo. Mas ela não parava, nem dizia o que se passava, queria que aquele momento não tivesse fim

Vendo que o Ezequiel estava quase a desesperar, disse-lhe que estava grávida, viu, nos olhos dele, o sorriso mais bonito e brilhante, que só uma grande felicidade conseguem transmitir

Continuaram agarrados um ao outro, agora era o Ezequiel que não parava de a beijar e de a abraçar, foram momentos inesquecíveis e indiscritíveis

Depois de tão grande azar, Salvador de Sá rumou para Luanda, na foz do rio Massangano, uma pequena comitiva desembarcou para avisar o Comandante do Forte de Massangano da chegada de reforços, mas os brasileiros foram aprisionados por nativos aliados dos inimigos, levaram-nos para um posto holandês, no Forte Mols, na foz do rio Cuanza

Sem saber se a comitiva tinha cumprido a sua missão, Salvador de Sá dirigiu-se para Luanda, onde chegou no dia 12 de agosto de 1648

Só dois navios guardavam o porto, o Noort-Holland e o Ouden Eendracht, que fugiram para o alto-mar

Dois pescadores negros, capturados no porto, contaram que a tropa, comandada pelo holndês Synon Pieterzoon, estava com os jagas a combater os portugueses em Massangano, o que ajudou a entrada, de Salvador de Sá, em Luanda, desguarnecida, com apenas 250 holandeses a vigiarem o Forte do Morro e o Forte da Guia  

Também a Rosinha e o Januário, bem como a filha e o filho ficaram muito contentes por saberem que a Miquelina estava grávida, mesmo que as condições, no Forte, não fossem as melhores para nascerem bebés

Isso não impedira que já tivessem nascido muitos, durante os longos anos, que já tinham passado, desde a chegada dos refugiados de Luanda, e muitos mais iriam nascer, porque é a única maneira de preservar a espécie, e naquele tempo não havia nada que ajudasse a combater o natural aumento dos membros das famílias.

 

Continua

 

 

20
Abr23

O Império

cheia

O Império – As teias que o Império teceu

5

Foi uma viagem muito longa, muito desgastante, alguns tripulantes morreram, quando chegaram a Nagasaki, a armada e os homens precisavam de descanso

A armada era composta por 4 barcos, que chegaram todos ao destino, o que foi muito bom

Mas precisavam de uma grande reparação e de mais tripulantes, que não eram fáceis de encontrar

Os portugueses não eram bem visto na cidade, porque faziam muitos filhos e propagavam o catolicismo

Por isso, os japoneses construíram a pequena ilha de Dejima, de 200 metros de comprimento por 80 de largura, que ficou pronta em 1636, para tentar afastar os portuguese da cidade, mas os portugueses não aqueceram o lugar, foram expulsos em 1639

Carregadas as mercadorias e recuperados os barcos e os homens, iniciaram o regresso

Voltaram a aportar em Macau, Malaca e Goa, para carregarem mais mercadorias

Deixaram Goa com os barcos completamente carregados, todos estavam ansiosos por voltarem a Lisboa, menos o Januário, que já tinha decidido não voltar à Pátria

Foram fustigados por ciclones e tempestades, que partiram mastros e rasgaram velas, temeram que as pequenas caravelas fossem engolidas pelo mar, foram muitos dias com medo de perderem a vida

Como diz o ditado: “depois da tempestade vem a bonança”, tiveram de aportar na Ilha de Moçambique, uma paragem que não estava programada, mas foi necessária para tentar consertar o que as tempestades tinha danificado

Foi mais de um mês de paragem, o que fez com que todos ficassem mais nervosos, com mais ansiedade, com receio de que não conseguissem voltar a ver Lisboa

Quando se fizeram, de novo, ao mar o ânimo voltou, até parecia que Lisboa estava ao voltar da esquina

O januário já fazia planos para a sua fuga, que não confidenciou com ninguém, tinha trazido alguns anzóis, fogo, a pistola, uma faca, um pano de seda, que tinha comprado em Nagasaki

Esperava conseguir camuflar tudo com os trapos de que se cobria, não podia fazer nada que pusesse em perigo a sua opção de ficar em Luanda

No último dia em que pudesse ir a terra, antes de deixarem Luanda, tinha de sair sem levantar suspeitas, procurar embrenhar-se no mato, para não voltar a ser visto, procurar um abrigo para pernoitar, tencionava arranjar uma companheira, queria ter uma grande família

Tudo planeado, mas não estava muito tranquilo quanto à sua concretização, acreditava que, se tivesse sorte, tudo correria bem.

Continua    

 

 

29
Dez22

A sedutora

cheia

Lisboa! A sedutora

10

Tinha passado quatro anos com aquela família que, sempre o tratara bem, tinha um filho da sua idade. Mas que, infelizmente, a poliomielite incapacitara para o resto da vida, a irmã tinha menos dez anos

Brincaram muito, os três, no Jardim Botânico, nas tardes em que não havia movimento no estabelecimento

Uma família de Vide-Entre-Vinhas, Concelho de Celorico da Beira, Distrito da Guarda, muito crente

Nos primeiros dias a comunicação não foi fácil, um país tão pequeno, mas com muita diversidade

A pouco e pouca foram-no integrando nos seus rituais, começou por ir todos os domingos à missa, se não pudesse ir de manhã, à Igreja de São Mamede, ia à tarde à Igreja dos Mártires, ao Chiado, no mês de Maio, mês de Maria, iam todas as noites à Igreja, frequentaram a catequese juntos: ele e o filho dos patrões, e fizeram a primeira comunhão no mesmo dia, todas as noites, depois do jantar, rezavam o terço, por isto, por aquilo e, também, pela conversão da Rússia

Os carros e os eletrodomésticos trouxeram as vendas a prestações, uma novidade que não foi pacífica, uns continuavam avessos à nova modalidade de pagamento, defendendo que continuariam a pagar a pronto, outros dizendo que era uma boa oportunidade para beneficiar da utilização dos utensílios e ir pagando

O tempo encarregou-se de dizer o que viríamos a fazer. Infelizmente, são poucos os que conseguem dar-se ao luxo de comprar a pronto de pagamento

Hoje, compra-se tudo a prestações e a crédito, paga-se com cartões, e se não tivermos saldo, para pagar a totalidade dos cartões, o Banco agradece, ficamos a pagar juros, pelo saldo em dívida. Mas, como não querem que nos falte nada, criaram a conta ordenado, para comprarmos tudo o que quisermos, quando quisemos, sem termos de esperar pelo dia em que recebemos o ordenado

Temos é de ter cuidado, não podemos é ir além do orçamento, senão temos de recorrer à Deco para nos ajudar a fazer um plano de pagamento, para não termos de pedir a falência

O ideal seria nem tudo gastar e algum poupar, felizes dos que o conseguem fazer, ao fim do mês, chegar.

Continua

 

10
Fev22

Pais(10)

cheia

Pais (10) 

 

Ficaram, ainda, mais motivados para estudarem, esperavam que os pais se orgulhassem deles, queriam fazer o que lhes fosse possível, para ajudar os mais desfavorecidos

Ela escolheu ser professora e ele a advocacia. Foram, sempre, bons alunos

Assim, que acabaram a formação, criaram um colégio destinado a meninas e meninos, cujos pais não tinham possibilidades de custear o total dos estudos

Pagavam de acordo com as suas possibilidades, e os que não pudessem pagar, não pagavam nada

Conseguiram ajudar muitas crianças, a obter uma formação, que lhes permitiu conseguirem empregos, com melhores ordenados

Mas a grande crise, de 2008, fez com que o seu estabelecimento de educação não resistisse, tiveram de o fechar, com grande pena deles, e procurar outro meio de subsistência

Já tinham constituído família, ambos já tinham filhos, foram tempos muito difíceis, valeu-lhes o apoio dos pais, que estavam muito orgulhosos do que tinham feito, e muito felizes por já terem netos

As consecutivas crises do século XXI, e a pandemia vieram-nos mostrar, quanto é importante ter uma família coesa

Quando surgem os divórcios, quando perdemos o emprego, quando perdemos a casa, ou quando perdemos tudo, é nos braços dos nossos pais ou avós, que vamos chorar, e são eles que nos enxugam as lágrimas

Nestas crises e pandemia, muitos pais e muitos avós foram muito importantes, ajudando os filhos e os netos, prescindindo de dias mais desafogados, para ajudarem os seus descendentes

A Ana e o Francisco não escondiam o seu contentamento e felicidade, por terem adotado o Pedro e a Inês

A Ana dizia que o facto de não ter podido ter filhos, lhe tinha permitido experienciar a enorme felicidade de poder dar colo a duas crianças, que perderam o colo dos pais biológicos

Ambos sonhavam com o dia da reforma, para puderem estar mais tempo com os filhos e, principalmente, com as netas e os netos

Queriam aproveitar todos os momentos para estarem com eles, antes que crescessem e tivessem menos tempo para estar com os avós

Desejavam aproveitar ao máximo, o perfume daquelas lindas flores, vê-las, todos os dias, a crescerem, darem os primeiros passos, dizerem a primeira palavra, dar-lhes banho, mudar-lhes a fralda, dar-lhes o biberão, tudo o que não tinham tido oportunidade de experienciar com os filhos

Sonhavam acompanhar o seu crescimento, vê-los homens e mulheres, constituírem família, e conseguirem ver e beijar bisnetos.

Fim.

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

 

 

 

 

 

 

03
Fev22

Pais (8)

cheia

Pais (8)

A todos prometeram que voltariam em breve, com mais tempo, talvez nas férias do Natal, ou nas férias grandes, no verão

A Ana, o Francisco e os filhos ficaram muito felizes, por terem encontrado a família que ainda não conheciam

Os tios e os primos também ficaram contentes por verem os sobrinhos e os primos muito felizes com os pais adotivos

A Inês e o Pedro não compreendiam a razão por que os primos não andavam na escola, como eles

Os pais explicaram-lhes que muitas crianças, cujos pais não tinham possibilidades para que continuassem a estudar, só faziam os estudos obrigatórios, que eram a quarta classe

Na terra dos avós adotivos, já tinham reparado que a vida no campo era muito diferente da da cidade

Mas como eles já não tinham animais para tratarem, apenas tinham umas hortaliças nas hortas, e eles passavam a maior parte do tempo a brincar com os amigos, que viviam no estrangeiro, nunca se tinham apercebido da real dureza da vida no campo

Na terra dos pais biológicos, em contato com os tios e os primos, é que viram como eles chegavam exausto e sujos, depois de um longo dia de trabalho, no campo, tendo, ainda de  tratar dos animais, que estavam presos!

Começaram a dar mais atenção ao que se passava no campo e na cidade, não compreendendo a razão por que é que os trabalhadores do campo não eram valorizados, mesmo trabalhando mais horas e fazendo trabalhos mais duros

A Ana e o Francisco disseram-lhes que as desigualdades eram as grandes responsáveis pela desertificação do interior, todos queriam ir para as grandes cidades, onde os trabalhos eram mais leves, trabalhavam menos horas e tinham um ordenado certo no fim do mês, sabiam com o que poderiam contar

No campo tinham muito trabalho na preparação da terra, nas sementeiras, não sabendo o que colheriam, porque uma intempere podia estragar tudo

Com o início da guerra colonial, os rapazes que voltavam da guerra, já não queriam voltar para as suas terras

Os que não conseguiam emprego nas grandes cidades, começaram a emigrar

Dizendo-lhes que eram os filhos desses emigrantes, que brincavam com eles, na terra dos avós, quando iam para lá passar as férias de verão.

 

Continua.

 

 

31
Jan22

Pais (7)

cheia

Pais (7)

Acabado o mês de agosto, voltam à rotina: os pais regressam aos seus trabalhos e os filhos aos seus estudos

Os bailaricos e os namoricos ficavam para o próximo ano. Mas os amigos, da Inês e do Pedro, sabendo que eles tinham sido adotados, questionaram-nos se sabiam alguma coisa da sua família biológica

Responderam que os seus pais tinham morrido num acidente de viação, quanto ao resto da família não sabiam de nada

Poucos dias depois de regressarem de férias, disseram aos pais que gostavam de saber que família é que tinham dos pais biológicos

A Ana e o Francisco disseram-lhes que faziam muito bem em se interessarem pela família biológica, e assim que pudessem, iriam à terra da mãe e do pai, para saberem que familiares é que tinham

Quando tiveram o primeiro fim-de-semana livre, rumaram ao Norte, para a aldeia dos pais biológicos

Tinham dois tios por parte da mãe e uma tia e um tio por parte do pai   

Trabalhavam nas terras herdadas dos pais, em conjunto com os irmãos, ainda não tinham feito as partilhas, tanto uns como os outros viviam das terras herdadas

No sábado, quando chegaram à aldeia, ainda os tios e primos andavam a trabalhar no campo

Esperaram que regressassem a casa, os vizinhos já os tinham informado, onde viviam os tios e a tia

Os primeiros a chegarem foram os irmãos da mãe, um tinha dois rapazes e o outro uma rapariga e um rapaz

Ficaram muito contentes por voltarem a ver os sobrinhos e conhecerem os pais adotivos, não os tinham voltado a ver desde o acidente, justificando que não tinham tido oportunidade de ir a Lisboa, para onde os tinham levado, por todos os dias terem de tomar conta dos animais e trabalharem as terras

Apresentaram-lhes, as esposas, os primos, a prima, que eram pouco mais velhos, que a Inês e o Pedro

de um minuto para o outro ganharam mais oito familiares: dois tios, duas tias, três primos e uma prima, por parte da mãe

como já era tarde, a visita à tia e ao tio, por parte do pai,  ficou para o dia seguinte: domingo, o único dia de descanso, e era aproveitado para irem à missa

No domingo, depois da missa, dirigiram-se, primeiro à casa da tia, que também ficou muito contente por voltar a ver os sobrinhos e conhecer os pais, apresentou-lhes os dois filhos e o marido, convidou-os para almoçarem, mas eles disseram que não podiam aceitar, porque ainda tinham de ir visitar o irmão dela, tendo de seguida voltar para Lisboa, que era uma viagem muito longa. De seguida foram visitar o irmão do pai, que lhes apresentou a esposa e as duas filhas.

Ficou, também, muito feliz por voltar a ver os sobrinhos e conhecer os seus pais.

Também os convidou para almoçar, mas eles voltaram a recusar, porque tinham de voltar para casa.

Continua

 

 

13
Jan22

Pais! (2)

cheia

Continuação   (2)

 

Ele continuou a beijá-la e a acaricia-la, dizendo-lhe que poderiam adotar uma criança, que havia muitas crianças institucionalizadas, à espera de um colo de pais

 por muito boas e bem organizadas que fossem as instituições, nunca lhes poderiam dar

A solução do Francisco aliviou-lhe um pouco o sofrimento, e o facto de não a ter culpabilizado,

foi a confirmação de que tinha escolhido o companheiro certo

Os meses passavam, mas a Maria não conseguia vencer a tristeza de não poder ser mãe

O Francisco achou que estava na altura de irem visitar uma instituição, para tentarem adotar uma criança

Foram visitar uma instituição onde mais de uma centena de crianças e jovens aguardavam por uma família

Encantou-os um casal de gémeos, de três anos, gostaram tanto dos bebés, que estavam prontos para adotarem os dois

Mas queriam ter a certeza de que aqueles bebés eram os que queriam para serem os seus filhos

Assim, pediram aos responsáveis pela instituição, se poderiam levar os bebés ao fim-de-semana, nas férias, para se irem afeiçoando aos novos membros da família

Sempre que tinha um dia livre, um fim-de-semana, férias iam buscar A Inês e o Pedro, passavam o tempo a mimá-los: beijinhos, colo, jogos, iam ao jardim para experimentarem todos os obstáculos, deliciavam-se a fazerem comida e a vê-los comerem

Nem davam pelo tempo passar. Cada vez custava-lhes mais terem dos irem levar à instituição

Queriam quanto antes pintar e mobilar o quarto deles. Nas paredes e no teto queriam pintar a lua, o sol, as estrelas, flores, pássaros

Andavam tão entusiasmados e felizes a construírem o ninho, para os filhos, que pareciam os pássaros, só que estes constroem o ninho antes de terem os filhos, e eles já tinham os filhos e ainda não tinham acabado o ninho

Já não podiam passar sem eles: a casa ficava vazia, as preocupações, se estariam bem, se teriam comido, dormido, não os deixava sossegados, mesmo contatando todos os dias a pessoa que tomava conta deles

Desde o início da adoção, tinham decidido que quem escolhessem, depois de lhes ser entreguem, seria o seu filho ou filha, como escolheram um casal, seriam os seus filhos, como se fossem biológicos

Não compreendiam que alguns casais devolvessem as crianças adotadas, porque chegavam à conclusão que não era o que queriam, um procedimento inadmissível, que muito traumatizava, os que já compreendiam que tinham sido recusados, não lhes bastando terem tido o azar de se encontrarem naquelas instituições, sem o carinho dos pais

As crianças adotadas não são coisas que adquirimos e possamos devolver, como também não o fazemos com os filhos biológicos, que temos de nos contentar com o que nos calhar.

 

Continua 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub