Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

18
Abr21

Portas giratórias!

cheia

Portas giratórias!

 

As portas giratórias não são só entre a política e os grupos económicos

Também giram entre deputados, juízes, académicos, políticos

Como foi muito bem explicado, no programa Sexta às 9, na RTP 1, de Sandra Felgueiras

Giram entre a Assembleia da República, as Universidades, onde fazem pareceres

São nomeados para o Tribunal Constitucional, Supremo Tribunal de Justiça

Entre dois pareceres, não vinculativos, o juiz escolheu o do Tribunal Constitucional

Já nem se dão ao trabalho de negarem a corrupção, esgrimem prazos de prescrição

Quem é que escolhe a data da acusação?

Pobre País, que votas em corruptos, mesmo depois de acusados!

Não te queixes das injustiças!

Porque não tens perdão.

 

 

José Silva Costa

 

  

 

  

 

11
Nov20

O espelho americano

cheia

O espelho americano

 

Não reconhecer a derrota é o primeiro passo para acabar com a democracia

Metade da América rejeita o resultado das eleições, escudada por Trump, Mike Pompeo…………

Este vírus, ainda, é mais perigoso e contagioso que a Covid-19

O Primeiro-ministro da Eslovénia deu os parabéns a Tramp, pela vitória

Infelizmente, candidatos a ditadores não faltam, e o futuro parece favorecê-los

Os populistas, para subirem ao poleiro, servem-se das bandeiras da contestação

Nos Açores foram: a corrupção, o rendimento mínimo e a redução do número de deputados

Para os que têm convivido bem com estes problemas, espero que seja uma boa lição

A fatura poderá chegar à perda da democracia, porque o fim destes senhores não é acabar com a corrupção, mas conseguir o poder absoluto, onde, como se sabe, não há corrupção, porque o que divulga a corrupção é a Liberdade

Com esta pandemia, não é nada de bom o que se anuncia, e quando chegarmos ao ponto do que acontece: “na casa onde não há pão, todos ralham, ninguém tem razão “  temos o caminho aberto para que apareça o ” Salvador”

Espero não ver os que se apoiaram, nos que são contra a democracia, para abocanharem o poder, a perdê-lo, para sempre.

 

José Silva Costa

 

 

 

24
Out17

Censurados!

cheia

A Hibernação

 

No domingo, 15 de outubro de 2017, o país ardeu

O lume, tudo, comeu

Quase meia centena morreu

Já em junho, sessenta e quatro tinham morrido

O país já tinha ardido

O Parlamento tinha reunido

Com o vento de junho acordaram da hibernação

Fizeram a lei do ordenamento

Cansados de não fazerem nada, no Parlamento

Apanharam um esgotamento

Foram dois meses ver o vento

Mas tiveram de fazer um prolongamento

Para em setembro andarem no esclarecimento

Quem ficou sem eira nem beira

Ao sol e ao vento teve de esperar

Que os Governantes voltassem a acordar

Em meados de outubro voltou o vento

Ardeu, toda, a zona centro

O Governo, do Presidente, levou um apertamento

No sábado, 21/10/2017, o Governo lançou milhões ao ar

Vamos ver quem os vai apanhar!

Até que enfim, que conseguiu acordar!

Mas, foi preciso muito vento soprar!

Muitos matar, tudo queimar.

 

José Silva Costa

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2011
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2010
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2009
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2008
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2007
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub