Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

04
Mai19

Primavera portuguesa

cheia

Portugal deitou-se nas trevas de uma ditadura

Acordou na radiosa Primavera de 1974

Ninguém imaginou que estávamos na esquina do futuro!

Passou o dia na incerteza de qual seria o seu futuro

Foi uma noite, que se prolongou por todo o dia, sem se saber o desfecho

Na falta de um cigarro, que um soldado pediu a uma senhora, para queimar o nervosismo

Esta, muito triste por não ter cigarros, deu-lhe um cravo vermelho, que ele colocou, no cano da espingarda

Foi o fim das guerras coloniais, o nascimento da revolução dos cravos

Mas, a noite, a madrugada e o dia foram muito longos e de muita ansiedade

Primeiro foi o frente a frente, na rau do Arsenal, dos carros de combate de Cavalaria

Felizmente, imperou o bom senso: os militares do Regimento de Cavalaria nº7, de Lisboa, não obedeceram à ordem de fogo

Estava ultrapassado o primeiro obstáculo: os militares não iam disparar uns contra os outros

De seguida os homens da Escola Prática de Cavalaria, de Santarém, comandados por Salgueiro Maia, dirigiram-se para o Convento do Carmo, onde se tinha refugiado o Primeiro-Ministro, Marcelo Caetano

Depois de posicionados os carros de combate, para a eventualidade de terem de disparar, o largo do Carmo começou a encher-se de populares

Ao longo da tarde, por várias vezes, Salgueiro Maia utilizou um altifalante, pedindo que se rendessem

Sem resposta dos sitiados, o comandante militar mandou disparar uma rajada de metralhadora, sobre o edifício

Passado algum tempo, depois deste aviso, entrou no Convento um carro com o General Spínola, para que Caetano lhe entregasse o Governo do país

Foi um dia muito longo e muito importante, não só para os portugueses, como para todas as colónias portuguesas

Com a nossa Revolução nasceu uma nova era

O Mundo nunca mais foi o que era.

José Silva Costa

 

 

 

 

23
Abr19

45 anos

cheia

25 de Abril de 2019 ( 45 anos)

Quarenta e cinco anos, na vida de uma pessoa, pode ser muito tempo, mas na vida do Mundo, ou de um país, não é nada!

Há 45 anos fomos acometidos por tantos sonhos, tantas expetativas, e, hoje, olhamos para trás e o que é que vemos!

Um rasto de corrupção, de vaidades, de desigualdades; aumentaram os muito ricos, muito pobres e os sem-abrigo

Para alguns, viver é mesmo um castigo!

A justiça não funciona: nem mesmo depois de o processo ter transitado em julgado, o condenado, para a prisão, não é levado

Felizmente ainda, podemos falar, mas isso não chega!

Com uma dívida de mais de 120% do produto Interno Bruto

Que nos custa, em juros, 14% dos impostos: a 3ª maior fatia, mais do que a educação!

Não conseguir um emprego é uma maldição

Com salários e pensões miseráveis, continuamos na cauda da Europa

Nem tudo é mau: temos muito mais e melhores vias de comunicação

Muito melhor educação e cuidados de saúde

Mas não conseguimos estancar o abandono do interior

Nem mesmo com avultados investimento em infraestruturas: água, luz, esgotos

Em localidades, que nunca teriam visto estes fatores de progresso

Se não tivesse acontecido a revolução

Mas, tudo foi em vão, porque muitas vão ficar sem nenhuma habitação

Num país tão pequeno, será assim tão difícil conseguir uma melhor distribuição!

Do dinheiro, para investimento, para conseguir fixar a população

Do talento, para fazer vibrar todo o território, e não só o litoral!

Pobre pais, que depois da revolução, já tiveste de chorar, três vezes, no ombro do FMI

Não conseguiste aproveitar os rios de dinheiro, que da europa, recebeste

Gasto em formação profissional, na qual ninguém aprendeu nada, por que o fim era o dinheiro conquistar

Em estufas, que se transformaram em carros de alta gama

Em aviários, que poucos anos duraram

Nos bolsos de alguns muito terá ficado!

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

21
Abr16

Liberdade

cheia

Vinte e cinco de Abril de 2016

Este ano vais florir

Sob a bandeira de um Governo de Esquerda

Mais sensível aos dramas socias, do que aos financeiros

Gente Lusa, agarrai com pujança!

Esta grande mudança

Mostrando, que com trabalho e muito tino

Podeis, de novo, espantar o Mundo

Porque, quem fez uma revolução

Com cravos vermelhos e beijos

Tem sabedoria para afirmar:

Não é fechando a fronteira

Que se acaba com a asneira

Ninguém pediu para nascer aqui ou acolá!

Trabalhemos com afinco

Homens e mulheres

Lado a lado

Para construirmos

Um Mundo melhor

Mais feliz!

Sem ódios nem preconceitos

Estamos todos, à Natureza, sujeitos

“ Fazer bem, sem olhar a quem”

Deve ser a nossa Bandeira.

 

José Silva Costa

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D