Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

21
Set20

Bem-vindo!

cheia

outono

O tempo vai suavemente mudando

A chuva, apesar de tardia, chegou

Há muito que a desejávamos

Nem todos! Porque ela não é tão agradável como o sol

Mas, tal como ele, faz muita falta

Vem ai o outono, com mais horas para o sono

Com menos horas de sol, venho mais cedo para dentro de casa

E, o trabalho não se vai azedar

Se há reformados que não têm que fazer

Todos os dias tenho de escolher, entre o muito que tenho para fazer

Por mim, ficava aqui todo o dia a ler e escrever

Mas não pode ser

Tenho o quintal para me entreter e as roseiras, que são a paixão da minha mulher, para admirar

Quando chove tenho água para engarrafar, para no verão regar

Não utilizo água tratada, para regar

Porque isso era, água, desperdiçar

Às vezes fico a pensar

Como é que há pessoas que se queixam que não sabem o que fazer!

Quando tenho tanta coisa para me entreter

Ficar aqui todo o dia a falar com vocês é que era

 Se calhar não iam gostar da ideia

Mas as plantas fariam uma gritaria, pedindo a minha presença

Porque elas dão me uma grande recompensa

A minha alimentação conta com a sua bênção

Semear, plantar, ver crescer, tratar, colher é um grande prazer

Falar convosco  também, mas tem de ficar para o entardecer

Para todos, um feliz outono.

José Silva Costa

13
Jan19

Um dia perfeito!

cheia

Na tarde esguia

Pela janela fria

Na ala esquerda do olhar

Vejo uma nesga da serra

Verde, pelo sol, acariciada

Mais umas horas, e volta a geada

No sossego e perfume da madrugada

Tudo fica, de branco, polvilhado

Tudo coberto por um admirável manto branco

Foi um domingo muito romântico

Com um radioso sol em qualquer canto

Tudo tão brilhante e quase perfeito

Se não fosse uma rubra rosa a pedir, a uma gota de água, um beijo

Para a semana verá cumprido o seu desejo

Vai voltar a chuva e a neve

Tudo o que é belo é breve

Quantas vezes, desperdiçamos os momentos de enlevo!

Na correria apressada de acordar tudo o que, em harmonia, dormia

Para darmos asas à nossa desmedida ambição

Esquecendo-nos que os melhores momentos são os de contemplação

Da natureza e beleza, que nos rodeiam, por todos os lados

Mas, nós, de tanto digital, andamos de olhos inchados

Sem tempo, sem disposição, sem dar atenção a quem todos os dias nos dá o coração.

 

José Silva Costa

 

 

08
Jun18

O tempo!

cheia

O tempo

 

O tempo! Nunca consegue a unanimidade, no contento

Uns querem chuva, outros sol, e, outros vento

Uns querem-no radioso e, outros cinzento

Vai-se o sol, vem a chuva e o vento

Temos tido uma Primavera fresca, alguma chuva e vento

Para acabar falta pouco mais, que um momento

Ai o tempo! Como é que poderia agradar a todos?

Só se chovesse no nabal e fizesse sol na eira, ao mesmo tempo

O tempo, é motivo de conversa a todo o momento

Em breve chegara o Verão, para mais um julgamento

Uns querem-no bem quente, outros, ameno.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

05
Jan18

A vida!

cheia

A Chuva

 

Caiem gotículas de vida

A multidão está aborrecida

A semente estava adormecida

Sentia-se tão triste e esquecida

Tanto tempo no pó, aborrecida

Lavou os olhos e inchou de alegria

Tantos meses de hibernação à espera

Que uma gotícula lhe desse vida

Tudo o que estava à espera de água fervilha

Um pássaro desenterrou um grão de ervilha

Que rolou no declive para dentro duma cova

Fugiu da morte certa para uma vida incerta

Preferiu mais uma incursão no ciclo da vida

Sempre com a ambição da multiplicação

As sementes experimentam um fogo ardente

O verde rebenta do seu ventre

A Natureza brilha, novamente

Para alegrar toda a gente

Mesmo para os que não gostam da chuva

Que não querem saber da sede da semente

Mas, dizem-se amantes da Natureza!

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2011
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2010
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2009
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2008
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2007
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub