Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

02
Mai21

Dia da Mãe

cheia

Dia da Mãe

 

Mãe, que palavra tão doce!

Tu és amor, colo, formusura

Tu és ternura

Tu és calor

No teu ombro

 Descanso a dor

Os teus beijos têm sabores

 Curam todas as dores

Tu és magia

Os teus olhos são alegria

São eles que alegram o meu dia

És a mais bela flor

O meu primeiro amor.

 

Feliz dia para todas as Mães.

José Silva Costa

 

09
Abr21

Sol

cheia

Sol

Na madrugada perfumada

É cada vez mais cedo a tua chegada

Todos os dias apareces de cara lavada

Vais subindo com a alvorada

Distribuindo calor e amor

A toda a humanidade

Sem exceção nem vaidade

Vais iluminando o campo e a cidade

A uma grande velocidade

Aqueces tudo, até a amizade!

Produzes eletricidade

Amadureces os frutos e a mocidade

Encantas a beleza, sem idade

Só as nuvens te impedem de beijares a novidade!

Têm ciúmes da tua popularidade

Mas, também querem mostrar a sua bondade

Fazendo valer a sua utilidade

Lavando as nuvens da saudade

Tirando-te o véu de vez em quando

Deixando passar alguns dos teus radiosos raios

Para limparem a má fama

De nuvens negras.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

11
Dez20

11, de Dezembro

cheia

11, de Dezembro

Tornaste-te, num dia, inesquecível!

Deste-me uma Rosa encantada

Há muito desejada

Foi em Dezembro, a sua chegada

Linda, encantadora, pura e perfumada

Muito frio, neve e geada

Prenda de Natal, para sempre, antecipada

 

Estrela brilhante a anunciar o Natal

Meu anjo encantado, meu futuro

Por ti, chorei e ri, perto e longe

Quando voltei, a mais bela flor sorria

 

O serviço militar roubou nos o convívio

Dos teus radiosos, primeiros, quatro anos

Guerra, palavra mais negra e trágica

Levaste-me, em flor, para longe do amor

Tanto calor, tantas saudades, tantas crueldades

Longos anos, meses, dias, minutos. Tanta dor!

 

José Silva Costa

 

 

08
Dez20

Terceiro Milénio

cheia

Março de 2003

 

Terceiro ano e milénio

O Mundo está tão conturbado e abatido

Com tanto medo das novas pestes em que está envolvido

Com o ar muito poluído, por causa dum desenvolvimento sem sentido

As crianças esfomeadas procuram abrigo

Não sabem ler, nem escrever, ignoram o juízo

O Mundo, colorido, com a internet, em pouco tempo é percorrido

O Mundo, do mesmo tamanho, está cada vez mais reduzido

Em português, abraço o Mundo inteiro

Falar português é abraçar o Mundo, beijar a alma portuguesa

Oito países amigos, numa língua, unidos

Por todo o Mundo distribuídos

Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Brasil, Moçambique, Timor Leste, Portugal, São Tomé e Príncipe 

O Mundo bem poderia ser um lugar de alegria, com amor, que bom seria!

Com trabalho, pão, habitação, educação, tínhamos um Mundo são, sem eles não

Terceiro milénio, com todo o nosso génio, vivemos com medo

Viajo no espaço com petróleo e aço, a fome mata as crianças, nada faço

Com tanta sabedoria, recorro à alquimia, para curar a pneumonia

A criança gemia, a pedofilia não existia, agora está na ordem do dia

Com a internet, que belo desafio, poder ver o mundo, sem fio

No terceiro milénio, quem admitiria, que tanta gente, de fome, morreria

Com tanta tecnologia haver analfabetos é uma anomalia

Estão impedidos de ler a magia

Embalado pelo mar, na Europa nasceu um povo plebeu, que tudo ao Mundo deu.

 

José Silva Costa

 

 

01
Set20

Setembro

cheia

Olá, Setembro

Bem-vindo

Como te estou grato e contente

Por me teres expulsado dum ventre

Para uma grande aventura, até ao presente

Viver é  uma grande experiência

Que requer a ajuda de muita gente

De uma mãe sempre presente

Que passa por dores, que só ela sente

Para ela, o mais importante, é proteger a sua semente

Dar vidas à vida é o melhor presente

Querido setembro foste o primeiro a abraçar-me

Foste o primeiro a levar-me a ver o sol e o luar

Como poderia deixar de estar grato, depois de tanta simpatia

Nunca te esqueço, em cada ano, em cada dia

Gosto muito da tua bonomia

Festejamos juntos, dois dias!

O que vim ao mudo

O que casei com uma flor para celebrarmos o amor

Para adorarmos a lua e beijarmo-nos na rua

Abraçados, vencemos o passado

Continuamos, no futuro, esperançados.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

22
Jun19

Verão

cheia

Verão

Chegaste cansado

Deixas-te o calor noutro lado

Vem mais devagar

Só daqui a um mês chegará

Trouxeste contigo o São João

Com arquinho e balão

Para um fim-de-semana prolongado

Mas não te perdôo, por não teres trazido o calor

Para poder ir à praia

Estamos, ou não, no Verão!

A quente estação

Por quem tantos anseiam

Com quem sonham durante um ano

Para voltarem ao doce descanso

A disfrutarem do brilho do campo

Tornando a vida num encanto

Para suavizar a dura luta do dia-a-dia

Que se tornou numa angustiante correria

Acelerada ao ritmo da economia!

Assim, gastamos a nossa vida

Na esperança de um dia

Concretizarmos o que deveria ser feito ao longo dos anos

E, se esse dia chegar, vamos verificar

Que a falta de vigor, já nãos permitirá

Fazer o que tanto sonhámos, mas adiámos.

José Silva Costa

22
Fev19

Os meus vizinhos!

cheia

A Natureza

A um mês da Primavera

Os meus vizinhos andam numa roda-viva

Ainda o sol está ensonado, e nem, os olhos, tem esfregado

Já, elas e eles, andam numa correria e cantoria

Andam a escolher os parceiros e as parceiras

Tanto elas como eles tentam encontrar a parceira ou o parceiro ideal

A Natureza não espera! Apesar e andar um pouco perturbada, ainda tem alguns ciclos definidos

Assim, à medida que o inverno dá sinais de abrandar e a primavera preste a chegar, os meus vizinhos não param de se agitar

Aproxima-se o ciclo de reprodução

O acasalamento tem o seu tempo e encantamento

Matinais melodias, despiques e correrias

Eles procuram os pontos mais altos

Para melhor difundirem as mensagens

Acasalados, segue-se a construção dos ninhos

Fecundação dos ovos, pô-los, chocá-los

Está, um novo ciclo de vida, iniciado

Perdizes e perdigões são os meus vizinhos foliões.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

27
Out18

Uma só noite!

cheia

Vigésima quinta hora

 

No frio do tempo

Escondo o meu peito do vento

No teu apertado abraço

Enquanto planto flores

Nos teus rubros lábios

Na noite fria, com sabor a magia

Vamos florir a alegria de mais uma hora

Vamos beijar-nos pela noite fora

Neste dia da vigésima quinta hora

De muito frio lá fora

Mas os nossos corações fervem de emoções

No quentinho das nossas imaginações

Onde depositamos todo o tempo das horas

Que juntos, gastamos, que não quantificamos

Que se evaporam com a luz do luar e o brilho do teu olhar

Mal nos deitamos já a manhã o dia está a anunciar

Hoje, temos mais uma hora para saborear

Beijemo-nos atá o dia chegar.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

21
Ago18

VOZ

cheia

Miguel Torga

 

Coimbra,6 de Abril de 1943

 

 

                                           VOZ

 

Era o céu que sorria nos seus olhos.

Eram junquilhos trémulos aos olhos,

As flores do rosto que eu beijava.

Fresca e gratuita como um hino à lua,

Nua,

Era um mundo de paz que se entregava.

 

Oh! Perfume da Vida! - gritei eu.

Oh! Seara de trigo por abrir,

Quem te fez todo o pão da minha fome?

 

Mas os seus braços, longos e contentes,

Só responderam, quentes:

   - Come

 

24
Jun18

O envelhecimento!

cheia

Verão

 

Verão: calor, mais horas de sol, praia, mar

Férias, amigos, descompressão, amar

Viagens, convívio, matar saudades, sonhar

Reencontros, festivais, namoros, folia

Uma estação de muita acalmia

Com a natureza numa grande bonomia

Com as noites a fazerem de dia

Com os relógios, também, a fazerem férias

A redimirem-se dos onze meses, que nos atormentam

Não nos deixando acabar o sono

Sempre a lembrarem-nos que as vinte e quatro horas diárias

Não chegam para nada, a não ser para nos cansarem

São elas que nos envelhecem!

Sempre a pressionarem-nos, não nos deixando fazer o que gostamos

Sempre a lembrarem-nos que temos compromissos

Que temos e devemos ser pontuais

Porque quem nos espera não pode esperar mais.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub