Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

20
Mar19

Flores

cheia

A Primavera está a chegar

Já abri a porta para ela entrar

Esta noite, comigo se vai deitar

Minha amante virtual

Há quanto tempo te esperava!

Para nos encontrarmos no meu quintal

No roseiral, bem pertinho de onde vais morar

Para o teu perfume, a todo o momento, saborear

Temos três meses, para namorar

Não queres, para sempre, ficar

Preferes vir todos os anos

Jovem, fresca, airosa, mimosa, disfarçada de Rosa

A rebentar de perfume por todos os poros

Para encantares os meus olhos

Que tanto admiram a tua formosura

Todos os anos o mesmo encontro

Com mais ou menos sol, com mais ou menos chuva, com mais ou menos frio

Como gostava que os teus olhos fossem um rio

Que nos trouxessem a chuva de que tanto precisamos

Para que as tuas flores não desfaleçam.

José Silva Costa

06
Out18

Concursos

cheia

Professores

Para ser professor, devia ser exigido um pouco de cultura geral

Num concurso, na RTP1, um professor de geometria descritiva não conseguiu dizer o que era um bando

Quanto a uma manada, alvitrou ovelhas

Não conseguiu ganhar três mil euros, porque não sabia, em quatro hipóteses, quantos litros tem um metro cúbico!

Há dias, penso que foi o senhor Ministro do Ambiente que sugeriu que a faturação do consumo de água passa-se a ser emitida em litros, em vez de metros cúbicos

Senhores Presidentes de Câmara, alterem, quanto antes, a faturação do consumo de água, para que todos tenham a noção dos litros de água, que consomem por mês, já que em metros cúbicos, nem todos se aperceberão da quantidade de água que consomem.

 O ambiente agradece.

José Silva Costa

06
Ago18

Verão

cheia

Noites escaldantes

 

Nestas noites escaldantes de verão

Vamos, de mãos dadas, esperar as estrelas

Peneiras, com os dedos, toda a sua beleza

Umas mais brilhantes, outras menos

Como os terrestres!

Adormecemos como as flores campestres

Olhando um para o outro

Tentando que o nosso brilho não esmoreça

No outro dia, quando acordamos, está tudo igual

Já não nos lembramos dos sonhos

Nem daquele tempo intemporal

Se não fosse aquele tempo irreal

Em que nos libertamos dos mortais

Como seria difícil aguentar tantos dias e horas iguais!

Nesses poucos minutos ou segundos

Viajamos a todos os locais

Sem nos cansarmos, tão juntinhos!

Tentamos segurar aquele tempo

Mas ele desaparece, por entre os dedos

Não dando tempo para contarmos

Um ao outro, os nossos segredos.

 

 

José Silva Costa

 

 

 

 

09
Out16

A seca

cheia

12/02/2005

 

A seca

O dia é de primavera

A noite de Inverno

A chuva não aparece

Tudo, com o frio, esmorece

Não há erva, nem trigo

As pessoas e os animais

Sob o mesmo castigo!

Que a água falte no verão

Já o Alentejo está habituado

Mas em pleno inverno

É arder no inferno.

Os ovinos e bovinos

Com os focinhos

Varrem os campos

Acariciam o chão

Tudo em vão

Morrem de fome

Naquela que era a melhor estação.

Os Montes outrora, caiados,

Estavam repletos de gente

Agora, todos, desboroados.

Nem a liberdade!

Com os seus progressos:

Estradas, água, luz

Conseguiu evitar a debandada

Porque chegou atrasada.

As modestas habitações

Completamente desventradas

Com as partes íntimas

Em exposição:

Ao vento, ao sol, à lua

Num silêncio estarrecedor

Ouvem-se as almas reclamar,

Porque a iluminação pública

Passa a noite a incomodar

Quem, em vida, só tinha o luar!

Que tristeza observar

As velhas pedras a chorar

Por não terem quem agasalhar:

Nem mulher, nem homem

Nem cão, nem gato, nem pardal.

Assusta, o barulho das oliveiras, sobreiras e azinheiras

A sonharem com uma gota de água.

 

 

José Silva Costa

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D