Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

cheia

cheia

22
Jan18

O nascimento de uma Escola

cheia

O nascimento de uma Escola       (1)

 

 

Estávamos em Outubro de 1951

 

José teve a sorte de ter sido criada uma escola, num monte a um quilómetro do monte onde vivia, o que fez com que entrasse para a escola com seis anos.

No Lobato, alguém ofereceu uma casa com duas ou três divisões, para ali nascer uma escola

Três ou quatro professoras foram ver o local, para onde iriam trabalhar, mas só a última aceitou criar uma Escola, numa casa particular, com quatro paredes, seis ou sete cadeiras, uma ou duas mesas, nada mais!

A professora era uma jovem muito determinada e apostada em tirar as crianças dos trabalhos no campo, para que aprendessem a ler e escrever.

Eram pouco mais de meia dúzia, de varias idades, entre os seis e os onze anos.

Poucos pais tinham a perceção de que mandar os filhos à escola era o melhor para o seu futuro. Eles não tinham ido à escola e conseguiam governar a vida. Portanto, ainda não se tinham apercebido de quanto era importante saber ler e escrever.

Passado um ou dois meses, a professora vendo que não apareciam mais alunos, decidiu ir com eles até ao Monte Santana, para informar os pais, de que era obrigatório mandar os filhos à Escola.

Foi uma manhã diferente: a professora à frente, os alunos atrás dela, por um caminho, que ligava as duas povoações. A imagem era a de uma galinha com uma ninhada de pintos a tentarem aninharem-se debaixo das suas asas.

A meio caminho encontraram um homem e o filho a trabalharem numa horta. Pararam, cumprimentaram-nos, e a professora questionou o senhor, perguntando-lhe se sabia que era obrigatório mandar o filho à Escola? O pai do rapaz disse: “ se a senhora lhe der de comer”

Sem trocarem mais palavras, seguiram para o Monte Santana, onde a professora tentou, junto de mães e país, sensibilizá-los para a importância de mandarem os filhos à Escola.

Os primeiros dias de aulas foram para aprender a escrever as vogais e os algarismos. Mas, José não encarreirava com o número nove: a professora dizia-lhe que era uma bolinha com um pauzinho do lado direito, e ele colocava-o do lado esquerdo, fruto de lhe terem, em bebé, atado o braço esquerdo ao pescoço, para que não fosse canhoto? A professora resolveu o problema dando-lhe uma palmada, o que fez com que não voltasse a colocar o pauzinho do lado direito, mas o sentido de orientação não teve conserto, ficou baralhado, para o resto da vida!

Tudo corria normalmente, até que numa manhã, por volta das dez horas, uma rapariga pediu à professora para ir lá fora, o que significava ir fazer as necessidades. Mas, a professora não a autorizou porque estava quase na hora do intervalo, pouco depois a rapariga abriu as pernas e regou a sala de aulas. De seguida a professora mandou todos para o recreio, sem qualquer referência ao sucedido. Nem os rapazes, nem as raparigas usavam cuecas: elas usavam vestidos e eles calças ou calções!      (continua)

 

 

José Silva Costa

 

 

14 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D