Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

cheia

cheia

27
Out22

A sedutora

cheia

Lisboa! A sedutora

 

(1)

Na dura e incerta vida do campo, onde nunca se sabe com que contar, aquando das colheitas, mas tendo como certo o duro trabalho das sementeiras, os jovens sem perspetivas de uma vida diferente da dos seus pais e avós, à medida que foram tendo acesso à escola, à vida militar, procuraram, na sedutora Lisboa, uma vida melhor

Todos ambicionavam um emprego com um ordenado certo, sabendo com o que contar ao fim do mês

Foi o princípio do despovoamento do interior que, até hoje, ninguém conseguiu inverter

Quando, de férias, voltavam às suas terras, bem vestidos, contando só casos de sucesso, escondendo as duras vidas, que muitos passaram, antes de conseguirem um emprego, fazia com que os que continuavam nos duros trabalhos dos campos, de sol a sol a guardarem o gado, ao frio e à chuva, quisessem também ir para Lisboa

Rapazes e raparigas desdobravam-se em contatos com quem conheciam e sabiam que estava em Lisboa, na tentativa de conseguirem que lhes arranjassem um emprego, e os que não tinham a quem recorrer, apanhavam um comboio ou a camioneta da carreira para a capital

Chegados à grande cidade, começavam as dificuldades: onde comer, onde dormir ……..

Tinham de se desenrascar, entravam nos estabelecimentos, procuravam se precisavam de um empregado, fossem mercearias, talhos, alfaiatarias, restaurantes, tabernas, olarias ……….. 

Infelizmente, muitos passaram por grandes dificuldades, mas não desesperaram, houve quem conseguisse ganhar a vida, vendendo uma caixa de fruta, por dia, (bananas, laranjas, morangos ….) numa esquina com movimento, a um preço convidativo, de que todos gostamos, com a ajuda de uma balança mal aferida ou mal utilizada, muitas vezes só olhamos para o preço, e não para o peso, gostamos muito de pechinchas.

 

Continua

    

 

 

 

 

34 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2011
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2010
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2009
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2008
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2007
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub