Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

18
Jul24

O Império

cheia

O Império  -  As teias que o Império teceu

70

Macau foi uma colónia e, posteriormente, uma província ultramarina sob administração portuguesa desde1557 a 1999

Só em 1887 é que a China reconheceu oficialmente a soberania e ocupação perpétua portuguesa sobre Macau, através do Tratado de Amizade e Comércio Sino- Português

Em 1967, como consequência do Motim 12-3, que marcou a revolta de residentes chineses de Macau a favor dos comunistas, em 3 de 1966, Portugal renunciou à sua ocupação perpétua de Macau. Em 1987, após intensas negociações entre Portugal e a República Popular da China, os dois países acordaram que Macau voltaria para a soberania chinesa no dia 20 de dezembro de 1999. A Região Administrativa Especial de Macau é constituída pela península de Macau e por duas ilhas: Taipa e Coloane. Após a ligação feita por meio de um aterro, o istmo de Cotai, Macau ficou com a superfície de 28,6 km2.  (Wikipedia)   

A Marina e o Roberto devido ao aproximar do fim do ano letivo e a chegada do bebé decidiram que estava na altura de aceitarem o convite da Anastácia, para irem viver com ela

Quando lhe comunicaram que tinham decidido ir viver com a Anastácia, esta ficou felicíssima, havia muito que esperava vê-los a partilharem o seu teto, queria ajudá-los, o mais que pudesse, porque temia que a Marina não aguentasse tanto esforço, não queria que acontecesse nada que pudesse prejudicar a futura mamã ou o bebé

A vontade dela era falar da decoração do quarto do bebé, do seu enxoval, mas sabia que toda a atenção da Marina estava focada nos estudos, nos exames, na passagem de ano

Assim, tudo fazia para que ela se dedicasse aos estudos, depois teriam muito tempo para tratarem de tudo o que fosse preciso para receberem o bebé

A Marina queria brilhar nos estudos, mas não queria prejudicar o seu bebé, tentou sempre conciliar as duas, fazendo uma vida muito regrada, sabia, como sabem todas as mães, quão importante era os bebés nascerem saudáveis

O quente verão, a queima das fitas, as serenatas tornam Coimbra, numa cidade única, mas a Marina e o Roberto não tinham tempo para apreciarem esses grandes festejos, estavam muito ocupados com os estudos e a chegada do seu bebé, queriam ter o melhor resultado nos estudos, para terminarem as suas licenciaturas o mais depressa possível, porque queriam voltar à sua terra e abraçar os seus familiares, que não estavam menos ansiosos que eles

Para a Marina, aquele seria um verão inesquecível: a azáfama dos estudos, a barriga que não parava de crescer, o enxoval para o bebé não lhe davam descanso

A Anastácia respirava alegria por todos os poros, estava muito feliz por poder ajudá-los, queria era vê-los felizes, contava as horas e os dias, que faltavam para que eles estivessem livres dos exames, para depois, os três se dedicarem de corpo e alma aos preparativos para receberem o bebé

Os professores e os colegas da Marina admiravam-na pela sua simplicidade, pela sua boa disposição, apesar de muito lhe pesar a barriga, estava sempre inundada de alegria, mostrando bem a felicidade, que o bebé lhes traria.

 

Continua

 

 

12
Jul24

O Império

cheia

O Império  -  As teias que o Império teceu    

68     

Ontem, por lapso, saltei esta página. Às leitoras e leitores, peço  desculpa.

 

Na sua segunda viagem, Vasco da Gama partiu para a Índia com 15 navios e 800 homens, chegaram a Calecute a 30 de outubro de 1502, onde o governador estava disposto a assinar um tratado

Gama exigiu que fossem expulsos todos os muçulmanos de Calecute, exigência que foi veemente rejeitada. Bombardeou a cidade, capturou vários navios de arroz e voltou para Portugal em1503

A 25 de Março de 1505, D. Francisco de Almeida foi nomeado vice-rei da Índia. O Estado Português da Índia foi constituído e 1505 com a nomeação do primeiro vice-rei, inicialmente estabelecido em Cochim. Em 1510, recebeu o nome oficial de Estado Português da Índia devido à expansão territorial efetuada por Afonso de Albuquerque, que conquistou Goa, passando a ser a sede da presença portuguesa no subcontinente indiano.

        

Como combinado, no domingo, a Marina e Roberto chegaram pelas onze horas a casa da Dª. Anastácia, foram mais cedo, não fosse preciso ajudá-la na preparação do almoço

Quando os viu, ficou radiante, havia muito tempo que aquela casa só a via a ela, finalmente, ia ter uma nova vida: um casal jovem para lhe dar alegria, e depois um bebé, que lhe daria ainda mais vida e mais alegria

Foi mostrar-lhes a casa: um corredor, uma salinha, quatro quartos, uma casa de banho,  uma cozinha e um saguão, ficaram encantados com a casa, deram-lhe os parabéns, pela bonita casa

Os olhos de Anastácia brilharam, por verem como eles ficaram felizes, por irem viver com ela, que família mais bonita, pensou ela

Da cozinha vinha um cheiro a comida, que abria o apetite. A Marina, sem querer, já lhe tinha revelado o prato favorecido deles, quando no café falaram em petiscos portugueses e petiscos angolanos

Assim, Anastácia, que era uma boa cozinheira, preparou-lhes o prato de que tanto gostavam, como fazem as mães, quando os filhos as visitam, para almoçar ou jantar, preparam o petisco de que eles mais gostam, para que voltem muito mais vezes, para partilharem da felicidade deles, para ouvirem mais uma vez: “ não há comida mais saborosa do que a da nossa mãe”

 Depois do almoço, a anfitriã pediu-lhes para escolherem o quarto deles e o do bebé, confidenciou à Marina, que iria começar a fazer o enxoval para o bebé

A Marina pediu-lhe para não se preocupar, depois iriam as duas comprar o enxoval,  mas a Anastácia disse-lhe que fazia questão de fazer  as botinhas e os gorros, em lã, para que ele não tivesse frio

A Marina lembrou-lhe que ele nasceria no verão, mas a Anastácia chamou-a a atenção de que ele enfrentaria uma grande diferença de temperatura, quando nascesse, assim, era preciso ser muito bem agasalhado, principalmente na cabeça e nos pés, que é por onde se perde mais temperatura

A futura mamã ficou muito contente e descansada por ter uma boa ama, para o seu bebé, mesmo nunca tendo filhos, parecia saber muito bem tomar conta de crianças

A seguir saíram os três, foram dar uma volta pela cidade e lanchar, estava um dia radioso, as esplanadas estavam cheias de gente, que aproveitava as últimas horas de domingo, para porem a conversa em dia

A Anastácia perguntou-lhes quando pensavam mudar-se lá para casa, responderam-lhe que não levasse a mal, se fosse preciso iriam todos os dias vê-la, mas queriam aproveitar os últimos tempos a dois, porque com o nascimento do bebé tudo mudaria.

Continua

 

 

11
Jul24

O Império

cheia

O Império  - As teias que o Império teceu

69

Foi um domingo perfeito, todos estavam muito contentes:para os futuros pais, porque tinham  "uma mãe para eles e uma avó para o seu bebé", para a Anastácia, porque tinha, novamente, uma família. Assim que a Marina e o Roberto decidissem ir viver lá para casa, esta deixava de ser uma casa sem vida e passaria a ter muita alegria

Os seus rostos mostravam toda a felicidade, que o dia lhes tinha proporcionado, não podendo ficar por mais tempo, porque no dia seguinte tinham aulas muito cedo, despediram-se da sua grande amiga, com a promessa de visitá-la sempre que pudessem, enquanto não se mudassem lá para casa

Havia muito tempo que não se sentiam tão felizes, uma das maiores preocupações tinha acabado, já tinham quem cuidasse do bebé, e ainda por cima não precisava de ser arrancado da cama, como acontece a muitos bebés, que têm de ser levados de um lado para outro, para que os pais possam ir trabalhar

Era muita a euforia, mal chegaram a casa decidiram dar a boa notícia aos pais. Ela escreveu uma carta para o pai, e ele para a mãe, dizendo-lhes tudo de bom lhes tinha acontecido, pedindo para não se preocuparem, porque o bebé ficaria muito bem entregue

Acrescentaram que estava previsto para junho o seu nascimento, do que os informariam, dizendo se era menino ou menina

Para eles, a principal preocupação estava resolvida, dali em diante podiam dedicar-se exclusivamente aos estudos até à chegada do bebé

Mas, para a Marina a vida continuava complicada, à medida que se aproximavam os exames, também o bebé se preparava para nascer, nada que a fizesse desistir dos seus objetivos.

A sua determinação e inteligência faziam que continuasse a ultrapassar todos os obstáculos, continuava esperançada que iria obter bons resultados na frequência do primeiro ano da Universidade, e que teria, como recompensa de todo o seu muito esforço, um bonito e saudável bebé que, os ocuparia numas férias escolares diferentes, dando-lhes, também, muitas alegrias

O novo ano escolar, também, seria muito exigente: amamentá-lo, continuar com os estudos, cuidar dele, dar-lhe banho, o que é sempre complicado para os inexperientes pais, valia-lhe ter a ajuda da Anastácia, e isso tranquilizava-a   

 

A adaptação dos portugueses ao clima da Índia não foi fácil, as temperaturas a rondar os cinquenta graus positivos eram insuportáveis, todas as ideias que contribuíssem para o arrefecimento do corpo eram bem-vindas, uma que foi muito utilizada consistia em colocar  recipientes com água, debaixo das mesas das salas de jantar, onde colocavam os pés enquanto tomavam as refeições ou conviviam

Os portugueses, com Afonso de Albuquerque a fazer o que Pedro Alvares Cabral tinha

sugerido: aterrorizar os orientais de tal maneira, que nos temessem, mesmo que estivéssemos em inferioridade numérica

Foi isso que fez com que mantivéssemos o Estado Português da Índia até 18 de Dezembro de 1961, quando o primeiro-ministro da imensa União Indiana, Pandit   jawaaharlal Nehru mandou por fim a uma história de 451 anos

A Índia tinha obtido a sua independência da Inglaterra em 1947. 

 

Continua

 

 

04
Jul24

O Império

cheia

O Império  -  As teias que  o Império teceu

67

Estado Português da Índia

Vasco da Gama atracou em Calecute, em 20 de Maio de 1498, conseguiu assegurar uma carta de concessão para as trocas comerciais com o Samorim, o governador de Calecute

Os portugueses estabeleceram um porto comercial, mas foram incapazes de pagar os direitos aduaneiros dos seus bens em ouro

Mais tarde, funcionários de Calecute detiveram temporariamente agentes de Vasco da Gama, como garantia de pagamento. Isso irritou Gama, que levou alguns nativos e dezasseis pescadores com ele pela força, A expedição foi bem-sucedida, levando carga com valor sessenta vezes o custo da expedição

A frota de Pedro Álvares Cabral chegou a Calecute a 13 de setembro de 1500, obteve autorização para instalar uma feitoria e um armazém na cidade-estado

Em meados de dezembro, a feitoria foi atacada por cerca de 300 homens, 50 portugueses perderam a vida, os restantes retiram-se para os navios, alguns a nado

Cabral esperou 24 horas por um pedido de desculpas, que não chegaram, mandou atacar 10 navios mercantes dos árabes, ancorados no porto

Mataram cerca de 600 tripulantes, confiscaram o carregamento, antes de incendiar os navios

Cabral também ordenou que os seus navios bombardeassem Calecute durante 24 horas, mas percebeu que tinha poucos homens, regressou a Portugal, com a convicção que seriam sempre poucos em comparação com os indianos

Queria que aquela traição fosse punida de modo a que os portugueses fossem temidos e respeitados no futuro

Disso encarregou-se Afonso de Albuquerque, que conquistou Goa, tornando-a na sede do Estado Português da Índia

A Marina e Roberto, depois do encontro, no café, com a viúva Anastácia, ganharam uma nova vida

Convidou-os para almoçarem, no domingo a seguir, na sua casa, que ficava muito perto da Universidade, queria que vissem as condições da casa, para onde iriam viver com o seu bebé

Assim foi, passaram uma semana a pensar no casual encontro, e em como tudo seria diferente

Já não precisavam de se preocupar em arranjar com quem deixar o bebé, ainda por cima,  iam viver com uma senhora, que os ajudaria a criá-lo, nem queriam acreditar no que lhes tinha acontecido

Até parecia que a semana não tinha fim, tal era a ansiedade de confirmarem tudo o que aquela mulher lhes tinha dito, parecia ser sorte a mais, não se conheciam de lado nenhum

Mas tudo levava crer que, era uma senhora muito boa, tinha pena de não ter tido filhos, enviuvara ainda muito nova, não voltara a casar, como era normal naquela época, tudo parecia dar certo, não devia ter dificuldades financeiras, atendendo a como estava vestida, nem falou de qualquer recompensa por tudo o que oferecia.

Continua

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub