Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

29
Set22

Resto do vento!

cheia

Restos do verão!

 

Dias de sol radioso

Outono risonho

Um tempo de sonho

Sem muito frio, nem muito calor

A apelar ao amor

Que é uma bonita flor

Para beijarmos nestes dias de cor

Em que a Natureza nos estende tapetes de seda

Despindo as árvores para hibernarem no inverno

Ressuscitando-as, com novas cores e flores, na primavera

Aproveitemos estas longas noites

Para ver a lua e as estrelas

Escutar o escuro da noite

O silêncio do descanso do sono

Ver a cidade deitada

Tranquila e apagada

Cada um preso à sua amada

À espera da alvorada

Para mais um dia de agitação

Para sustentar a Nação

Dizem, que essa é nossa obrigação

Nós não concordamos com essa noção

Vamos ficar aqui agarradinhos a ver passar a madrugada

Depois vamos deitar o sono

Não queremos saber da alvorada

Para nós, a noite é só nossa.

José Sila Costa

 

 

 

 

23
Set22

A longa caminhada!

cheia
Na emergência da cidadania
 
Constituição de 1822
Há duzentos anos, tal como hoje os povos continuam a lutar pela liberdade e igualdade
Foram precisos mais 154 anos, para que as mulheres portuguesas consguissem obter o direito ao voto!
Graças à revolução do 25 de Abril de 1974 
Infelizmente, ainda, serão precisos muitos séculos, para que todas as mulheres consigam
obter direitos iguais aos dos homens
Mas, as lutas não param. Hoje, no Irão, amanhã no Afeganistão, e todos dias em todo mundo.
 
Muito obrigado a todos os que lutaram e deram a vida pela Liberdade.
 
José Silva Costa
  
 
 
19
Set22

Ventos azuis!

cheia

Ventos azuis!

 

Ventos azuis sopram do firmamento

Setembro é um bom momento

Para apreciar o sol em movimento

As rosas perfumam o encantamento

Nas ruas há pessoas a viverem ao relento

Ninguém sabe disso no Parlamento

Foi uma grande prioridade, mas foi um pequeno arrebatamento

Depois, o promotor deixou-a cair no esquecimento

Foi como quem olhou para um catavento

É preciso não embandeirar em arco e estar atento

As promessas leva-as o vento

Prometem tudo para conseguirem um assento

Escondem-se atrás de um argumento

Cada vez há mais a viverem à sombra do Orçamento

Ganhar a vida é tão violento!

Tanto trabalho para tão pouco sustento

Uma perfumada flor pode-nos causar algum deslumbramento

Mas, mal murche cai no esquecimento

Noites lisas como quem vive num convento

Onde não entra o entendimento

Tudo é um imenso regulamento

Que não deixa ver a lua, nem escutar, do coração, o batimento

Um pequeno alívio para um grande sofrimento

Mais-valia nunca ter entrado em tal evento

O tempo é o melhor ensinamento

Não há nada que pague a liberdade de pensamento.

 

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

09
Set22

Precisa-se

cheia

Precisa-se

Precisa- se de um consultor com currículo adequado para o Ministério das Finanças

Se já tivessem encontrado o consultor adequado, o primeiro-ministro não teria perdido meio-dia, em Faro, para conseguir convencer os jornalistas de que não há manigâncias nos apoios extraordinários

O ministros da finanças pediu aos portugueses para atualizarem o seu IBAN ( International Bank Account Number)  nos serviços públicos

Não disse como receberão os apoios extraordinários, os que não têm conta bancária

Nem os jornalistas lhe perguntaram, para mim, uma falha grave, do nosso bom jornalismo!

Fiquei convencido de que ambos vivem num Portugal onde todos têm cartões de débito, de crédito, e desconhecem que haja quem não os tem

Está mais que justificada a contratação e a elevada renumeração do indispensável consultor

Foi pena a más-línguas terem feito cair a tão necessária contratação

Com tantos requisitos, não sei se algum dia vão encontrar outro consultor com o currículo adequado

Até lá são os ministros que terão utilizar o seu latim, para tentarem convencer as pessoas de que tudo o que estão a fazer, são maravilhas!

Muito obrigado, por todo o esforço, que fizeram, para nos darem tão grande apoio extraordinário!

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

05
Set22

77!

cheia

77!

Hoje, estou de parabéns, faço 77 anos

Ainda que o cartão de cidadão diga que é no dia 15

Antigamente eram precisas duas testemunhas para se registar uma criança

Tinham um prazo de 30 dias para o fazerem, sem multa

Eramos muito pobres, a minha mãe esteve à morte, sem assistência especializada, perdeu muito sangue, um curandeiro, ainda, lhe receitou uma sangria

Quem não conseguia cumprir o prazo, a alternativa, à multa, era alterar a data de nascimento

A mim foram 10 dias, mas ao meu irmão, a seguir a mim, foi de 17 de Julho para 10 de setembro

Quando registei a minha filha mais velha, ainda, tive de ir acompanhado dos padrinhos dela, para os outros, já não foi preciso

Mais uma capicua

Sete capicuas!

Em 2 séculos

Tantas transformações, avanços científicos e tecnológicos

Poucos períodos da História terão sido tão ricos em acontecimentos e transformações

Primeiro os automóveis, só para alguns, depois para todos

 A telefonia sem fios, a televisão, os eletrodomésticos, a viagem à lua, viver no espaço

Os computadores, o faxe, os telemóveis, as redes sociais, a facilidade nas comunicações

O acesso às notícias e a tudo o que se passa ao nosso redor e no mundo

A telefonia sem fios foi a primeira maravilha do meu tempo

Pode ser ouvida em qualquer lugar e em qualquer momento

Mas a imprensa é consistente, é palpável e pode guardar-se

Daí, a eterna magia que os livros têm

Antes das notícias ao segundo, havia jornais matutinos e vespertinos

E, quando os acontecimentos o justificavam, tiragem última hora

Os eletrodomésticos contribuíram para uma grande revolução, fazendo com que reduzisse, em muito, a quantidade de criadas domésticas

Quando fui para Lisboa, em Maio de 1958, havia muitas mulheres que não trabalhavam, nem em casa nem fora, tinha 1,2,3 ou mais criadas, conforme os rendimentos

Mas, o tempo encarregou-se de mudar tudo, e hoje, é o que se sabe, são poucas as que não trabalham fora e dentro de casa

Estou muito grato por já ter assistido a tantas mudanças, uma das mais importantes foi a queda do império, depois de ter sido obrigado a ir para a guerra, em Angola, entre 1969 e 1971.

 

José Silva Costa

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub