Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

27
Ago21

Monte da Lua

cheia

Monte da Lua

 

Monte da lua, a mais bela serra

A mais romântica, a mais verde

A mais bonita, a mais monumental

A princesa do Atlântico, um sítio romântico

Desço as tuas encostas, por entre árvores frondosas

Centenárias, testemunhas de séculos

De tantos namorados, de tantos beijos roubados

Nas muitas fontes enamoradas pela lua

Que, ao longo dos séculos, já saciaram

Tanta sede de amor de água fresca

Em cada recanto um encanto e beleza

Na delicadeza dos teus monumentos

Lá do alto, ao Atlântico, tanto encanto

O Castelo dos Mouros, o Palácio Nacional da Pena

O Santuário da Peninha, o Parque e Palácio de Monserrate,

O Convento dos Capuchos, a casa da Condessa de Cadaval

Homenageada com a atribuição do seu nome ao Centro Cultural Olga Cadaval

Chego a Colares, com os seus chalés

A dizer-nos que já foi sede de Concelho

Que o seu nome se deve ao facto da Rainha ter deixado cair os colares ao rio

Na Praia das Maçãs, na esplanada do restaurante “flor da praia”, José Malhoa pintou o quadro “ Praia das Maçãs 1918”

Mais à frente a casa e a igreja de Alfredo Keil

Já a caminho das Azenhas do Mar, a casa de Alberto Totta

 Mais um republicano, que fez com que fosse construída a linha do elétrico, entre Sintra e Azenhas do Mar, e a Escola Oficial das Azenhas do Mar, como, ainda hoje, os azulejos, na fachada, indicam

Não me canso de te calcorrear de baixo a cima, e encontro, sempre, novos encantos.

José Siva Costa 

 

23
Ago21

Os dias

cheia

Os dias

O sol a declinar

Os dias a encurtar

O agosto a voar

As férias a passar

Mais um ano a trabalhar

Para ver o agosto a chegar

Para os amigos encontrar

E, o mar, visitar

E a todos cumprimentar

Dias devagar

Sem hora para chegar

Ver as flores a namorar

Sobre um sol de rachar

É agosto para recordar

É o sonho, ano após ano

Ninguém vai ao engano

Cada um é soberano

De se vacinar ou não

Não exijam garantias

Porque ninguém as pode dar

Se quiserem esperar

Dez ou vinte anos

Saber-se-ão os resultados

Da vacinação

Por agora, ou se arrisca ou não

Para vacinarem a minha família

Utilizaram todas as marcas autorizadas: 4

Há quem não se queira vacinar

E, nós temos de respeitar.

José Silva Costa

16
Ago21

A calma

cheia

A calma

Ruas perfumadas, flores caiadas

No calor da cal branca das casas

O sol fica nas entradas

Enquanto os habitantes

Dormem a sexta acalorada

Na hora da sexta o sol queima o ar

Ninguém o consegue respirar

Os 45 graus centígrados queimam as cordas vocais

Os postigos, de castigo, ficam fechados

Até a calma passar

Só mais tarde voltam aos poiais

 Para porem as notícias em dia

Não há jornais nem telefonia

São os vendedores ambulantes, que as trazem

Frescas ou atrasadas, são com atenção escutadas

Todas as populações gostam de estar informadas

Na lonjura das estradas as notícias ficavam desgastadas

Mas, para quem não as conhecia, estavam, sempre, em dia

Nos tempos em que o mundo dormia

Não se vivia na agonia de ver desgraças todo o dia

As de mais longe nem se sabia

Tudo, a outra velocidade, corria

 Não, por todos, se sofria

Como, hoje, acontece.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

11
Ago21

Férias 2021!

cheia

Férias 2021

Na era da internet

Com o simplex

Com as vacas voadoras

E, algumas tiradas bacocas

O Governo oferece aos portugueses

Novos locais para passarem o agosto

As ojas do cidadão e os registos civis

Com o sol arredado das praias

Nada melhor que passar os dias

Nas filas para obter o cartão de cidadão

Três meses de espera, por marcação

Quem conseguir que lhe atendam o telefone!

As entregas do cartão de cidadão

Também tem sido uma via-sacra

Alguns carteiros, como não têm tempo

Nem sequer tocam à campainha

Deixam o aviso, para irem levantá-lo

À estação dos Correios

Que fica na sede de Concelho

Estes são os ótimos Serviços Públicos, que temos!

José Silva Costa

 

 

 

 

06
Ago21

O clima

cheia

 Clima

 

Campos verdejantes, sementes radiantes

Flores perfumadas por toda a cumeada

Refúgio de tanta bicharada

Habitat de mamíferos, répteis, aves

Um paraíso em perigo

Todos estão preocupados

Com o que está a acontecer noutros lados

Os meteorologistas já estão assustados

Já sabem o que aí vem

Muito calor, incêndios, medos

Se tudo arder, o paraíso vai desaparecer

Ninguém vai ter de que comer

Nem onde fazer os ninhos

Vão ficar sem os vizinhos

Se conseguirem sobreviver!

Ninguém sabe o que está a acontecer

Como nos vamos erguer?

Se não há quem saiba o que fazer

O melhor será tentarmos entender a Natureza

Ou, ainda, melhor respeitá-la.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

04
Ago21

Os jogos olímpicos

cheia

Os jogos olímpicos de 2020

 

04/08/2021

 

Estão quase a terminar

Depois de um ano a adiar

Estiveram para não se realizar

Mas, há boas decisões

Esta foi uma delas

Mostrou ao vírus que não nos vergou

Vamos lutar até nos abandonar

Foi um pôr e tirar máscaras

As imagens ficarão, para o testemunhar

Acalmou os corações

Os atletas puderam brilhar

Depois de um ano de espera

Soltaram as emoções

Abraçaram-se as nações

Tantos sacrifícios, tantos trabalhos

Para uns segundos de ilusões

Que encantam multidões

Foi uma bonita trégua, nas guerras

Mas os ditadores não aderiram

Continuaram a matar os seus concidadãos

Nem o espírito dos jogos olímpicos os humanizaram

Preferem morrer, a deixarem o poder

A chama olímpica vai continuara a arder

Em Paris, em 2024.

 

José Silva Costa

 

 

02
Ago21

Agosto!

cheia

Bem-vindo agosto

Ainda temos de tapar o rosto

Continuas a ser o mês de gosto

Para as férias dos portugueses

Já temos alguma liberdade

Quem mais a reclama é a mocidade

Que só pensa na felicidade

No que a pandemia fez à intimidade

Mas, o medo habita a cidade

Temos de manter o distanciamento

Para não voltarmos ao confinamento

Para manter aberto o estabelecimento

A única esperança é a vacinação

Mas, há quem diga não!

Acho que não têm razão

É tão difícil assegurar o pão

O despedimento é a primeira escolha do patrão

Quando o que vende já não tem aceitação

O empregado é o primeiro a perder o pão

Para a má distribuição não há vacina nem solução.

José Silva Costa

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub