Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

31
Ago20

Adeus

cheia

Adeus, agosto

Vais partir!

Que seja bem-vindo, quem vêm a seguir

O mais belo e doce mês

Oh! Não fosse o meu

Quando, depois das férias, tudo começa

Mesmo que o sol arrefeça

Será sempre, no teu suave embalo

Que chegaremos ao outono

E, assim suavemente, vamos caminhado para o fim do ano

Cada vez menos horas de sol

Gosto tanto deste caminhar

Como é o anoitecer e o amanhecer

Uns meses a subir e outros a descer

É com alegria que vejo a chuva, nos vidros, bater

É a vida a nascer

Em cada gota de água, que a semente vai amolecer

Há a esperança de uma nova vida

Começa a descida até ao Natal

Para o mundo confraternizar

Outro ano começa a rodar

Assim sucessivamente

Até a meta chegar.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

30
Ago20

Ditaduras!

cheia

Turquia: morre advogada há 238 dias em greve de fome para exigir julgamento justo

A morte de uma advogada em greve de fome num hospital de Istambul está a provocar uma onda de indignação entre políticos, activistas, artistas e jornalistas turcos.

curdistao,mundo,justica,recep-tayyip-erdogan,turquia,europa,
Foto
Ebru Timtik, numa foto divulgada pela sua sociedade de advogados ÇHD

Ebru Timtik, presa desde Setembro de 2018 e condenada em Março do ano passado a mais de 13 anos de prisão por pertencer a uma “organização terrorista”, teria em breve o seu caso revisto pelo Supremo Tribunal da Turquia. Morreu um dia depois de várias organizações avisarem que a sua vida estava “por horas, não dias”.

 
27
Ago20

A semente

cheia

A semente

 

Nas asas do teu sonho, deito o meu olhar

Juntos estamos mais perto de voar

Nos teus braços sinto-me como no mar

No vai e vem das tuas ondas, quero-me deitar

Não deixes o nosso barco naufragar

Enquanto saboreio este instante, que quero perpetuar

Não podemos deixar que os nossos sonhos se afoguem no ar

Juntos vamos lutar para os concretizar

Nas nossas mãos temos o futuro e o presente

A esperança que há no teu olhar não o desmente

Juntos vamos fecundar uma semente

Que nos vai fazer sorrir diariamente

Vamos passar a viver em função da sua alegria

Vai-nos ocupar noite e dia

Tudo, na esperança de que um dia sorria

E, depois de muitos meses, calada, a ouvir, para aprender a falar

Acorde, solte a língua e diga: Mãe! Pai!

Palavras de apenas três letras que, de alegria, nos fazem chorar

Sentindo-nos compensados de todas as canseiras, de todas as noites mal dormidas

É uma sensação que só conseguimos sentir, quando somos pais.

 

José Silva Costa

 

 

 

26
Ago20

Vencer!

cheia

Vencer

 

Não nos vamos precipitar

Este vírus vamos matar

Voltaremos, o Mundo, a enfrentar

A esperança está a aumentar

Temos é de nos respeitar

Andar de máscara, fica-nos a matar

Vamos mas é, este medo desatar

O que ele quer é nos amedrontar

Não admitimos que nos queira suplantar

Vamos enfrentá-lo, sem medo

Mas com respeito

Porque é perigoso, este sujeito!

Está a querer tomar conta do mundo inteiro

Como se fosse um gajo porreiro

Vamos é dar luta ao matreiro.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

25
Ago20

Redes!

cheia

As redes sociais

 

Tantas vezes elogiadas

Tantas vilipendiadas

São as mais belas estradas

Por todo o mundo atravessadas

Onde todas as pessoas estão sentadas

A percorre-las, animadas

Por um fio ou satélite, guiadas

Quando bem utilizadas

Tantas amizades encontradas

Tantas mensagens divulgadas

Tantas distâncias encurtadas

Tantas perguntas respondidas

Tantas oportunidades aproveitadas

Tantas ajudas pedidas

Muitas são atendidas.

 

Uma jovem portuguesa, a viver no Reino Unido, fez um pedido nas redes sociais

Quer estudar matemática numa, Universidade, boa

Mas não tem meios, para o sonho concretizar

Conseguiu tocar alguns corações, entre eles, o da cantora Tayllor Swift

Que lhe doou 26.000,00 €

Se conseguir concretizar o sonho

E todos os que a ajudaram souberem

Vai ser um momento de muita felicidade, para todos.

 

José Silva Costa

 

 

 

24
Ago20

O passado

cheia

 

 O passado

 

Agosto, o tão desejado, tão esperado!

Que neste ano diferente, está tão desmaiado

Em que não houve encontros, em que tudo tem de ser feito com cuidado

Procuro-te com a alegria do passado

Mas não te encontro, quem encontro está desconfiado

Os abraços e os beijos, a alegria e os festejos, foi tudo adiado

Tudo tão mascarado e suspirando pelo tempo em que ninguém andava mascarado

Que nunca terá sido tão recordado

Estás quase acabado

Mas, ninguém parece muito preocupado

Suponho que vais ser lembrado, dizendo que nunca devias ter acordado

É triste não ser amado

Mais triste é não ter agradado

Ser, por alguns, odiado

Por teres um encontro encantado, estragado

Meu rico Agosto, sem o brilho imaginado

Sonhas com o tempo em que tudo andava agarrado

Tens de te habituar ao separado

A um cumprimento acotovelado

Sem contato, sem cheiro, muito afastado.

 

José  Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

20
Ago20

A noite

cheia

Amar

 

Vamos nos beijar, sorrir, dormir

A lua derrama, na rua, o seu olhar

Lá fora, o sono, de tanto esfregar os olhos, já dorme

No silêncio, só se ouve o nosso arfar

O resto do mundo já se foi deitar

As estrelas insistem em nos iluminar

Querem, os nossos corações, incendiar

Mas os teus olhos ofuscam o seu cintilar

O seu brilho faz-me enlouquecer

Há um encantamento quando olham para mim

Quero ficar para sempre assim

Deitado no aconchego do teu baloiçar

Como se estivesse a ser embalado pelo mar

Sem calor nem frio, a sonhar

Preso nos teus braços sem me poder soltar

Assim, unidos para sempre

Até o mundo acordar.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

17
Ago20

Petições

cheia

Deixem-nos trabalhar!

Dizem Rui Rio e António Costa

Rio diz, se quere uma petição arranjem 15.000 assinaturas

Costa contrapõe, isso é dar um passo maior que a perna

Passar de 4.000 para 15.000

Vamos fazer um desconto, cobramos só 10.000

Marcelo não aceitou

Disse que isso era dar um sinal errado

Queixarem-se da abstenção

E, depois dificultarem a participação do cidadão

Ao menos deixem-lhe a ilusão

De que contamos com a sua opinião

Já acabaram com a ida do Governo à Assembleia da República

Não querem dar explicações sobre a governação

Sobre os problemas da Europa, nem uma palavra

Logo agora, que estamos a 4 meses de a Presidir

Temos de fingir

Que não queremos que só utilizem as mãos para fazem cruzes, nas eleições

Neste momento, nem futebol lhes podemos dar!

É bom que tenham a perceção de que, é transparente, a Governação

Que foi com a sua apreciação

Que irão pagar a faturação

Da enorme receção

Desde que seja bem embrulhada em palavras cor-de-rosa

Não será tão dolorosa.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

16
Ago20

A revolução

cheia

Está a acontecer na nossa rua e à nossa volta, e ainda não percebemos que a Revolução, uma nova Era já começou!


As pessoas andam um bocado distraídas! Não deram conta que há cerca de 3 meses começou a Revolução! Não! Não me refiro a nenhuma figura de estilo, nem escrevo em sentido figurado! Falo mesmo da Revolução "a sério" e em curso, que estamos a viver, mas da qual andamos distraídos (desprevenidos) e não demos conta do que vai implicar. Mas falo, seguramente, duma Revolução!

De facto, há cerca de 3 ou 4 meses devido ao COVID-19, começaram a dar-se alterações profundas, e de nível global, em 10 dos principais factores que sustentam a sociedade actual. Num processo rápido e radical, que resultará em algo novo, diferente e porventura traumático, com resultados visíveis dentro de 6 a 12 meses... E que irá mudar as nossas sociedades e a nossa forma de vida nos próximos 15 ou 25 anos!

Estamos a viver uma transformação radical, tanto ou mais profunda do que qualquer uma das crises passadas! Está a acontecer na nossa rua e à nossa volta, e ainda não percebemos que a Revolução já começou!

Façamos um rápido balanço da mudança, e do que está a acontecer aos "10 factores":

1º- A Crise Financeira Mundial: desde há 8 meses que o Sistema Financeiro Mundial está à beira do colapso (leia-se "bancarrota") e só se tem aguentado porque os 4 grandes Bancos Centrais mundiais - a FED, o BCE, o Banco do Japão e o Tesouro Britânico - têm injectado (eufemismo que quer dizer: "emprestado virtualmente à taxa zero") montantes astronómicos e inimagináveis no Sistema Bancário Mundial, sem o qual este já teria ruído como um castelo de cartas. Ainda ninguém sabe o que virá, ou como irá acabar esta história !...

2º- A Crise do Petróleo: Desde há 6 meses que o petróleo entrou na espiral de preços. Não há a mínima ideia/teoria de como irá terminar. Duas coisas são porém claras: primeiro, o petróleo jamais voltará aos níveis de 2007 (ou seja, a alta de preço é adquirida e definitiva, devido à visão estratégica da China e da Índia que o compram e amealham!) e começarão rapidamente a fazer sentir-se os efeitos dos custos de energia, de transportes, de serviços. Por exemplo, quem utiliza frequentemente o avião, Vai assistir a uma subida no preço dos bilhetes de... 50% (leu bem: cinquenta por cento). É escusado referir as enormes implicações sociais deste factor: basta lembrar que por exemplo toda a indústria de férias e turismo de massas para as classes médias (que, por exemplo, em Portugal ou Espanha representa 15% a 20% do PIB) irá virtualmente desaparecer em 12 meses! Acabaram as viagens de avião baratas (...e as férias  massivas!), a inflação controlada, etc...

3º- A Contracção da Mobilidade: fortemente afectados pelos preços do petróleo, os transportes de mercadorias irão sofrer contracção profunda e as trocas físicas comerciais (que sempre implicam transporte) irão sofrer fortíssima retracção, com as óbvias consequências nas indústrias a montante e na interpenetração económica mundial.

4º- A Imigração: a Europa absorveu nos últimos 4 anos cerca de 40 milhões de imigrantes, que buscam melhores condições de vida e formação, num movimento incessante e anacrónico (os imigrantes são precisos para fazer os trabalhos não rentáveis, mas mudam radicalmente a composição social de países-chave como a Alemanha, a Espanha, a Inglaterra ou a Itália). Este movimento irá previsivelmente manter-se nos próximos 5 ou 6 anos! A Europa terá em breve mais de 85 milhões de imigrantes que lutarão pelo poder e melhor estatuto sócio-económico (até agora, vivemos nós em ascensão e com direitos à custa das matérias-primas e da pobreza deles)!

5º- A Destruição da Classe Média: quem tem oportunidade de circular um pouco pela Europa apercebe-se que o movimento de destruição das classes médias (que julgávamos estar apenas a acontecer em Portugal e à custa dos governos que porcá têm passado) está de facto a "varrer" o Velho Continente! Em Espanha, na Holanda, na Inglaterra ou mesmo em França os problemas das classes médias são comuns e (descontados alguns matizes e diferente gradação) as pessoas estão endividadas, a perder rendimentos, a perder força social e capacidade de intervenção.

6º- A Europa Morreu: embora ainda estejam a projectar o cerimonial do enterro, todos os Euro-Políticos perceberam que a Europa moribunda já não tem projecto, já não tem razão de ser, que já não tem liderança e que já não consegue definir quaisquer objectivos num "caldo" de 27 países com poucos ou nenhuns traços comuns!... Já nenhum Cidadão Europeu acredita na "Europa", nem dela espera coisa importante para a sua vida ou o seu futuro! O "Requiem" pela Europa e dos "seus valores" foi chão que deu uvas.

7º- A China ao assalto! O gigante asiático vai agora "atacar" o coração da Indústria europeia e americana (até aqui foi just a joke...). Foram já apresentados os novos carros chineses. Desenhados por notáveis gabinetes europeus e americanos, Giuggiaro e Pininfarina incluídos, os novos carros chineses são soberbos, réplicas perfeitas de BMWs e de Mercedes (eu já os vi!) e vão chegar à Europa entre os 8.000 e os 19.000 euros! E quando falamos de Indústria Automóvel ou Aeroespacial europeia...helás! Estamos a falar de centenas de milhar de postos de trabalho e do maior motor económico,  financeiro e tecnológico da nossa sociedade. À beira desta ameaça, a crise do têxtil foi uma brincadeira de crianças! (Os chineses estão estrategicamente em todos os cantos do mundo a escoar todo o tipo de produtos da China, que está a qualificá-los cada vez mais).

8º- A Crise do Edifício Social: As sociedades ocidentais terminaram com o paradigma da sociedade baseada na célula familiar! As pessoas já não se casam, as famílias tradicionais desfazem-se a um ritmo alucinante, as novas gerações não querem laços de projecto comum, os jovens não querem compromissos, dificultando a criação de um espírito de estratégias e actuação comum...

9º- O Ressurgir da Rússia/Índia: para os menos atentos: a Rússia e a Índia estão a evoluir tecnológica, social e economicamente a uma velocidade estonteante! Com fortes lideranças e ambições estratégicas, em 5 anos ultrapassarão a Alemanha!

10º- A Revolução Tecnológica: nos últimos meses o salto dado pela revolução tecnológica (incluindo a biotecnologia, a energia, as comunicações, a nano tecnologia e a integração tecnológica) suplantou tudo o previsto e processou-se a um ritmo 9 vezes superior à média dos últimos 5 anos!

Eis pois, a Revolução!

Tal como numa conta de multiplicar, estes dez factores estão ligados por um sinal de "vezes" e, no fim, têm um sinal de "igual". Mas o resultado é ainda desconhecido e... imprevisível. Uma coisa é certa: as nossas vidas vão mudar radicalmente nos próximos 12 meses e as mudanças marcar-nos-ão (permanecerão) nos próximos 10 ou 20 anos, forçando-nos a ter carreiras profissionais instáveis, com muito menos promoções e apoios financeiros, a ter estilos de vida mais modestos, recreativos e ecológicos.



Espera-nos o Novo! Como em todas as Revoluções!

Um conselho final: é importante estar aberto e dentro do Novo, visionando e desfrutando das suas potencialidades! Da Revolução! Ir em frente! Sem medo!

Afinal, depois de cada Revolução, o Mundo sempre mudou para melhor!...

 

Autor desconhcido

 

13
Ago20

O medo

cheia

O medo

Agosto radioso

Com sol curioso

Um mês amoroso

Com um luar formoso

Para os amantes, fervoroso

Mês de férias, saudoso

Quebra a monotonia do idoso

Convidando-o a sair, caloroso

Para espantar o fantasma odioso

De que as pernas não gostam de terreno montanhoso

O que elas querem é que ele não seja medroso

Basta que seja cauteloso

Que não as arraste para um repouso

Que se pode tornar muito doloroso

Nada de ser manhoso

Que aceite a crítica e elogio, orgulhoso

Mesmo que isso não o torne famoso

O contrário é que seria espantoso.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D