Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

29
Mai20

A bazuca

cheia

Os milhões!

 

Maio, Maio!

No florido Maio

Nasceu quem me gerou

Foi maio que me levou

Para longe dela

Maio, duas vezes

Tão importante

No percurso profissional

Mas, este maio foi tão diferente

Para toda a gente!

A boa notícia é que a C.E. vai em frente

750 mil milhões para distribuir por toda agente

Este maio bem pode ser determinante

Se esse dinheiro for criteriosamente aplicado

Se servir para fazer evoluir o país

Pelo menos em cinco pilares:

Educação, saúde, energias renováveis, ferrovia, novas tecnologias

É preciso acabar com a autoestrada de camiões de mercadorias, nas autoestradas

O comboio é o transporte do futuro, tanto para pessoas, como para mercadorias

 Se o dinheiro não se perder, como já aconteceu

Em que recebemos dinheiro para a formação profissional

Mas de formação não se viu nada

Acabou nos Tribunais, que também não deu em nada

Também recebemos dinheiro destinado a estufas e aviários

Mas, foi desviado para ferraris e outros bólides

Infelizmente, continua a haver muita gente a querer viver

À mesa do Orçamento, sem fazer nada

Enquanto continuamos com bairros da Jamaica

Com amianto nos edifícios

Com muita pobreza

O covid-19 veio empurrar-nos para o desemprego

Para um grande desespero

Portanto, os milhões não nos dão sossego

Queremos ver o seu emprego

Queremos ver uma melhor distribuição

Queremos menos pobreza

Queremos um Mundo melhor.

José Silva Costa

 

 

 

 

 

25
Mai20

Rumo ao Norte

cheia

Convite

 

Hoje, estou na casa do amigo C. C. Se gostam de mar, não deixem de lá passar, se não gostam também o devem fazer. É um amigo, que todos devem conhecer

Agradeço o teu convite, para conhecer o teu o acolhedor espaço, muito visitado e comentado.

O que me permitiu ir até ao Norte, sempre pela beira-mar, tendo podido visitar as maravilhosas praias do Atlântico, que este ano estão ainda mais belas:  todas desinfetadas, perfumadas, com cheiro a álcool e gel, nunca estiveram tão limpinhas, nem com águas tão límpidas!

Estavam cheias, mas todos às distâncias recomendadas, o que prova que estávamos com atenção, quando elogiaram os nossos comportamentos, mas também nos ameaçaram, caso não cumpramos o estipulado, fecham as praias.

Alguns esqueceram-se de que é proibido jogar nas praias, e outros ainda distribuíam música a metro, o que só podem fazer por mais uns dias, enquanto a época balnear não abrir oficialmente

Temos de nos habituar aos novos tempos. Fazer das praias lugares seguros

Se antes nos tínhamos de preocupar por causa dos afogamentos

Agora, temos de nos preocupar, também, com os afastamentos.

 

José Silva Costa

 

 

 

20
Mai20

Importante

cheia

Embora desejando que sejam desnecessários, aqui deixo um conjunto de recomendações 

 

Conselhos duma Enfermeira para infectados -Coronavírus

 

Conselhos de uma enfermeira


Informação vinda de uma enfermeira que está a trabalhar directamente com
pacientes infectados pelo vírus.

"Tenho visto muitas recomendações sobre medidas a tomar para a prevenção do
vírus. Lavar bem as mãos, práticas de higiene pessoal e distância social.
Mas não tenho visto recomendações sobre o que fazer se por acaso for
infectados pelo vírus.

Como enfermeira, deixo algumas sugestões

1.Coisas que realmente precisa de comprar:

- Kleenex

- paracetamol

- qualquer xarope de tosse disponível nas farmácias (prestar atenção no
rótulo para não duplicar no paracetamol)

- limão e mel funciona da mesma maneira;

-vicks vaporub para o peito também é uma boa opção

- se tiver um humidificador, use no seu quarto quando for dormir, se não
tiver pode ligar o chuveiro na água quente e ficar na casa de banho fechado
inalando o vapor da água

2- se tem um historial do asma, assegure-se que a sua bomba de asma não está
fora do prazo, ou compre uma nova;

3- tenha muita sopa congelada no frigorífico.

4- faça um stock dos seus líquidos favoritos para poder variar, mas água é
chá são preferíveis.

*O QUE FAZER QUANDO COMEÇAR A TER OS SINTOMAS*

1- se tiver febre acima dos 38°C, é melhor tomar paracetamol em relação ao
ibuprofeno; paracetamol 1000 - 1 comprimido de 8/8 h.

2- HIDRATE, porque o vírus acomoda-se mais rápido em garganta seca;

3- descanse muito! Não deve sair de casa mesmo se começar a se sentir
melhor, porque estará infetado durante 14 dias.

Não contacte com pessoas idosas ou com problemas de saúde.

4- peça a amigos e familiares que deixem o necessário do lado de fora da sua
porta para evitar contacto.

Se a febre aumentar acima dos 39°C e não a conseguir controlar ou tiver
dificuldade respiratória, contactar a Saúde 24 ou o 112


 

Fiquem calmos, e preparem-se de maneira racional que tudo ficará bem.

Partilhe com os outros e seja solidário para salvar vidas.

 

18
Mai20

A Natureza

cheia

Maio

 

Verdes estão os campos

Cheios de flores

Perfumadas como os amores

Nos verdes campos há uma grande azáfama

Plantas, árvores, aves, insetos, répteis, e não sei que mais

É um fervilhar de vidas

Interlaçadas, dependentes, concorrentes, complementares

Um ecossistema perfeito

Indiferente a pandemias, vírus, medos, enredos

Mas, sempre, atentos porque os predadores

São mais que muitos!

Têm uma grande vantagem sobre nós

Vivem na Natureza!

Não a hostilizam

Enquanto nós, não respeitamos nada

Temos uma ganância danada

Nunca estamos saciados

Queremos, sempre, mais e mais

Estamos na encruzilhada

Podíamos aproveitar

Para escolher um novo caminho

Respeitando a Natureza

Procurando um desenvolvimento sustentado

Na economia verde baseado

Aproveitando os ecossistemas

Temos a terra, o sol, a água e o vento

Com humildade e respeito aproveitemos

O que têm para nos dar

Já vimos o custo de tudo parar

Fome, miséria, muito mal-estar

Temos de uma nova vida inventar

Começando por todos respeitar.

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

 

 

 

15
Mai20

Estranho

cheia

Estranho

Estranho o barulho do silêncio

Estranho o muito tempo

Estranho o preço deste tempo

Estranho o tempo sem tempo

Estranho o movimento deste tempo

Estranho o adiamento deste tempo

Estranho todo este tempo

Estranho o desequilíbrio do rendimento

Estranho que não aproveitem este tempo para mudarem o futuro tempo

Estranho que não oiçam o que diz o tempo

Estranho que não acudam aos que não podem esperar mais tempo

Estranho que não vejam os que nunca tiveram tempo

Estranho que só alguns tenham direito ao tempo

Estranho ver tudo encerrado

Estranho ver o gato arreliado

Estranho esta vida de confinamento

Estranho estar preso no tempo

Estranho não ter liberdade de movimento

Estranho ter de estar, sempre, neste apartamento

Estranho o nosso novo aspeto

Estranho ver o Mundo, sem movimento

Estranho o cheiro intenso

Estranho tanto avião no estacionamento

Estranho não ouvir a campainha do agrupamento

Estranho a saída de homicidas da prisão

Estranho a multidão no paredão

Estranho o meu comportamento

Estranho como me habituei a este tempo.

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

10
Mai20

Dor

cheia

Dor

Os teus olhos não me saem do pensamento

Não queria presenciar mais um horrível momento

Mas, por que razão matam crianças e as atiram ao vento?

É tão grande a dor, que não há palavra para classificar este tormento

Este domingo o sol não apareceu, porque não quer ficar associado a assassinato, tão violento

Infelizmente, todos os dias, muitas crianças são assassinadas, mas finjo que não sei, porque os seus olhos, não entram por os meus adentro

Mas, hoje não consigo fingir, porque o teu doce olhar, não deixa de me atormentar

Mas como é que alguém é capaz de matar uma inocente indefesa!

Como é que os meus dias poderiam não ser cheios de tristeza

Se só vejo vingança, maldade e muita inveja

Uma flor frágil, tão delicada, que sonhava ser filha do amor

Foi vítima de quem menos esperava

O seu avô materno, muito chorava, foi, também, a morte dele, antecipada

Como é que existe tanta gente, com tanta maldade acumulada!

O meu coração ficou como se, também, tivesse levado uma facada

Preferia não ver televisão, não saber das notícias, mas pouco adiantava

Poderia não sofrer tanto. Mas, para o mundo isso não significava nada

Porque as mortes, as guerras, a fome, as doenças e os restantes horrores não acabavam

Para todos, a quem roubaram a vida, o meu amor

Ninguém tem o direito de tirar a vida, seja a quem for.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

  

 

08
Mai20

Em estado de alerta

cheia

Inimigo

 

Não queremos nada contigo

Não nos queremos cruzar contigo

Fizeste-nos tapar a cara

Como se tivéssemos vergonha dela!

Roubaste-nos o sorriso

Fazes-nos andar de máscara

De gel desinfetante

E, o lavar das mãos é constante

Não passas dum arrogante

És muito pior que um tratante

Queres passar por nosso amante

Desejamos-te o maior castigo

Obrigas-nos a aprender a viver contigo

Por que nos acabaste com o convívio?

Tens inveja dos nossos abraços e beijos

Dos nossos apertos de mão

De afagarmos os nossos ente-queridos

És um charlatão

Só queres o nosso pulmão

Mas, nós vamos dar-te uma guerra sem tréguas

Nas ruas não tiramos as mãos dos bolsos

Não queremos cumprimentos teus

Vais ver que te vamos erradicar

Usurpador, queres o nosso lugar!

Deixa-nos respirar

Não te queiras ao nosso corpo agarrar

Só queremos amigos, para beijar e abraçar

 

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

04
Mai20

A reabertura

cheia

Em estado de calamidade

 

Maldito fado

Foi preciso aparecer o covdi-19, que muitos já matou, e a todos enclausurou

Para que Portugal fosse, por todos, elogiado

O Presidente da Eslovénia gravou uma mensagem, em português, para nos elogiar

Tramp, telefonou a Marcelo, para felicitar os portugueses, pelo seu desempenho contra a pandemia

Toda a Europa, de pé, felicitou Centeno

Por conseguir multiplicar os milhões

Fazendo com que o Banco Central Europeu trabalhe noite e dia

Para a emissão de euros, que ajudem a atenuar os prejuízos

De dois meses de paragem da economia

Ninguém fica indiferente ao milagre português

Parece que é desta vez que apagamos a nossa má fama

De gastarmos tudo em mulheres e copos

Costa, está prestes a ganhar a batalha

Falta saber a arma utilizada

Se a fisga, a bazuca ou a pressão de ar

Ai, como esta Europa nos está a abraçar!

Hoje, reabrem os estabelecimentos com espaços até 200 metros quadrados

Alguns, já podem pôr os pés na rua

Mas com muito cuidado!

Porque todo o espaço está armadilhado

Para todos, os que hoje recomeçam, boa sorte.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D