Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

29
Jan19

O brinquinho

cheia

O brinquinho

Portugal! O brinquinho da Europa

Dá sinais de querer ficar melhor, na fotografia

Mas, as notícias que veem de fora não ajudam

Continuamos a subir no ranking do consumo do álcool, ultrapassámos a Rússia!

Também subimos mais um ponto no índex da Transparência Internacional (64 pontos, 30ª posição)

Apesar de termos a perceção de que, nos últimos anos, a PGR, tem tido melhores resultados, as notícias, que nos chegam de fora, dizem que há anos que estamos estagnados no combate à corrupção

Há quem diga que falta vontade política para atacar o problema

Nem a prisão de um ex-ministro e o início da fase de instrução da Operação Marquês, para sabermos se um ex-primeiro-ministro vai a julgamento, nos fizeram melhorar a nossa posição

O que não é de espantar, porque todos os dias somos inundados com notícias de julgamentos de processos de corrupção, de norte a sul do país

Quanto às praxes, para uns uma tradição, para outros atos de barbaridade, com várias mortes e muitas humilhações, sem condenações, a Marinha exonerou dois comandantes, devido a praxes na Escola Naval

Espero que seja um bom sinal, para acabar com práticas que levam à morte ou humilhação, que tão desnecessárias são.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

24
Jan19

Muitos milhões!

cheia

Dívidas

723,1 mil milhões de euros

Estado, empresas, famílias, todos contribuímos para esta dívida astronómica

Mais de cento e vinte por cento do produto interno bruto

Quando o tolerável seria cinquenta ou sessenta por cento

Quanto nos custam, em juros, estes muitos mil milhões?

Montante que seria tão importante para as infraestruturas

Que estão a arrebentar pelas costuras

Uma dívida que teima em não baixar

Porque não é paga, mas gerida

Todos os dias, lá vão, de cesta na mão, comprar nova dívida

Para substituir a antiga

Quando os vendedores sobem os juros, para valores proibitivos

Vamos bater à porta do Fundo Monetário Internacional

Que nos passa a governar até entrarmos, de novo, nos eixos

E, esta tem sido a nossa triste sina

Por não sermos pobres a pedir

Mas, muito pouco preocupados com o pagamento

Somos pobres, mas gostávamos de ser ricos

Melhor, só com inovação, melhor distribuição, menos corrupção!

José Silva Costa  

 

 

 

 

18
Jan19

A beleza da vida

cheia

A beleza da vida

Arautos das audiências

Que aos burros pedem licença

Para matarem a liberdade

E moerem-nos a paciência

Não entrem por essa ciência

Não recorram a tudo, para a vossa sobrevivência

Não contribuam, para que, a liberdade, fique despida

Lembrem-se do antigamente, recente

De que “da liberdade, só nos restava a avenida”

Não espezinhem a liberdade, para a vossa subida, na vida

Porque ela, a muitos custou, a vida

Sem liberdade, não teriam essa boa vida

Nem enxovalhariam, os outros, com essas línguas, queridas

Não entupam, com a vossa violência, as avenidas

A liberdade deve ser, por todos, vivida

Na diversidade, com que todos contribuem, para a sua alegria

Sem racismos, nem excluídos, com amizade, como se fosse uma romaria

Todos temos necessidade de respirar, todos os dias, em liberdade

Sem ela não vale a pena viver, nem fazer nada

Liberdade, minha rica amada!

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

13
Jan19

Um dia perfeito!

cheia

Na tarde esguia

Pela janela fria

Na ala esquerda do olhar

Vejo uma nesga da serra

Verde, pelo sol, acariciada

Mais umas horas, e volta a geada

No sossego e perfume da madrugada

Tudo fica, de branco, polvilhado

Tudo coberto por um admirável manto branco

Foi um domingo muito romântico

Com um radioso sol em qualquer canto

Tudo tão brilhante e quase perfeito

Se não fosse uma rubra rosa a pedir, a uma gota de água, um beijo

Para a semana verá cumprido o seu desejo

Vai voltar a chuva e a neve

Tudo o que é belo é breve

Quantas vezes, desperdiçamos os momentos de enlevo!

Na correria apressada de acordar tudo o que, em harmonia, dormia

Para darmos asas à nossa desmedida ambição

Esquecendo-nos que os melhores momentos são os de contemplação

Da natureza e beleza, que nos rodeiam, por todos os lados

Mas, nós, de tanto digital, andamos de olhos inchados

Sem tempo, sem disposição, sem dar atenção a quem todos os dias nos dá o coração.

 

José Silva Costa

 

 

08
Jan19

O ano

cheia

Ainda estás a gatinhar

Oito dias, tão pouco tempo!

E, por todo o lado, um sopro de vento

Que, mais uma vez, nos chega de França

Mas, tu ainda és uma criança!

Porque, assim apressado, avanças?

Baralhando passado com presente

Sem quereres saber do futuro

Parece, quereres, resolver tudo

Sei, que vão, haver eleições

Mas, tantas obras, tantos milhões!

Vais fazer tudo o que os teus antecessores não fizeram em décadas:

Escola Alexandre Herculano, Ala pediátrica do São João, aeroportos de Lisboa e Montijo, barcos para a Transtejo, comboios …………….

Mas, quantas, do papel, passarão?

Guerras das audições!

O Presidente telefonou a todos os apresentadores das televisões

Desejando-lhes felicitações

Os bandidos a quererem dar-nos lições

Aos políticos faltam soluções

Sim, no teu ano, o futuro está nas nossas mãos

Mas, nós não temos nenhuma bola de cristal

Que nos ajude a decidir

E, aqueles que nos querem  representar

Estão fartos  de nos enganar

Como é que querem que os perdoemos?

Só nos resta, irmos todos votar

Para lhes mostar, que não basta o ponto picar

É preciso trabalhar!

E, nós nunca nos furtaremos aos nossos deveres.

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

01
Jan19

Bem-vindo!

cheia

Bem-vindo 2019

Chegaste

O sol, mostraste

Sem chuva, como todos gostam!

Parece-me que vais ser seco

Muito ao gosto dos citadinos

Mas, muito indesejado pelos agricultores

E, por todos os, da biosfera, defensores

Ninguém consegue agradar a todos

Se conseguires agradar à maioria!

Serás aplaudido com euforia

Os bons momentos agradecemos a quem os cria

Que sejas um bom ano, para toda a gente.

José Silva Costa

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D