Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

30
Jun18

OIM

cheia

Migrantes

Os vinte e sete países da União Europeia estão cada vez mais desunidos sobre os refugiados

Às 4h35 da madrugada de 29/06/2018 chegaram a um acordo, que mais parece um desacordo

Com o que todos estão de acordo é continuarem a passar férias baratas, nos países dos migrantes, que querem entrar na Europa

Com o que todos estão de acordo, e ninguém se indigna é com a continuação da exploração de mão-de-obra barata, nas fábricas de confeções, que produzem produtos de marca, de que tanto gostam os europeus, não se importando que sejam manufaturados por crianças, sem quaisquer condições, numa exploração desumana

A Europa, através das suas colónias, explorou muita gente dos outros Continentes

Mais tarde ou mais cedo teremos de pagar a pesadíssima fatura de todos os séculos de exploração

Os novos defensores de muros, na Europa, não têm qualquer visão, tem saudades das guerras, e para isso estão a utilizar os refugiados

Querem acabar com a União Europeia, associando-se a Putin e Tramp, que têm o mesmo objetivo

A Europa não se pode fechar no seu egoísmo, deixando morrer, os desesperados, no cemitério do alto mar

Todos, nasçam onde nascerem, têm direito a procurar melhores condições de vida

Os portugueses, em todos os tempos, sempre procuraram, dentro ou fora do país, melhores condições de vida

No dia, do matutino acordo, que mais parece um desacordo, o doutor António Vitorino foi aclamado Diretor-Geral da Organização Internacional das Migrações, a quem desejo o maior êxito, nas suas novas funções, porque do seu saber e determinação, dependem muitos milhões de vidas.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

24
Jun18

O envelhecimento!

cheia

Verão

 

Verão: calor, mais horas de sol, praia, mar

Férias, amigos, descompressão, amar

Viagens, convívio, matar saudades, sonhar

Reencontros, festivais, namoros, folia

Uma estação de muita acalmia

Com a natureza numa grande bonomia

Com as noites a fazerem de dia

Com os relógios, também, a fazerem férias

A redimirem-se dos onze meses, que nos atormentam

Não nos deixando acabar o sono

Sempre a lembrarem-nos que as vinte e quatro horas diárias

Não chegam para nada, a não ser para nos cansarem

São elas que nos envelhecem!

Sempre a pressionarem-nos, não nos deixando fazer o que gostamos

Sempre a lembrarem-nos que temos compromissos

Que temos e devemos ser pontuais

Porque quem nos espera não pode esperar mais.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

20
Jun18

O sonho americano!

cheia

Que interessa!

 

Que interessa que os professores façam greve às notas, aos exames, ou às aulas!

Se temos futebol vinte quatro horas, por dia

Que interessa que os políticos tenham escolhido esta altura, para falarem de demografia, natalidade, défice demográfico!

Se ninguém os houve, porque estão todos sentados em frente aos televisores, a chorarem ou a rirem, de boca aberta, à espera que uma bola lhes acerte

Que interessa falar de natalidade!

Se não dão, aos que podem fazer filhos, as condições, para os criarem

Por que razão culpam a eutanásia de matar os velhinhos?

Se este ano, nos primeiros dias, o frio congelou cinco ou seis mil, por dia, para sempre

Que interessa aos mais de dois milhões de pobres, que lhes deem oportunidade de se empanturrarem de futebol, se eles não têm TV. Sport

O que deveria ter sido feito, não foi, porque os políticos não têm coragem de o fazer

Terem decretado, em Janeiro, que este ano, todos os portugueses tinham de passar férias de quinze de Junho a quinze de Julho, para poderem ver o campeonato do mundo de futebol

A fim de não perturbar o nosso glorioso crescimento económico, que tanto prestigio nos tem dado, ao ponto do Ministro das Finanças, para Presidente do Euro-grupo, ter sido nomeado

Todos os canais de televisão estão a abarrotar de ex-futebolistas, de comentadores de futebol, de doutorados em futebol, nada mais há para ver ou discutir

Que interessa que haja milhões de vidas em perigo, no alto mar!

Se a União Europeia se transformou numa desunião, em que são mais os que se recusam em receber os migrantes, do que aqueles que os querem receber!

Valeu-nos o bom exemplo de Espanha, para podermos ver sorrisos desinteressados de crianças, que sem saberem o que estava a acontecer, exibiam o pouco que tinham, com a mais pura alegria

Que interessa o sonho americano!

Se um tirano

Afasta, os filhos, dos pais

Para os traumatizar, para sempre.

 

José Silva Costa

 

 

 

14
Jun18

Natalidade

cheia

Junho

No sorriso do teu amor

Santos Populares em andor

Faz com que todas as terras

Tenham um padroeiro

As marchas são do povo, inteiro

Todas querem ficar em primeiro

Numa festa que mexe com a localidade

Todos os Bairros querem publicidade

Contam com o encanto da sua mocidade

Numa promessa de vitalidade

Em que todos gostam de se enganar

Sabendo que não há natalidade

Que consiga suportar a terceira idade

Que não para de aumentar

Enquanto, nos nascimentos, não param de poupar

Assim, não conseguiremos, os dez milhões, aumentar

Veremos, cada ano, a população, a baixar

A não ser, que o Santo António, nos consiga ajudar

Com os casamentos em série

Que há cinquenta anos foram seis dezenas

E, este ano não chegaram a duas dezenas

Só nos resta uma esperança

Que os migrantes mudem de ideias

Queiram no nosso país, ficar

Para nos ajudarem a crescer.

 

José Silva Costa

 

 

 

12
Jun18

Lisboa!

cheia

Festas de Lisboa

 

Lisboa, quem te viu e quem te vê!

Antigamente: desconfiada, amordaçada, num vestido de chita, enfiada

Cantando o fado, com uma canastra de peixe, à cabeça, carregada

Com muitos negócios de vão de escada

Passavas os dias, calada, com medo da piada, atribuída ao símbolo da cidade: dois corvos num barco

“se pias, embarcas”

Só os pregões quebravam a monotonia de uma cidade, vazia

--- O homem do ferro velho: “quem tem trapos, garrafas ou jornais, para vender”?

--- A varina: “é carapau e sardinha, vivinha da costa”

--- A mulher da fava-rica; “ fava-rica, quem quer almoçar”?

--- O ardina : “Século, Diário de Notícias”

Um compadre meu, apanhou um comboio, com destino à estação de Sul e Sueste, cuja viagem de comboio terminava no Barreiro, sendo o resto do percurso feito de barco, para ir depositar o dinheiro da cortiça.

Mal saiu do comboio, apareceu o ardina a apregoar: Século, Diário de Notícias, Século, Diário de Notícias

O meu conterrâneo percebeu, cerca o da cortiça; voltou para o comboio e seguiu para casa

A mulher estranhou a rapidez da viagem, e pelo aspeto do marido, viu, logo, que algo tinha corrido mal

Foi, então, que ele lhe disse: Vê lá, que mal saí do comboio, no Barreiro, apareceu um homem a gritar: “ cerca o da cortiça, cerca o da cortiça”

Como é que eles sabiam que eu tinha vendido a cortiça?

Lisboa, com os seus bairros populares, sempre em competição, mas o mais badalado era o Bairro Alto, onde se situavam os jornais, as casas de fado e as de prostituição, lado a lado

Uma coisa que não mudou foi a pedinchice! Parece-me que o país sempre viveu de mão estendida

Pelo Santo António, em cada esquina, um bando de miúdos, com uma imagem do santo, na mão, pediam: “ um tostãozinho para o Santo António”.

 

José Silva Costa

08
Jun18

O tempo!

cheia

O tempo

 

O tempo! Nunca consegue a unanimidade, no contento

Uns querem chuva, outros sol, e, outros vento

Uns querem-no radioso e, outros cinzento

Vai-se o sol, vem a chuva e o vento

Temos tido uma Primavera fresca, alguma chuva e vento

Para acabar falta pouco mais, que um momento

Ai o tempo! Como é que poderia agradar a todos?

Só se chovesse no nabal e fizesse sol na eira, ao mesmo tempo

O tempo, é motivo de conversa a todo o momento

Em breve chegara o Verão, para mais um julgamento

Uns querem-no bem quente, outros, ameno.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

01
Jun18

O que dá prestígio é ter filhos

cheia

Dia Internacional da Criança

 

O que dá prestígio é ter filhos

No Reino da Dinamarca, onde as pessoas estão uns pontos à frente, ter filhos é prestigiante

Não é ter uma mansão de um milhão de euros, ou um carro de quinhentos mil euros, que a sociedade reconhece, mas fazer-se acompanhar dos filhos

Até as diretoras ou diretores de empresas não marcam reuniões ou entrevistas, para dias e horas a que tenham de ir buscar os filhos à escola, ou levá-los a qualquer outro lado

As crianças desde muito cedo que são chamadas a colaborarem nas tarefas domésticas

Aos onze ou doze anos começam a aprender a cozinhar para, uma ou mais vezes por semana, proporcionarem um miminho aos pais, fazendo-lhes o jantar

Muitas crianças acabam por se sentir orgulhosas do desempenho dessas tarefas

Na República Portuguesa, poucas crianças se aproximam dos tachos, podem queimar-se

ÀS nossas crianças só pedimos que estudem, porque achamos que não conseguem fazer outras tarefas

Depois, assistimos a tristes figuras, como aconteceu, esta semana, num concurso da RTP1

Em que foi mostrada, aos concorrentes, uma imagem de carapaus, dizendo-lhes o nome científico daquele peixe, depois foram-lhes dadas quatro hipóteses para dizerem o nome vulgar, pelo qual é conhecido

: sardinhas, carapaus, fanecas, salmonetes

Os concorrentes eram um homem e uma mulher, um disse fanecas, o outro, salmonetes

Ficaram tão envergonhados, que ela sentiu necessidade de revelar que era vegetariana

Uma figura política, muito conhecida, foi abordada por um amigo, num supermercado, no Algarve, onde estavam de férias, com uma melancia na mão, tendo dito para o amigo:” a minha companheira pediu-me para vir buscar um melão”.

Para que amanhã haja uma melhor distribuição das tarefas doméstica, entre homens e mulheres, é preciso que os pais ensinem hoje, os filhos e as filhas a participarem em todas as tarefas domésticas, para que todos tenham mais tempo para viver

Felizmente, vai acabando o clássico de o homem chegar a casa com o jornal debaixo do braço, ligar a televisão, sentar-se no sofá, cruzar as pernas e gritar para a mulher:” trás me uma cerveja”

Hoje, vamos ensinar às nossas crianças que comemorar o Dia Mundial da Criança, com balões, provoca muita poluição.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D