Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

21
Abr18

Abril

cheia

Naquela radiosa madrugada

Um punhado de militares

Cansados de remar contra a maré

Numa batalha, em três frentes, perdida

Contra povos, que queriam, como eles, a liberdade!

Tentam, mais uma vez, pôr fim à ditadura

Depois de tantas tentativas frustradas

Eis, que uma consegue os seus fins!

Vinte e cinco de Abril de 1974

Vai colocar um ponto final

Ao império ancestral

De cinco séculos de existência

Espalhado pelas cinco partes do mundo

Pondo fim à ilusão do pequeno e pobre país

De que poderia manter, eternamente, o seu grande império!

Foi um parto muito difícil

O nascimento de seis novos países

Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Angola, Moçambique e Timor-Leste

E, ainda, a entrega, pacifica, de Macau, à China

No dia 19 de Dezembro de 1999, depois de 442 anos sob a nossa administração

Fim de mais um século, fim do último grande império!

Passadas quase duas décadas, continuamos pobres

Mas demos um salto de gigante, nestes 44 anos de liberdade

Falta convencer os Governantes, de que está na educação

A alavanca para novos saltos, que nos coloquem ao nível dos nossos parceiros Europeus.

 

José Silva Costa

 

 

16
Abr18

Prémio indesejado

cheia

Prémio indesejado

 

Portugal foi premiado

Com um prémio indesejado

Por autorizar, petróleo, prospetar

Em terra, nas praias, no mar

Para os turistas bronzear

Ninguém vai querer, noutras praias, banhar

Sol, mar e areias com petróleo, para untar

Quem é que quer, o perfume do petróleo, perder?

Praias suficientes, não vamos ter

Onde as pessoas, o petróleo, possam beber

A maravilha, que Portugal tem, para lhes oferecer

Nos mares fomos pioneiros

Na prospeção de petróleo, derradeiros!

 

 

 

José Silva Costa

12
Abr18

Avós

cheia

Que delícia !

 

Definição de Avô - Redacção premiada criança de 8 anos 

Nada fica por dizer...

Redacção de uma menina de 8 anos, publicada no Jornal do Cartaxo, em Floripa - SC.

Um avô é um homem que não tem filhos, por isso gosta dos filhos dos outros.

Os avôs não têm nada para fazer, a não ser estarem ali. Quando nos levam a passear, andam devagar e não pisam nas flores bonitas nem nas lagartas.

Nunca dizem: Some daqui!, Vai dormir!, Agora não!, Vai pro quarto pensar!

Normalmente são gordos, mas mesmo assim conseguem abotoar os nossos sapatos. Sabem sempre o que a gente quer.

Só eles sabem como ninguém a comida que a gente quer comer.

Os avôs usam óculos e, às vezes, até conseguem tirar os dentes.

Os avôs não precisam ir ao cabeleireiro, pois são carecas ou estão sempre com os cabelos arrumadinhos.

Quando nos contam histórias nunca pulam partes e não se importam de contar a mesma história várias vezes.

Os avôs são as únicas pessoas grandes que sempre têm tempo para nós.

Não são tão fracos como dizem, apesar de morrerem mais vezes do que  nós.

Todas as pessoas devem fazer o possível para ter um avô, ainda mais se não tiverem televisão.

 

 

 

  

09
Abr18

O centenário

cheia

O centenário

 

Num século, duas guerras mundiais!

O Portugal Republicano, ao contrário da ditadura, não faltou à chamada

O Salazar preferiu o orgulhosamente só

Lutar contra o nazismo, ao lado da França, foi a fraternidade da esperança

O Estado Novo prendeu-nos de mãos e pés

A PIDE (polícia internacional de defesa do estado) era o GPS

Mas nem com todos os ferrolhos conseguiu fechar as fronteiras

A guerra colonial veio, tudo, alterar

Aqueles que tiveram a sorte de voltar

Ninguém, os conseguiu aqui segurar

Melhores condições de vida, tiveram de procurar

Foram para França, a salto

Cada vez que nos calham políticos, que se julgam salvadores da Pátria

Lá temos de saltar a fronteira

Hoje já não precisamos de ir a salto, porque, felizmente, não há fronteiras

O Retângulo é demasiado pequeno para tantas roubalheiras

Portanto, só nos resta deixar a família e os amigos

Tentar minimizar as suas asneiras

Guerras, invasões, migrações serão os destinos dos povos

Enquanto não forem capazes de fazer melhor!

Para todos os militares portugueses, que morreram ao serviço da Pátria, pelo Mundo fora

Uma sentida homenagem.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D