Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cheia

cheia

08
Dez19

Balanço

cheia

Natal

Aproxima se mais um Natal, fim-de-ano, balanços, retrospetivas de mais um ano

Uma época muito especial, em que todos querem reunir as famílias

Mais nenhuma data é tão forte, que provoque tão grande movimentação

Uma rotação anual, para as distâncias encurtar, graças ao poder voar

Como é que há quem questione se avançámos, assim tanto!

Como se no último século não tivéssemos feito, quase tudo

Menos o essencial: acabar com as guerras, com a fome, com as desigualdades, com a poluição, que nos consome

Foi e será sempre assim, a ambição de alguns não se condoe com o bem de todos

Por isso, uns tanto avançam, enquanto outros ficam parados no tempo

Outros tentam travar e parar a revolução dos que querem que o ar continue respirável

Aproveitemos esta reunião familiar, para o futuro saborear, sem os problemas descorar

Porque não é enterrando a cabeça na areia, que vamos lá chegar!

Está nas nossas mãos, o fumo dos carros reduzir, sem fanatismos, racionalmente

Ou queremos que a sua comodidade, lentamente, nos vá matando!

Quem é que está do lado certo, do lado errado, sem falar dos que não estão em nenhum lado!

Este século já nos mostrou que tudo é possível!

Problemas de séculos parecem estar em vias de resolução, redução

Respeitar as mulheres, nas diversas dimensões: igualdade no local de trabalho, ser respeitada no local de trabalho, no lar, na via pública

São séculos de subalternização, que não vão desaparecer de um dia para o outro!

Mas, estas duas décadas, do século XXI, fizeram mais que todos os outros!

Estou esperançado de que este é o século das luzes, da humanização, de que duma vez por todas compreendermos que somos todos irmãos, que temos direito a uma vida digna, sem exploração.

José Silva Costa

 

 

 

 

04
Dez19

Likes!

cheia

Likes!

Para terem êxito, nas redes sociais, há pessoas que são capazes de porem a vida em perigo

Uma jovem, de vinte anos, queria tirar uma fotografia panorâmica das iluminações de Natal

Para isso, pediu autorização para subir à cobertura dum supermercado, em Braga

A cobertura não aguentou, e, ela despenhou-se, partindo os membros superiores e inferiores

Muitos casos destes têm acontecido, por todo o lado, por causa duma fotografia perfeita

Há anos, no Cabo da Roca, um casal de estrangeiros, que queria, com o Atlântico, um enquadramento perfeito

Ultrapassou o muro de proteção e colocou-se de costas para o mar, para a recordação perfeita

Quem estava a tirar a fotografia, foi-lhes pedindo para recuarem, até que se precipitaram e caíram pela arriba abaixo, o que lhes causou morte imediata

Gosto muito de ver, todos os dias, as belas fotografias, que aqui publicam, nos blogs do Sapo

Mas, por favor, nunca ponham a vossa vida em perigo, para obterem a melhor fotografia do mundo, porque os likes não valem esse risco!

Na flor da vida, a vida interrompida, com marcas para sempre, por uma ação irrefletida, não só dela, mas também de quem a autorizou a subir à cobertura do supermercado.

 

José Silva Costa

 

 

01
Dez19

Ambiente!

cheia

Dezembro

Dezembro! Chegaste com frio, neve, chuva e vento

O costume, para um inverno atento

Um mês cheio de sorrisos, abraços, festejos, e, do ano, o último evento

Em vinte e cinco de Dezembro o mais importante ajuntamento

Para a família comemorar, de Cristo, o nascimento

É, sem dúvida, de todo o ano o, mais esperado, dia

Num ano em que todas as atenções vão para o ambiente

A o2/12/2019, o Mundo reúne-se em Madrid

Para mais uma cimeira, para proteger o ambiente

Jovens, de todo o Mundo, manifestam-se ruidosamente

Para pressionarem os políticos, porque o assunto é urgente

Há quem os jovens, descredibilizar, tente

Mas, eles estão determinados a seguir em frente

O Mundo nunca mais será o mesmo, depois do esforço desta gente!

Vamos ter de mudar de hábitos

Para que não se perca a esperança

De que os séculos vão continuar a viver

Para que todos tenham uma vida melhor!

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

29
Nov19

Nódoas

cheia

Humanistas e economicistas

Orgulhamo-nos de sermos um povo solidário, e com razão!

Pelas muitas provas dadas

Mesmo que alguns donativos caiam em bolsos errados

Os nossos, bons, gestores também têm sido condecorados

Ainda que tenham levado muitas empresas à falência

E, outros tenham utilizado o dinheiro dos depositantes

Para comprarem amigos e muitas outras coisas mais

Já lá vai há mais de uma década, e nada!

Primeiro deram-lhes uns anos para esconderem o que tinham desviado

Alguns já foram julgados e condenados

Mas, os recursos são muito demorados

Ainda prescrevem, primeiro que transitem em julgado!

Os nossos mais ilustres, sempre tão solidários

Contratam sociedades de advogados

Para não pagarem os impostos

Como recompensa, são condecorados

Quando os escândalos rebentam, de medalhas continuam, carregados

Este final de ano prometia ser de paz e alegria

Toda a gente a contribuir para melhorar o ambiente

A acender luzinhas e a oferecer brinquedos de plástico

A distribuírem beijinhos e votos de felicidades

A interromperem programas de televisão

Para não ferirem suscetibilidades

Veio a Entidade Reguladora da Saúde, um relatório, publicar

Para todo o ambiente azedar

Os jornalistas pegaram em duas pérolas do relatório

A uma criança de dois anos, com sintomas de meningite, foi lhe negada assistência, por ser estrangeira

A quem uma fatura devia, que se esqueceu, não quis ou não podia pagar, foram-lhe negados exames

Felizmente, temos um Serviço Nacional de Saúde Universal!

Como o povo diz : “ no melhor pano cai a nódoa”.

 

José Silva Costa

 

 

 

,

 

 

25
Nov19

Resolução!

cheia

25 de Novembro

 

O 25 de Novembro de 1975, veio equilibrar o barco

O 11 de Março, do mesmo ano, tinha dado uma grande guinada, para a esquerda

O barco tinha ficado muito desequilibrado

O 25 de Novembro veio pôr Portugal, de novo, no rumo

Em democracia quem manda é a maioria!

Mesmo que os outros achem que está errada

E, se isso acontecer, há sempre oportunidade de o ver

E de proceder à correção, pondo o bar no rumo certo

Essa é a grande diferença entre as ditaduras e as democracias

Só da discussão nasce a luz, ninguém tem a verdade pura

Todos devemos ter Liberdade para exprimir as nossas opiniões

Vou usar essa prerrogativa para dizer que não estou de acordo

Com os Partidos, que acham que não devemos acabar com o défice

Que não devemos reduzir a dívida, pelo menos, para metade

Sei que são opções!

Mas, o que pouparíamos em juros, seria muito melhor empregue

Em infraestruturas, do que dá-lo aos Fundos de Pensões

Que nos emprestam o dinheiro, para vivermos acima das nossas possibilidades

Já vai sendo altura de os políticos nos explicarem as suas opções

Em vez de nos querem enganar com palavrões, que não dizem nada

Sei, que os povos esclarecidos são mais difíceis de enganar!

Por isso, o melhor é dar-lhes 24 horas, por dia, de futebol

Para não terem tempo de, em mais nada, pensar.

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

19
Nov19

Até sempre!

cheia

Um triste, dia!

Partiste, quando o dia sorria

Soube-se, acabou-se a alegria

Enquanto a ditadura durou

A alegria nunca sonhou

Acabou-se a ditadura

A alegria voltou

A PIDE perseguiu-te

Tu resististe

Para França, partiste

Sem liberdade nada existe

A Revolução prometeu-nos a esperança

Mas, tu nunca baixaste a lança

Tinhas razão!

Acalmada a populaça

Voltaram à anterior dança

Vivem na abastança

Fazem-nos pagar com língua de palmo

Toda a desgovernação.

 

Até sempre

 

José Silva Costa

 

17
Nov19

Vento em flor!

cheia

Margens!

Nas margens das cores

Vamos apanhar as flores

Com beijos, com dores

Resistimos a todos os horrores

As rosas são os teus amores

Nas margens das flores

Regamos o chão, sem furores

Plantamos pétalas nos corredores

Para construirmos elevadores

De beijos e cobertores

Nos nossos sonhos não entram fumadores

Tudo o que queremos são perfumes inovadores

Feitos de pensamentos voadores

Nas nossas margens só queremos valores

Todos somos amadores

Só aceitamos as verdades dos professores

Daqueles que são sabedores

Não de todos os doutores

Há sábios provocadores

Não sabem nada dos que sofrem com dores

Que amassam os dias demolidores

Com sorrisos, esperança e amigos encantadores

Para, um dia, colherem o perfume dos namoradores

O remédio que cura males assustadores

No brilho das estrelas polares

Onde todos os apaixonados constroem sonhos sedutores.

José Silva Costa

          

 

 

 

 

 

 

 

 

 

15
Nov19

Convite!

cheia

https://liberdadeaos42.blogs.sapo.pt Convite!

Hoje, a convite da MJL Liberdade aos 42, saí de casa, rumei ao Sul, passei pela minha terra, atravessei o Vascão, estou no Algarve, nas praias, onde o país passa férias

Um convite que muito me honra e muito agradeço. Escrever, num espaço tão acarinhado e visitado, é uma grande responsabilidade, ainda, por cima, sobre o que durante muitos anos não tivemos: a Liberdade

Não deixem de passar pelos espaços da MJP Liberdade aos 42 e Na Sombra da Luz, para se deliciarem com os seus excelentes textos e admirarem as fotografias, cuja beleza nos transporta, para outros horizontes.

 

Muito obrigado por tão honroso convite.

 

12
Nov19

A branca escuma

cheia

Atlântico

Atlântico, onde, com os peixes, descanso

Nesse vai e vem, manso

Nos teus braços me deito, sonho e avanço

Uma estrada sem fim, onde em qualquer lugar danço

Sonho com todos os locais, que banhas, e não me canso

Viajar, correr o mundo, utilizando o baloiçar das ondas

Essa estrada secular, onde, portagens, não é preciso, pagar

Contigo e com os teus irmãos, a todo lado podia chegar

Mas o sonho morreu antes de começar

Fiquei em terra, não consegui abalar

Mas, não me canso de te escutar

Noite e dia oiço o teu sussurrar

E, quando posso, descanso, nos teus lençóis, o olhar

Nunca me canso de te contemplar

Mesmo em terra, contigo ando sempre a viajar

Não penses, que para isso, é preciso embarcar

Basta imaginar, e isso, ninguém me pode tirar

Assim, vou continuar, todos os dias, a namorar contigo.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

09
Nov19

Rua

cheia

Rua

Vives na rua

À luz da lua

Na indiferença, nua

De quem passa

Olha para o lado

Para não ver o frio duro

Que te agasalha

No aconchego

Das pedras da calçada

Com as estrelas como almofada

Em lençóis românticos, deitada

Sonhando com um mundo de fada

Que não tem data anunciada!

Prometido em cada eleição, marcada

Mas, as legislaturas passam, e nada!

Tu aguardas desesperada

Por uma mão amada

Que te ajude a subir a, social, escada.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D