Terça-feira, 24 de Novembro de 2015

Bebé com dois pais e duas mães

Hoje, o bebé saiu da incubadora. Nascido a quatro de outubro, filho de dois pais e duas mães, cujo o parto foi muito difícil.

Dure o que durar, é um grande passo na consolidação da nossa jovem democracia. Tão jovem, que quando deu o primeiro passo, utilizando o pé esquerdo, ia caindo o Carmo e a Trindade.

Felizmente que passados quarenta anos, as nossas crianças já podem ter dois pais, duas mães, um pai e uma mãe . Muito mudou, mas as palavras hábito, nunca tinha acontecido, garantias foram muito utilizadas, o que prova que as mudanças , para muita gente, são muito difíceis de aceitar.

Garantias? Que garantias, alguém pode garantir seja o que for? Antigamente existiam as garantias bancárias, mas hoje, que todos os Bancos estão falidos, que garantias querem?

Ironia do destino, há precisamente quarenta anos entrou-nos, por a casa dentro, via televisão, um jovem militar, querendo impor-nos um Governo de extrema esquerdar.

O confronto foi inevitável: A Policia Militar contra os Comandos, tendo estes assegurado, de uma vez por todas, que não estávamos interessados em Governos de extremas, chegara-nos a ditadura de extrema direita.

Também, nessa altura, esquerda e direita utilizaram todas as armas , para esticarem a corda, tal como aconteceu nestes longos meses que levamos de campanha eleitoral, antes e depois das eleições .

Nos órgãos de informação não faltaram armas de todos os calibres e feitios a dispararem, não balas, como há quarenta anos, mas palavras, como deve ser em democracia, esticando, outra vez , a corda, para ver para onde pendia.

A grande diferença é que desta vez o Povo decidiu, e mais uma vez quem ficou em minoria não aceitou a decisão, com a falsa argumentação de que não seria naquilo que tínhamos votado.

Ora, na democracia representativa, quando votamos num Partido, estamos a escolhe-lo , para nos representa, tudo mais são interpretações abusivas.

Duas datas muito importantes, para uma democracia muito periclitante, onde poucos Governos conseguem completar a legislatura.

 

 

José Silva Costa

 

publicado por cheia às 20:42
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. O brilho da nação!

. Adeus

. Verso e reverso

. O que faço?

. Censurados!

. O Clima......

. Se o ridículo matasse ......

. Outono

. Infeções!

. Setembro

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. [LIVROS] | As Coisas Que ...

. O Órfão . Capítulo III

. Vaidades

. Já sentiram empatia hoje?

. "The handmaid´s tale": fi...

. Como nasce o amor....

. Os professores deram-me u...

. Há Festa no Panteão! E Ma...

. Oh inclemências indignada...

. Ruas...

blogs SAPO

.subscrever feeds