Domingo, 14 de Janeiro de 2018

As meias de vidro

As meias de vidro

 Estávamos em Julho de 1955

 Chegara a altura dos exames da Quarta Classe

 À Vila de Mértola tinham acorrido os alunos e familiares, de todas as escolas do Concelho, para prestarem provas.

José, pela primeira vez, na vila, estava encantado com o rio e o gasolina, o barco, que não sei quantas vezes, por semana, fazia a ligação entre Mértola e Vila Real de Santo António, descendo e subindo o Guadiana

José, assim que podia corria para o Mercado Municipal, que tem uma vista espetacular para o rio, a moagem que existia no outro lado do rio e as fundações, para a construção da ponte, que estavam a começar

Alice com vinte e oito anos, já com três filhos, acompanhou o mais velho, para a prestação das provas.

Deixou os dois mais novos com o marido; tinham de passar, pelo menos, uma semana, na Vila

Sem meios para pagar uma pensão, um senhor da GNR emprestou-lhes uma casa que estava desabitada.

Pela primeira vez tinham de fazer as necessidades dentro de casa, para um balde, que um funcionário da Câmara Municipal, todos os dias, vazava para uma carroça metálica.

No primeiro dia da prova escrita, muito borborinho e nervosismo, professoras regentes e oficiais davam nas vistas, com as suas meias de vidro a contrastarem com as meias das mães dos alunos, quase todas com meias opacas, muitas e muitos nunca tinham visto tais meias!

Dias depois, foi a prova oral, José foi o primeiro a ser chamado ao quadro, professores e professoras ainda estavam a trocar impressões, não sei se sobre os exames!

José não chegava ao quadro, ficou à espera que alguém reparasse que não podia iniciar a resolução dos problemas, passaram uns intermináveis minutos, até que um professor reparou no que se passava e disse: “ oh rapaz, não chegas ao quadro, vamos já colocar um banco!”

Passada uma longa manhã, já muito para lá das treze horas, finalmente, a afixação das pautas com os resultados, todos se dirigiram para a vitrina, nem todas e todos tiveram a mesma sorte

A palavra “aprovado”, nunca mais se esquece.

José Silva Costa

 

 

 

 

publicado por cheia às 18:57
link do post | comentar | favorito (1)
|
12 comentários:
De jabeiteslp a 15 de Janeiro de 2018 às 10:26
É bom recordar
que aqui o Joni
ia da Benquerença para Penamacor
ou depois prá Covilhã
às 4 da Manhã
de Burro... Aprovado e mais aprovado etc Hé hé hé

Valha um tanto de alegria...

Boa Semana



De cheia a 15 de Janeiro de 2018 às 21:19
Que grande castigo! Nem tinhas tempo para dormires!

Uma boa semana


De omeumaiorsonho a 15 de Janeiro de 2018 às 10:47
Muito interessante teres voltado a esses tempos!!


De cheia a 15 de Janeiro de 2018 às 21:21
Recordar é viver.


De Carlos a 15 de Janeiro de 2018 às 17:24
Memórias de um tempo antigo que muitos não acreditam ter existido! A facilidade de hoje contrasta com as dificuldades do passado! Mas são de uma riqueza inestimável estas memórias que poderiam perfeitamente constar de um livro...
Já pensaste nisso?
Grande abraço caro amigo!


De cheia a 15 de Janeiro de 2018 às 21:27
Tens toda a razão. Mas, ainda bem que as coisas estão mais facilitadas.
Quanto ao livro! Gostava. Mas tu sabes como é difícil.

Um grande abraço


De Carlos a 15 de Janeiro de 2018 às 21:43
Não acho que seja assim tão difícil!
Agora se depois farão propaganda para o venderes isso já é diferente! Eu lancei um há 10 anos, mas os que vendi foi na apresentação aos amigos e os restantes tive que os comprar! Era o trato com a editora...
Depois fui vendendo por casa e outros ofereci!
Mas não fiz sucesso!



De cheia a 16 de Janeiro de 2018 às 21:24
Pois é! Tenho mais amigos que lhes aconteceu o mesmo.
Vou escrevendo, na esperança de que, pelo menos, os meus netos o leiam.


De HD a 15 de Janeiro de 2018 às 20:51
Tempos antigos... *_*


De cheia a 15 de Janeiro de 2018 às 21:30
Tão antigos, que há quem pense que não existiram!


De O ultimo fecha a porta a 17 de Janeiro de 2018 às 00:01
Autobioráfico?


De cheia a 17 de Janeiro de 2018 às 23:12
Sim.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. As meias de vidro

. Pérolas caem do céu

. Meu amor!

. A vida!

. Contra a corrente!

. Acordo de cavalheiros

. É Natal

. Chegou o dia!

. A mulher independente

. Uma época diferente

.arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Um artigo que vale muito ...

. Retratos de Inverno - Cog...

. Convidada: MAGDA PAIS

. Este blog é meu!

. OS CEM MELHORES POEMAS PO...

. O Falso Comunitarismo e A...

. #dia 365 - Um ano de Hips...

. "Onde começa o assédio e ...

. Super Nany e a reação dos...

. Conversas da escola - Sup...

blogs SAPO

.subscrever feeds