Sábado, 30 de Abril de 2016

Maio

Maio

Maio, mês de todas as flores e de todos os horrores

Das ceifeiras e das papoilas

Trigueiras ceifeiras, de rosto tapado, para se protegerem dos beijos do sol, das papoilas e das espigas

A ceifa parecia uma orquestra bem afinada, um espetáculo inesquecível

Um movimento com o céu parado: mãos, canudos e foices num movimento sincronizado

Formavam um harmonioso bailado, com as espigas a dançarem no ar abafado

Que tem por fim segar o trigo e coloca-lo no restolho, confortado

À espera de ir para a eira, para ser debulhado.

Ninguém mais verá a planície florida de moças e moços, papoilas e espigas douradas

Não. Não verão mais o mar de trigais, ondulando, pontuado, aqui e além, por papoilas vermelhas

Não. O Alentejo não será mais o celeiro de Portugal

Um sacrifício a que foi condenado

Mesmo que a terra gemesse e já nada desse

Gentes e terra foram condenadas, por não se submeterem

A uma ditadura odiada.

Foste libertado em Abril, mas floriste em Maio

Acabou a adiafa, gratificação que simbolizava o fim de um dos trabalhos mais penosos.

Corpos vergados ao sol escaldante, em movimentos de competição, para colherem o pão

Que bom que seria, que todos soubessem, quantas voltas das, até chegares à mesa!

 

 

José Silva Costa

 

publicado por cheia às 19:00
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 28 de Abril de 2016

Quantos mil milhões

Dia Mundial do trabalhador

Um dia de luta, morte e dor

Depositámos demasiadas esperanças no nosso Continente

Depois de muitas guerras sangrentas, acreditámos que poderia ser diferente!

Mas, infelizmente, passado menos de um século, tudo está efervescente

A tecnologia é que é independente

A Síria, a Líbia e o Iraque são um inferno

Não há monumentos, nem casas, nem ruas

As cidades estão mortas, desfeitas e nuas

De onde todos fogem à procura do céu: a Europa

Mas, esta está a voltar, outra vez, ao nazismo

Esqueceram a igualdade, a solidariedade, a fraternidade!

Só pensam no individualismo

Os trabalhadores estão, outra vez,confrontados com o desemprego e o autoritarismo

Passaram de trabalhadores a colaboradores

Não têm horário de trabalho, têm de estar sempre disponíveis!

Os patrões exigem-lhes, cada vez mais sacrifícios

Não querem assumir as responsabilidades sociais

Não querem pagar impostos, levam o dinheiro para os paraísos fiscais (quantos mil milhões?)

A obtenção ou a perda do emprego é um desespero

Será da condição humana, que alguém tenha de perder a cabeça

Para que os outros parem para pensarem?

 

publicado por cheia às 20:50
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 26 de Abril de 2016

Fundações

Dia Mundial do trabalhador: um dia de morte e dor

Os séculos vão passando, envelhecendo, e nada de novo, entre o trabalho e capital

O capital só pensa em acumular

O trabalho está, cada vez, mais mal

Todas as engenharias financeiras são permitidas, para nos enganar

Colocam os milhões no Panamá, para não pagar impostos

Dos milhões roubados

Dão um por cento aos criados

Depois, são condecorados!

Nascem fundações, que grandes comilões!

São todos comendadores

Pagar impostos, é que não, senhores Doutores!

E, se alguns têm de pagar

Vão o entregar a outros países

Mesmo que seja contra as regras

Como aconteceu na Bélgica

Onde estão a jugar os denunciantes

Se era tudo legal, por que razão era confidencial?

Agora, é na Holanda, que os impostos estão em saldo

É para lá que vão os impostos do nosso trabalho

Digam lá, se há Continente mais solidário

Ou Pingo mais Doce!

O que seria de nós, se não fossem os comendadores?

 

 

José Silva Costa

publicado por cheia às 22:02
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 24 de Abril de 2016

Quem é que não descontou o suficiente?

Dia Mundial do trabalhador: um dia de morte e dor

Os séculos vão passando, envelhecendo, e nada de novo, entre o trabalho e capital

O capital só pensa em acumular

O trabalho está, cada vez, mais mal

Todas as engenharias financeiras são permitidas, para nos amolecer

Colocam os milhões no Panamá, para esquecer

Quem é que vive acima das suas possibilidades?

Ao trabalho cortaram o ordenado e a pensão

Supostamente, por te comido a parte do patrão

Vejam bem, quanto custa, honradamente, ganhar o pão!

publicado por cheia às 23:24
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 21 de Abril de 2016

Liberdade

Vinte e cinco de Abril de 2016

Este ano vais florir

Sob a bandeira de um Governo de Esquerda

Mais sensível aos dramas socias, do que aos financeiros

Gente Lusa, agarrai com pujança!

Esta grande mudança

Mostrando, que com trabalho e muito tino

Podeis, de novo, espantar o Mundo

Porque, quem fez uma revolução

Com cravos vermelhos e beijos

Tem sabedoria para afirmar:

Não é fechando a fronteira

Que se acaba com a asneira

Ninguém pediu para nascer aqui ou acolá!

Trabalhemos com afinco

Homens e mulheres

Lado a lado

Para construirmos

Um Mundo melhor

Mais feliz!

Sem ódios nem preconceitos

Estamos todos, à Natureza, sujeitos

“ Fazer bem, sem olhar a quem”

Deve ser a nossa Bandeira.

 

José Silva Costa

 

publicado por cheia às 19:46
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 20 de Abril de 2016

Arame-farpado

 

Migrantes

 

Senhores governantes

Dos países Europeus

Estão a ver, como o vosso acordo com a Turquia

Está a matar mais refugiados!

Quantos, mais milhões, terão de morrer

Para vos fazer compreender

Que o fecho das fronteiras nada vai resolver?

Porque é mis penoso, na origem, morrer

Do que enfrentarem o mar.

Não tenham medo de tomar decisões

Mesmo que percam eleições!

Mandem, o mediterrâneo, cercar

De arame-farpado

Para ninguém passar.

José Silva Costa

publicado por cheia às 22:57
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 19 de Abril de 2016

Catarina

Catarina Eufémia

O dia parecia de calma, com o mercúrio a passar o quarenta graus centígrados

Mas, de repente tornou-se num inesquecível dia de terror

As espigas já estavam douradas, segá-las era uma oportunidade para enganar a fome

Porque com trabalho sazonal: monda e ceifa, a fome era endémica.

Querias, para os teus filhos, pão

Querias, ao patrão, expor a tua razão

Com a força de quem tem filhos para criar

E, para melhor a aflição demonstrar

Decidiu, nos braços, o terceiro filho, levar

Quem poderia adivinhar, o que os podia esperar?

Quando, com a realidade não conseguimos conviver

É às armas, que os fracos costumam recorrer

Não é isso que, no Mediterrâneo, estamos a fazer?

Com a convicção de que te iam entender

Porque, certamente, não quereriam ver

Os teus filhos, à fome, morrer!

Enfrentaste o tenente da GNR, que não teve pejo em te abater!

Com três tiros: um por cada filho !

Uma crueldade exemplar!

Para que mais ninguém tivesse a ousadia de falar

Cego, pelo poder, nem viu o que estava a fazer

Uma dor! Um horror! Que o Mundo nunca vai esquecer!

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por cheia às 23:03
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 18 de Abril de 2016

Comendadores

Os Comendadores

 

Papéis do Panamá

Onde é que os não há?

Famosas regras da concorrência

Com tantos buracos negros

Não há decência!

Comendadores, muito generosos

É no que dá

Comendadores, donos de fundações

E de outros alçapões

Para esconderem os milhões.

publicado por cheia às 21:48
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 16 de Abril de 2016

Comendadores

Comendadores

 

Os papéis do Panamá já revelaram os nomes de, pelo menos, cinco comendadores relacionados com os famosos papéis.

É uma das condições para a obtenção da distinta distinção?

publicado por cheia às 21:17
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 15 de Abril de 2016

Ajuste direto

Por que razão não acabam, de vez, com o ajuste direto?

Porque é uma maneira de favorecerem os amigos e, em certos casos, até os inimigos: dá para todos.

Tal como as leis para prevenir a corrupção, que, muito trabalho dá a polícias, advogados e juízes.

De, quando em vez muito badaladas, mas que nunca conseguiram ser aprovadas!

Quem faz e aprova leis, ia-se incriminar?

 

publicado por cheia às 10:29
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. O Clima......

. Se o ridículo matasse ......

. Outono

. Infeções!

. Setembro

. Os últimos dias

. Nove anos!

. Não temos emenda!

. O Verão negro de 2017

. Uma flor

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. os animais podem entrar e...

. Passado...

. No comment, pois só olhar...

. Sou Socorrista!

. Obras depois dos incêndio...

. I want you to want me - C...

. Não fico no sofá.

. do Parlamento - O primeir...

. #dia 277 - O meu livro

. Por que não se calam?!

blogs SAPO

.subscrever feeds