Sábado, 19 de Abril de 2008

A SECA

Almodôvar

Vale de Estacas, 12/02/2005

 

A seca

O dia é de primavera

A noite de Inverno

A chuva não aparece

Tudo, com o frio, esmorece

Não há erva, nem trigo

As pessoas e os animais

Sob o mesmo castigo!

Que a água falte no verão

Já o Alentejo está habituado

Mas em pleno inverno

É arder no inferno.

Os ovinos e bovinos

Com os focinhos

Varrem os campos

Acariciam o chão

Tudo em vão

Morrem de fome

Naquela que era a melhor estação.

Os Montes outrora, caiados,

Estavam repletos de gente

Agora, todos, desboroados.

Nem a liberdade!

Com os seus progressos:

Estradas, água, luz

Conseguiu evitar a debandada

 Porque chegou atrasada.

As modestas habitações

Completamente desventradas

Com as partes íntimas

Em exposição:

Ao vento, ao sol, à lua

Num silêncio estarrece dor

Ouvem-se as almas reclamar,

Porque a iluminação pública

Passa a noite a incomodar

Quem, em vida, só tinha o luar!

Que tristeza observar

As velhas pedras a chorar

Por não terem quem agasalhar:

Nem mulher, nem homem

Nem cão, nem gato, nem pardal.

Assusta, o barulho das oliveiras, sobreiras e azinheiras 

A sonharem com uma gota de água.

 

 

José Silva Costa

 

publicado por cheia às 22:12
link do post | comentar | favorito
|

A Guerra no Iraque

Armas de destruição maciça

 

Rodízio,12 de Julho de 2004

 

Sucumbem no ar ardente

Nos grãos de areia quente

Jovens na flor da vida

Tingem a areia ferida.

Ai Bagdad invadida

Que tirania te tirou a vida?

 

Medicamentos por petróleo

Imposição carregada de ódio

Por quem representa o Mundo

Mascarando amor profundo

Matando um povo moribundo

Com um embargo desumano.

 

Ai Iraque cobiçado

Pelo petróleo amaldiçoado

Por um tirano torturado.

O  mundo levado ao engano

Pelo ambicioso americano

Para te roubar o tutano.

 

Nações Unidas

Votando embargos urdidos

Pelos Estados Unidos

Para vergarem o povo unido

Sem petróleo vendido

Viver! Não lhe é permitido.

 

As civilizações ocidentais

Defendendo liberdades vitais

Vendo os iraquianos morrendo

Sem medicamentos nos hospitais

Choram lágrimas de crocodilo

Só pensam no petróleo, nada mais.

 

O mundo munido

Levou o tirano de vencido

Destruiu  um país antigo

Castigou  o seu  povo

Não consegue consertar o ovo

Que partiu sem consentimento.

 

 

José Silva Costa 

 

 

publicado por cheia às 21:52
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. O brilho da nação!

. Adeus

. Verso e reverso

. O que faço?

. Censurados!

. O Clima......

. Se o ridículo matasse ......

. Outono

. Infeções!

. Setembro

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. [LIVROS] | As Coisas Que ...

. O Órfão . Capítulo III

. Vaidades

. Já sentiram empatia hoje?

. "The handmaid´s tale": fi...

. Como nasce o amor....

. Os professores deram-me u...

. Há Festa no Panteão! E Ma...

. Oh inclemências indignada...

. Ruas...

blogs SAPO

.subscrever feeds